Mariátegui, a decadência burguesa e a fé revolucionária

Atravessamos uma era de declínio. Não se trata, porém, de um declínio de origens místicas e puramente espirituais, como pretendem as religiões, mas de um declínio que brota do apodrecimento da sociedade burguesa.

Banco de dados AND
José Carlos Mariátegui foi fundador do Partido Comunista do Peru
José Carlos Mariátegui foi fundador do Partido Comunista do Peru

O grande Karl Marx afirmou que a ideologia que predomina em toda época é a ideologia da classe dominante dessa época. Segundo Mariátegui, em O homem e o mito, quando a classe dominante é ainda revolucionária e faz andar as rodas da história, sua ideologia enche os homens e mulheres de energia de sentimentos heroicos. Quando essa classe consolida sua dominação e torna-se reacionária, todas as suas ideias levam o espírito humano ao atraso e à decadência.

Na história há outros exemplos disso. O cristianismo dos escravos revolucionários de Roma era um: estava fundamentado na igualdade de todos os homens perante a criação e no desprezo às riquezas do Imperador, expresso na máxima “À César o que é de César”; já o cristianismo dos reacionários senhores feudais era distinto, fundamentado no terror aos camponeses e na predestinação ao trabalho servil. Uma mesma ideia, a depender da época, pode ter caráter progressista ou reacionário, como apontou Engels em seu magistral Anti-Dühring. Assim ocorre com a civilização burguesa que, durante as revoluções iluministas, era progressista e entusiasmada com os mitos da consigna de “Liberdade, Igualdade e Fraternidade” e, agora, como revela José Carlos Mariátegui, sofre da ausência de fé e esperança e reacionariza-se.

Mariátegui investigou com maestria este processo em seu ensaio A alma matinal. O fundador do Partido Comunista do Peru foi cirúrgico ao afirmar que o racionalismo serviu apenas para desacreditar a razão. A burguesia prometeu à humanidade uma era sustentada pelos princípios da razão e do progresso e o que fez foi fundar outra sociedade baseada na exploração do homem pelo homem. O surgimento do imperialismo e todos os seus consequentes males, no início do século XX, rasgou com frieza todos os ideais iluministas de democracia e liberdade. Não poderia, em meio às tormentas da guerra imperialista e da profunda crise econômica, moral e política, seguir florescendo uma intelectualidade caprichosa e acomodada tal como a intelectualidade parisiense dos tempos da Bela Época, analisada por Mariátegui.

“Quando a atmosfera da Europa, próxima à guerra, se carregou de eletricidade em demasiado, os nervos desta geração sensual, elegante e hiperestética sofreram um raro desconforto e uma estranha nostalgia”. Neste trecho Mariátegui demonstra como a chegada da primeira Grande Guerra interimperialista causou um duplo efeito na romântica intelectualidade europeia: por um lado, o receio de perder la dolce vita e, por outro, a ansiedade de presenciar um espetáculo, como se a guerra pudesse ser reduzida a uma peça teatral. “Mas a guerra não poderia ser tão mesquinha”, sua munição não é de festim e o sangue vertido é verdadeiro. A pequena burguesia, acostumada com a graciosidade das noites tranquilas da boemia europeia, não pôde suportar as duras penas impostas pelos tanques, aviões e metralhadoras. À guerra imperialista de 1914, o proletariado russo respondeu com a revolução bolchevique de 1917 e, à essa revolução, a grande burguesia europeia respondeu com o nazifascismo e com duas guerras de agressão. 

É em meio a esse furacão de acontecimentos históricos que Mariátegui destaca o aparecimento de duas concepções distintas de vida: uma pré-bélica, logo pré-imperialista, cômoda, ligada aos tempos do desenvolvimento relativamente pacífico do capitalismo e aos mitos iluministas, e outra pós-bélica, da era imperialista, marcada pelos nervos à flor da pele, ligada às chamas da guerra imperialista, da revolução e da contrarrevolução armadas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin