O materialismo histórico dialético

A- A A+

Ciência das leis gerais que regem o desenvolvimento da sociedade, o materialismo histórico dialético é a aplicação da filosofia marxista (materialismo dialético) ao estudo da história do desenvolvimento da sociedade em seu conjunto. Seu objetivo é responder como determina-se um certo regime social, como se condiciona o desenvolvimento social, como e por que se alteram no decorrer da história o regime social, a relação entre o regime social e o Estado — além do direito, moral, psicologia e a ideologia dos homens de modo geral.

Banco de dados AND
Karl Marx fundou a doutrina por meio do trabalho teórico e da luta de classes prática
Karl Marx fundou a doutrina por meio do trabalho teórico e da luta de classes prática

A humanidade percorreu uma longa e complexa trajetória que vai desde o regime da comunidade primitiva (relações comuns dos meios de produção, chamado também comunismo primitivo), passando pela escravidão, feudalismo e capitalismo até o socialismo, hoje em briga para impor-se. Ao contrário do idealismo histórico, que centra sua explicação no desenvolvimento histórico da sociedade humana nas ideias, na ação de governantes ou na decisão subjetiva deste ou daquele, o materialismo histórico explica o desenvolvimento social baseando-se na capacidade dos homens de produzirem e como organizam-se para tanto.

Forças produtivas e relações de produção

Segundo o materialismo histórico dialético, uma sociedade entra em bancarrota quando seu modo de produção entra em crise intestina, ou seja, quando a capacidade de produção (forças produtivas) desenvolve-se tanto que entra em antagonismo com as relações de produção (formas como os homens se organizam e se relacionam para produzir).

A sociedade burguesa, por exemplo, entrou em crise às bordas da bancarrota quando as forças produtivas se desenvolveram de tal maneira que as relações entre proletários e burgueses (relações de produção) entraram em antagonismo. Com a grande indústria, os homens passaram a produzir em abundância e, no entanto, os proletários e o povo em geral não podiam adquirir as mercadorias por causa do baixo salário que recebem. O baixo salário, por outro lado, é uma necessidade do grande capitalista para extrair o máximo de mais-valia, ou seja, para explorar ao máximo o proletário; e, para piorar, a grande indústria, ao se desenvolver, passa a gerar uma enorme massa de desempregados, pois o grande capitalista substitui-os pelas máquinas objetivando mais produtividade (a máquina produz mais mercadorias em menos tempo, aumenta intensidade) e ter menos gastos com salários. Sem isso, o grande capitalista não pode tirar o máximo de lucro e, se não tirá-lo, será engolido pela concorrência. Mas, se não há quem compre a mercadoria, o ciclo da mais-valia não se concretiza e o grande capitalista não consegue retirar o lucro do capital aplicado. Essa complexa relação de produção, dado o desenvolvimento das forças produtivas, gera as crises cíclicas e profundas do capitalismo e, nesses momentos, os grandes capitalistas param a produção para não aumentar ainda mais a falência econômicas de grandes empresas. Eis aí um exemplo de antagonismo surgido com a grande indústria entre forças produtivas e as relações de produção capitalistas (a forma como burguês e proletário se relacionam, os termos econômicos dessa relação); antagonismo no qual as relações de produção, ou seja, a burguesia impede o desenvolvimento da sociedade, impede o avanço das forças produtivas.

Essa contradição, quando se antagoniza, é e sempre foi o que gerou revoluções sociais. Foi assim que a humanidade passou das comunidades primitivas ao escravismo, do escravismo ao feudalismo, do feudalismo ao capitalismo e é igualmente por isso que o socialismo e o comunismo são inevitáveis. As próprias relações capitalistas de produção geram miséria, repressão, opressão e decompõem diariamente a sociedade burguesa, tornando-a moribunda e atiçando as forças produtivas (essencialmente, as massas trabalhadoras) contra o seu regime social.

As forças produtivas, então, levantam-se violentamente para destruir a forma de propriedade que geram essas relações de produção: assim aboliu-se a propriedade escravista e surgiu a feudal; igualmente assim aboliu-se a feudal e gerou-se a capitalista; e assim aboliu-se, em uma parte do mundo no século passado, a propriedade capitalista e gerou-se a propriedade social (pôs-se fim à propriedade privada). Ou seja, o antagonismo surgido entre as forças produtivas e as relações de produção determinam o antagonismo entre as classes que estabelecem essas relações, ou seja, é a própria base da luta de classes e do seu desenvolvimento inevitável. Assim, portanto, o marxismo (do qual faz parte o materialismo histórico) põe acento nas massas e no seu grande poder transformador, reconhecendo que as grandes personalidades são produtos casuais de uma necessidade objetiva.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja