USA impõe novas sanções e ameaças ao Irã

A- A A+
Pin It

O USA determinou, no último mês, diversas sanções econômicas  ao Irã, após uma série de episódios em que o país se negou a submeter-se às ordens dos imperialistas ianques. As sanções foram deliberadas como forma de chantagem, pois o Irã havia decidido por deixar um pacto de 2015 firmado com o USA e outros países imperialistas, após os próprios ianques abandonarem o mesmo. O tratado limitava o uso de energia nuclear e urânio enriquecido pelo Irã. O próprio ultrarreacionário Trump abandonou-o em 2018, contrariando as posições de outros cinco países presentes no pacto, na tentativa de isolar o país persa.

Mapa do cerco militar imperialista ao Irã

A saída do Irã do pacto se deu ao ultrapassar o limite estabelecido de 3,67% de enriquecimento de urânio para a produção de energia elétrica, como uma justa resposta à saída unilateral do USA do Plano Integral de Ação Conjunta (Piac, o nome oficial dado ao pacto), em 2018. Após abandonar o Piac, Trump imediatamente retomou as sanções que haviam sido suspensas em 2015, incluindo aquelas sobre o setor petrolífero, o que levou ao estrangulamento da economia iraniana. Os ianques, porém, continuaram exigindo que o Irã obedecesse ao falido acordo.

Em abril de 2019, o USA proibiu a compra de petróleo iraniano, incluindo os países que ainda estavam livres desse veto, e, em maio, asfixiou o setor de metais industriais, que é a segunda maior fonte de renda por exportações do Irã, depois do petróleo. Mais recentemente, no fim de junho, Trump impôs sanções diretamente ao aiatolá Ali Khamenei, “líder supremo” do Irã, e a oito chefes militares, com foco em comandantes responsáveis pelas operações navais na região do estreito de Ormuz, onde ocorreram os episódios da derrubada do drone e da explosão dos navios petroleiros, em junho de 2019.

Agora, no dia 10 de julho, Trump ameaçou aumentar ainda mais as sanções econômicas e afirmou que pretende expandi-las a mais funcionários do governo iraniano, sob o argumento de que pretende pressionar o país a abandonar supostas “atividades hostis”, como a “produção de armas nucleares”. O argumento de Trump, no entanto, se mostra falho, pois ao exceder o limite de 3,67% – estabelecido no falido pacto de 2015 – e enriquecer urânio a um nível de pureza de 4,5%, o Irã não representa qualquer “ameaça atômica”, uma vez que o nível necessário para se produzir armas nucleares, como uma bomba, é de mais de 90%.

Além de fortalecer o cerco econômico contra o Irã, foram perpetradas, também, ameaças de ataques militares e de avanços bélicos sobre as fronteiras iranianas. Em junho, logo após a derrubada do drone ianque, Trump alegou que havia decidido abortar um ataque de bombardeio aéreo com mísseis contra o Irã, afirmando cinicamente que queria “evitar mortes”. No entanto, no mesmo dia o USA lançou um ataque cibernético que derrubou computadores militares do Irã. Segundo o monopólio de imprensa The Washington Post, o ciberataque teve como alvo o sistema de mísseis da autodenominada “Guarda Revolucionária” iraniana (Exército local).

Posteriormente, o primeiro-ministro de Israel, o genocida Benjamin Netanyahu, fez uma ameaça velada ao afirmar, em frente a um caça F-35, durante uma visita a uma base militar israelense, que seus aviões “podem chegar a todos os lugares do Oriente Médio, incluindo o Irã e, certamente, a Síria”. Israel é o principal aliado do USA e o mais acirrado rival do Irã na região, e possui um enorme aparato bélico que utiliza para sustentar a hegemonia ianque regional. Agora, no dia 10 de julho, o USA anunciou também que está se articulando para formar uma coalizão militar que atuará na costa do Irã e do Iêmen, sob a pretensão de “proteger embarcações comerciais”, mas que significa intensificar sua presença militar na península Arábica e, consequentemente, no Médio Oriente.

Superpotência única

A estratégia do USA é de isolar o Irã política e economicamente, levando-o a renegociar o pacto nuclear e seu programa de mísseis, conjurando qualquer mínima possibilidade desta nação desenvolver capacidades de autodefender-se militarmente de futuras agressões imperialistas. Além disso, e principalmente, os ianques buscam forçar o governo iraniano a diminuir sua presença militar na região, presença que se faz especialmente por meio das milícias xiitas que atuam na Síria. Essas milícias foram forças fundamentais para a vitória militar das forças de Al-Assad e da Rússia no país contra os mercenários da “oposição” pró-USA.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O caso do Irã é, portanto, uma expressão evidente da profunda crise em que o imperialismo se encontra, na qual as potências imperialistas disputam e agridem nações visando dominá-las e brigam entre si, como se dá entre o USA e a Rússia, em que o primeiro luta para se tornar a única superpotência imperialista e é, de fato, hoje, a principal. O imperialismo ianque apresenta uma clara superioridade militar e econômica em comparação com os seus rivais, expressa na predominância do capital financeiro do USA.

As sanções que os ianques aplicam ao Irã, assim como à Venezuela e à Coreia do Norte, afetam economicamente seus rivais, como a China e a Rússia, na disputa interimperialista. Esses países mantiveram suas relações comerciais com o Irã apesar da proibição de compra do petróleo iraniano, mas dificilmente conseguirão manter seu posicionamento frente à hegemonia ianque.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja