Latifúndio sofre mais uma derrota, dessa vez em Alagoas

Camponeses conquistam eletrificação
na Área Renato Nathan

Após anos de dura luta, os camponeses da Área Revolucionária Renato Nathan, em Messias, Alagoas, conquistaram a instalação de energia elétrica para suas casas. Nesta área, que historicamente havia sido grilada pela Usina Utinga Leão, atualmente vivem centenas de famílias camponesas que sustentam uma das áreas mais produtivas do estado.

Banco de dados AND
Após 16 anos de luta, camponeses conquistam eletrificação; a luta prossegue por regularizar as terras
Após 16 anos de luta, camponeses conquistam eletrificação; a luta prossegue por regularizar as terras

A eletrificação da área, como parte da luta pela Revolução Agrária, é um importante passo para que as famílias camponesas possam melhorar suas condições de vida e aumentar sua produção, incentivando e apoiando materialmente outros camponeses para conquistarem também suas terras, destruindo o latifúndio palmo a palmo. No dia 12 de junho ocorreu o ato em comemoração dessa conquista, além de uma homenagem ao companheiro José Adeilton, o Del do Lajeiro, que nesta data comemoraria seus 57 anos.

‘O Lajeiro’

No início, por volta de 2003, a semente da luta no Lajeiro foi plantada por famílias de posseiros que viviam e trabalhavam no local. Estas foram as primeiras famílias a enfrentar a Usina Utinga na conquista dessa terra. Entre 2003 e 2008, novas famílias se instalaram no local, buscando na ocupação das terras griladas pela usina uma forma de sustento para seus filhos.

Em meio à crise, em 2009, as fazendas usurpadas pela Utinga foram ocupadas por vários movimentos de luta pela terra em Flexeiras, Murici, Rio Largo e Messias. Sob a sua bandeira, a Liga dos Camponeses Pobres (LCP) organizou os camponeses na ocupação do Lajeiro junto aos primeiros sitiantes. Ao final daquele ano, com dezenas de famílias acampadas, a área encarou sua primeira ordem injusta e ilegal de reintegração de posse.

Com essa falsa ordem de despejo, as dezenas de ocupações nas terras griladas pela usina foram desfeitas. Alguns movimentos levaram os camponeses para a beira da pista, mas a bandeira da LCP seguiu firme no Lajeiro. A fama do Lajeiro como único movimento a enfrentar a Usina se espalhou, e mais famílias chegaram.

Em 2012, a área se expandiu e ocorreu a primeira parte do Corte Popular, finalizando com uma grande festa de entrega dos certificados de posse e batismo da área como Área Revolucionária Renato Nathan, em homenagem ao grande herói da luta camponesa, assassinado pelo latifúndio em Rondônia no mesmo ano.

Os camponeses seguiram firmes na luta, superando ameaças de reintegração que eram praticamente diárias, e entre 2014 e 2015 realizaram sua segunda expansão, completando o objetivo de ocupar toda a área abandonada e usurpada pela usina há anos. Neste período, em meio a ameaças da Utinga, a sede de alvenaria foi construída. A firmeza na luta e na bandeira impulsionou a construção de casas de alvenaria nos lotes. No final do ano de 2015 realizou-se a segunda parte do Corte Popular e a entrega dos certificados.

A luta do Lajeiro se espalhou e a justeza de sua resistência contra Usina Utinga traz consigo importantes apoiadores, destacadamente professores progressistas da Universidade Federal de Alagoas e estudantes democráticos. Houve diversas visitas, palestras, atos, plenárias e manifestações na Área, realizadas por  estes verdadeiros apoiadores da luta dos camponeses, contribuindo com a construção do Novo Brasil.

A luta pela eletrificação

Desde o início da ocupação, há mais de 15 anos, a eletrificação sempre foi um objetivo, mas antes de tudo precisava-se consolidar uma situação estável na Área, com aumento do número de casas, elevação da produção e de estabilizar quantidade de famílias, bem como era necessária uma boa articulação jurídica.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro