Operário em condução

A- A A+

Em memória do operário Thiago Dias

“Thiago não recebeu o atendimento de que precisava na mesma velocidade em que fazia suas entregas sobre uma moto no trânsito de São Paulo”. Começa assim a matéria da Folha de S. Paulo ao relatar a morte de Thiago Dias, 33, morto no frio 8 de julho, em São Paulo. Contudo, esse cabeçalho diz muito pouco sobre, para não dizer distorce, a sua saga, que é carregada de simbolismo e nos revela com a dureza e a concretude com que só a realidade cotidiana das massas empobrecidas do nosso país pode revelar o estado de putrefação e a decomposição avançada, já agonizante, do Estado genocida brasileiro.

Banco de dados AND
Proletário de 33 anos teve AVC após anos de longas e intensas jornadas de trabalho na Rappi
Proletário de 33 anos teve AVC após anos de longas e intensas jornadas de trabalho na Rappi

O fato

Primeiro, o fato: Thiago, trabalhador motoboy do aplicativo de entregas Rappi, sofreu um AVC durante o seu expediente. Fez a entrega. Caiu no chão, quase inconsciente, foi socorrido por moradores locais. Uma das últimas coisas que fez foi pedir que avisassem no aplicativo que não poderia mais trabalhar naquele dia; foi tratado com a frieza robótica típica de uma máquina por seus patrões: um aplicativo de celular. Chamaram o SAMU, a Polícia, os Bombeiros. Ninguém em seu socorro. Chamaram, então, um motorista de aplicativo (Uber), o motorista se recusou a levá-los, uma vez que Thiago estava urinado como decorrência de uma crise aguda de dor de cabeça. Família e amigos, em seu socorro, levam-no ao Hospital. Barrados na entrada do Pronto-socorro – que só recebe pacientes em ambulância – tiveram de quebrar a lei para acessarem a Emergência, não tinha maca. Foram duas horas até o primeiro diagnóstico e o sofrimento se prolongou até segunda, quando Thiago teve morte encefálica constatada.

A exploração mistificada do semiproletariado

O primeiro aspecto desse crime que salta aos olhos, é o fato de Thiago ser um entregador empregado pela plataforma Rappi, empresa estrangeira de serviço por aplicativo que é uma das maiores do ramo.

Num país com mais de 28 milhões de desempregados, não pode haver outra oferta mais atrativa do que você se auto-empregar. É aí que entram em cena empresas como o Rappi, Uber, entre outras, a prometerem liberdade total de horário, de patrões e de jornada. É só o começo da história de como essas empresas ficaram bilionárias superexplorando a força de trabalho, sem quaisquer encargos jurídicos, éticos, financeiros ou morais.

O poema de Vinícius de Moraes, ao qual o título do texto faz referência, relata a saga de um operário da construção civil. Outros tantos artistas brasileiros, como Chico Buarque (em Construção) e Zé Geraldo (em Cidadão), utilizaram-se igualmente da imagem do operário da construção civil em suas obras que denunciavam a exploração e a opressão. Não poderia ser diferente, pois num país semicolonial e semifeudal, como o Brasil, em que o proletariado industrial decresce quantitativamente a cada ano, fruto da desindustrialização, o operário da construção civil fora o símbolo do trabalhador brasileiro: frequentemente empregado pela grande burguesia burocrática e compradora, superexplorado, precarizado e quase sempre trabalhando em condições praticamente extintas na maior parte dos países capitalistas avançados (imperialistas).

Hoje, no entanto, nada retrata melhor o proletariado brasileiro, especialmente das grandes regiões metropolitanas, do que o serviço informal, o bico, a sublocação, o subemprego e o desemprego total. Por isso mesmo, a maior parte da massa trabalhadora das cidades brasileiras é, em verdade, semiproletária urbana. O surgimento das plataformas digitais de ocupação dessa força de trabalho subalocada e/ou desempregada, quase sempre no ramo dos meios de transporte e logística, é só uma nova (e mais reacionária) forma de precarização do trabalho, que leva também à maior exploração do mesmo (o chamado “info-proletariado”). O outrora operário da construção é agora mais fielmente descrito no operário na condução.

Empresas assim, que obrigam o trabalhador a estar 100% do tempo calculando o quanto mais precisa trabalhar para poder pagar o sustento da família, trabalhar sob o risco de acidentes de trânsito, ser assaltado, sequestrado e, em pior situação, ser morto; obrigam o trabalhador, a cada acontecimento do dia, lembrar que tem uma família para sustentar e que a “empresa” para qual ele trabalha não se responsabiliza e ainda se exime de qualquer vínculo trabalhista.

Decomposição do Estado e da sociedade

A crise de decomposição do capitalismo burocrático brasileiro, que se agrava a cada dia e já é agonizante, leva também a uma maior reacionarização do Estado burocrático-latifundiário. Como parte desse processo de reacionarização, os pacotes criminosos antipovo, que atacam direitos mínimos conquistados pela luta dos trabalhadores, são elaborados sob direção do imperialismo e passam no Congresso de corruptos sob o véu de “reformas”.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja