RJ: 23 ativistas conquistam a anulação de sentença

A- A A+

Nova sentença deverá ser dada desconsiderando as ‘provas’ inválidas

No último dia 26 de fevereiro, os 23 ativistas do Rio de Janeiro que há anos vem enfrentando um processo político obtiveram uma importante vitória jurídica. Nesta data, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que foi ilegal a utilização no processo judicial de informações e depoimentos dados por um policial infiltrado sem autorização. Portanto, o STF decidiu, por unanimidade, que atos relacionados a esse agente da Força Nacional não sejam válidos como prova contra os 23 ativistas.

Primeiro ato de repúdio à condenação lotou o salão Nobre do IFCS, Rio de Janeiro, 24/07/18
Primeiro ato de repúdio à condenação lotou o salão Nobre do IFCS, Rio de Janeiro, 24/07/18

Como temos acompanhado nos últimos cinco anos, tal processo trata-se de uma clara perseguição política contra 23 pessoas (entre professores, estudantes e trabalhadores de outras categorias) que, na véspera da final da Copa da Fifa de 2014, foram presos e perseguidos. Na verdade, eles são criminalizados pela ousadia de lutar contra as injustiças e arbitrariedades que ocorreram no Rio de Janeiro (na época gerenciado por Sérgio Cabral, hoje condenado e preso), muitas delas cometidas em nome dos megaeventos, e que foram combustível para a grande revolta popular que eclodiu em 2013 e 2014. Tal processo, em seu desenrolar, levou à prisão do ativista Igor Mendes, autor do livro A pequena prisão, relato dos seus sete meses encarcerado no presídio de Bangu.

A decisão do STF, resumida e antes da publicação da íntegra, foi a seguinte: “A Turma, por votação unânime, concedeu parcialmente a ordem a fim de declarar a ilicitude e determinar o desentranhamento da infiltração policial realizada por Maurício Alves da Silva e de seus depoimentos prestados em sede policial e em juízo, nos termos do art. 157, § 3º, do CPP, sem prejuízo da prolação de nova sentença baseada nas provas legalmente colhidas, nos termos do voto do Relator. Falou, pela paciente, o Dr. Carlos Eduardo Cunha Martins Silva. Ausente, justificadamente, o Ministro Celso de Mello. Presidência do Ministro Ricardo Lewandowski. 2ª Turma, 26.2.2019”.

Segundo o advogado do povo, Marino D’Icarahy, destacado defensor de alguns dos 23, em publicação numa rede social, “esta decisão, há muito por nós esperada, vem consagrar uma das teses mais trabalhada pelas defesas atuantes no processo dos 23”. E explica:

“A tese era de que a infiltração patrocinada pela Força Nacional e pelo Exército Brasileiro nas manifestações contra a realização da Copa do Mundo de 2014 no Brasil era generalizada e extrapolava a legalidade quando se desviava para a criminalização de pessoas.”

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja