Forças pró-USA torturam crianças

Ao menos 1,5 mil crianças, majoritariamente oriundas do Iraque e da Síria, estão oficialmente detidas por militantes curdos e tropas de repressão do velho Estado iraquiano. O motivo dos sequestros é uma suposta filiação das mesmas com grupos como o Estado Islâmico da Síria e do Iraque (EISI). A informação surge de uma denúncia da organização internacional Human Rights Watch, que contou inclusive com relatos de crianças que foram libertadas após sessões de tortura.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia
 

Órgãos de comunicação sob as duas bandeiras negam as acusações, ao passo que assumem possuir crianças como prisioneiras e “com os mesmos direitos de prisioneiros adultos” – estes que, por sua vez, são inegavelmente sequestrados e torturados nas batalhas de agressão contra nações do Oriente Médio e seus grupos de Resistência Nacional.

Dezenas de caminhões estão partindo diariamente de regiões recentemente perdidas pelo EISI carregados de crianças, adolescentes e de suas mães em direção a campos de triagem e de detenção curdos e iraquianos, cuja existência é apoiada pelo USA.

Torturas forjam confissões

Entre 29 crianças entrevistadas e que haviam sido libertadas de campos de aprisionamento em Ebil, no Curdistão e em Bagdá, ambos no Iraque, ao menos 19 relataram torturas que objetivavam a obtenção de confissões. Parte das crianças alegaram que jamais haviam participado dos atos pelos quais foram aprisionadas e, em alguns casos, até mesmo condenadas; outra parcela revelou que por vingança ou mesmo obrigatoriedade imposta pela ideologia atrasada de tais grupos, chegaram a ter ligações com os militantes da Resistência.

As crianças que haviam sido apreendidas e que não tinham o que confessar citaram documentos de confissões escritos por membros da Asayish, a polícia curda, que eram repassados às mesmas apenas com o fim de que os assinassem ou marcassem suas digitais.

Os métodos de tortura descritos incluem espancamentos, utilização de canos e barras de ferro pelo corpo, descargas elétricas e amarração de membros em posições de estresse durante os interrogatórios.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin