Comunistas eliminam político reacionário e agentes da repressão

A- A A+

Várias ações promovidas pelos maoistas, na Índia, indicam um avançar da luta revolucionária. As ações se concentraram especialmente em Bijapur, distrito de Chhattisgarh que concentra 60 mil pessoas.

Banco de dados AND
Guerrilheiros do EGPL em formação
Guerrilheiros do EGPL em formação

Numa das ações, o Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL) executou um conhecido político reacionário chamado Santosh Punem, líder do Partido Samajwadi, na noite de 18 de junho. A ação ocorreu no distrito de Bijapur, no estado de Chhattisgarh. Os guerrilheiros capturaram Punem quando ele visitava um canteiro de obras da sua empresa.

Os revolucionários ainda destruíram diversas máquinas da empresa antes de deixarem o local. As forças de repressão demoraram cerca de 10 horas para resgatar o corpo, pois temiam que os maoistas pudessem preparar uma armadilha para as tropas que fossem fazer o resgate.

Na mesma cidade, no dia 23 de junho, um policial foi aniquilado por um comando do EGPL, na aldeia de Mirtur. A ação aconteceu por volta das 14h, quando o comando maoista cercou o policial que estava no mercado semanal de Mirtur. Os guerrilheiros executaram o agente e expropriaram a pistola semi-automática que ele portava.

As ações seletivas contra membros da repressão, em geral, têm como alvos elementos conhecidos por possuírem um longo histórico de crimes cometidos contra os camponeses e operários, sendo, provavelmente, o caso do policial.

Tropas da reação sofrem baixas

Cinco dias depois, na mesma cidade, dois agentes da Força Policial da Reserva Central (FPRC) foram mortos em uma emboscada dos maoistas. O ataque aconteceu por volta das 11h, quando uma equipe do 199° batalhão da FPRC estava próxima à vila de Keshkutul.

Os policiais estavam em motocicletas se deslocando de seu acampamento em Keshkutul para Bhairamgarh. Ainda quando estavam na vila, foram emboscados pelos combatentes do EGPL e, em meio ao tiroteio, foram atingidos o sub-inspetor assistente, Madhu Patil, e o chefe de polícia, Taju Oti, que morreram. Outro sub-inspetor, identificado como Madhu Pal, ficou ferido.

Nessa ocasião, o reforço foi chamado às pressas pelas forças da repressão e os feridos foram levados ao hospital de Bhairamgarh. De acordo com fontes policiais, os maoistas capturaram durante o confronto um fuzil AK-47, coletes à prova de balas e granadas.

No dia 24 de junho, uma agente da Guarda Distrital da Reserva (GDR, também conhecidos como jawan) foi gravemente ferida por um dispositivo explosivo improvisado plantado por guerrilheiros do EGPL. A ação aconteceu na aldeia de Hiroli, no distrito de Dantewada, também no estado de Chhattisgarh.

A explosão aconteceu no momento em que uma equipe da GDR (que fazia a proteção de um grupo de 50 funcionários administrativos, dentre eles o superintendente da polícia do distrito de Dantewada, Abhishek Pallava) abria uma estrada de terra. A jawan pisou no artefato que a deixou gravemente ferida.

A comitiva alvo da ação dos maoistas havia se deslocado até Hiroli para fazer uma investigação sobre um suposto referendo realizado em 2014, que permitiu a atividade mineradora no depósito de minério de ferro n° 13, da Corporação Nacional de Desenvolvimento Mineral.

Recentemente, o povo da aldeia fez um protesto contra a mineradora alegando que a colina onde fica o depósito de minério de ferro é vista como uma divindade segundo sua crença. Além disso, os moradores denunciaram que a mineradora vem desmatando toda a área de floresta da região.

Governo cria grupos paramilitares

O primeiro-ministro ultrarreacionário Narendra Modi criou e financiou grupos paramilitares que atuam no distrito de Bastar, no estado de Chhattisgarh. As informações foram veiculadas pelo blog Correo Vermello, na segunda quinzena de julho.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja