Talibãs avançam para retomar distrito

Resistência promete prosseguir a guerra até sepultar o plano colonial ianque 

Banco de dados AND
Talibãs prosseguem guerra de resistência há 18 anos e controlam metade do território
Talibãs prosseguem guerra de resistência há 18 anos e controlam metade do território

Um grande contingente de combatentes da Resistência Nacional afegã, ligado ao grupo Talibã, realizou um cerco a um prédio governamental na província de Badghis e aniquilou pelo menos 12 soldados do Exército colonial afegão e da polícia local, no início de abril. A ação é parte da ofensiva militar empreendida pela Resistência para retomar o distrito de Bala Murghab, na mesma província, ofensiva que já aniquilou 32 militares pró-USA.

Segundo informações do próprio “governo” colonial pró-ianque, na pessoa de Mohammad Nasir Nazari – membro do conselho provincial –, os talibãs mobilizaram pelo menos 2 mil guerrilheiros e combatentes para a ofensiva. Por sua vez, as forças pró-colonialismo, em média 600 tropas, estão se desmembrando em rixas internas, sem água, comida e munições.

Segundo o chefe do distrito, Abdul Waris Sherzad, ligado ao aparelho estatal colonial, o sentimento geral da tropa é de decepção com as forças da OTAN e do Exército colonial afegão por ter sido abandonada.

Antes dessa ofensiva, dois membros do serviço ianque foram executados enquanto realizavam uma operação contra a Resistência Nacional, no dia 22 de março, em Cabul (capital do país). O informe das baixas foi confirmado pela OTAN, em comunicado. A operação na qual foram mortos os agentes ianques foi descrita pelas forças colonialistas como “de auxílio e guia às forças afegãs na luta contra o terrorismo”.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia
 

Com esses agentes, o saldo de invasores ianques executados ultrapassa 65, enquanto, para as forças locais pró-ianques, o número de mortos ultrapassa 45 mil soldados e policiais. A discrepância deve-se a que o USA utiliza-se das tropas locais, do Exército colonial e das polícias afegãs para realizar as ações cujo risco de baixas são maiores, deixando seus soldados e militares em geral em ações de baixo risco ou em funções estratégicas.

A Resistência dos talibãs cresce e o número de ações e distritos recuperados se multiplicam enquanto são realizadas as conversas para a assinatura de um acordo de paz com o USA. O Talibã já deixou explícito que o acordo só será firmado sob a condição irrenunciável de que sejam retiradas todas as tropas estrangeiras e seja posto fim ao projeto colonial no Afeganistão.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro