RJ: Jovem com furadeira é executado pela PM

Policiais disseram ter “confundido” a ferramenta de trabalho com arma

O jovem de 22 anos, João Victor Dias Braga, foi assassinado enquanto saía para trabalhar, em 2 de abril, na comunidade Santa Maria, na Taquara, Zona Oeste do Rio. Parentes denunciam que policiais  “confundiram” a furadeira que João carregava com uma arma. Agentes do 18° Batalhão de Polícia Militar (BPM) estavam fazendo uma ação na região na tarde do crime.

O sogro da vítima, Leonardo Santos, de 40 anos, relata que a incursão policial se iniciou assim que o rapaz saiu de casa para trabalhar. “Almoçou, tomou banho, pegou as coisas dele pra ir trabalhar e começou o tiroteio.”, disse em entrevista ao Jornal O Dia.

Leonardo conta ainda que descobriu a morte de João através da internet e que os policiais criminalizaram o jovem. “Nós vimos que ele havia entrado em óbito no Hospital Lourenço Jorge, ele chegou lá como criminoso, ele foi envolvido em uma situação que ele não é.”, disse.

João Victor é descrito pelos familiares como uma pessoa tranquila, honesta e querida no bairro. “João era um menino muito tranquilo, sempre morou em comunidade e nunca usou drogas, nunca iria se envolver em nenhum tipo de facção.”, conta a namorada do jovem, Júlia Batista, também de 22 anos.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Leonardo Santos afirma que seu genro trabalhava como DJ e com montagem de andaimes com uma equipe de som.

Modus operandi militar

Mortes como essa são barbaramente comuns nas periferias do país. Em 2010, um morador do Morro do Andaraí, na Zona Norte do Rio, foi morto por agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) ao, supostamente, confundirem sua furadeira com uma arma. A família da vítima denunciou que o militar atirou sem avisar. O PM responsável pelo crime foi absolvido em 2012.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin