Vingar-se de dois jovens para amedrontar toda a juventude: fracassarão!

A- A A+
Pin It

Em 2013-2014, naqueles que foram os maiores protestos registrados na história de nosso país, o povo, ainda que difusamente, deu um recado: “não aceitaremos mais enganação, opressão e exploração”.

Fotos: Ellan Lustosa/AND
Diante da repressão desenfreada, jovens passaram a se defender nas manifestações e criaram frentes independentes
Diante da repressão desenfreada, jovens passaram a se defender nas manifestações e criaram frentes independentes

Os anos anteriores, de quase 11 anos de governo petista, foram marcados por promessas nunca cumpridas. Se a economia não estava tão mal por razões alheias ao governo, por um lado, a vida das massas também não ia bem, de outro. Afora as migalhas e a ilusão de consumo via crédito – que endividou a maior parte das famílias e enriqueceu os bancos – nada foi feito. A exploração, a geração de riqueza nas mãos de um punhado sem melhorias reais na vida das massas, foi o combustível daquela revolta. Enquanto os apologéticos deste velho sistema vociferavam “somos a sexta economia do mundo!”, os trabalhadores, nas filas dos hospitais, na educação sucateada, na política de habitação e saneamento, na repressão desenfreada através da polícia genocida etc. sentiam os efeitos de um país, de fato, semicolonial e semifeudal.

Muitos assustam-se e lançam caracterizações àqueles protestos: “Ataque à democracia” etc.. Bem, sim, foi um ataque a essa velha democracia: à “democracia” dos ricaços, latifundiários e das companhias imperialistas, que resolvem suas divergências pontuais através do parlamento, dos conchavos, da compra de apoio político, propinas e outras coisas mais. É acaso essa “democracia”, que prometeu ao povo o paraíso e entregou-lhe o purgatório, repressão e falta de liberdade, que se quer salvar da ira popular? Pois, sem revolução, essa é a única “democracia” possível.

Quando se ataca ferozmente e se pretende condenar por homicídio doloso qualificado dois jovens que participaram de alguns desses protestos no Rio de Janeiro, Caio e Fábio, por um acidente que levou ao falecimento do cinegrafista Santiago Andrade (fogos juninos utilizados para se defender da repressão bestial da polícia), fica claro que o objetivo dos reacionários é lançar aos quatro ventos: “não podemos permitir que aquela revolta geral passe impune”. E toda a vingança das classes dominantes por protestos de milhões é despejada sobre dois jovens manifestantes.

Rebeliões no RJ: milhares de massas marcham, enfrentam repressão policial e dão recado à velha ordemg
Rebeliões no RJ: milhares de massas marcham, enfrentam repressão policial e dão recado à velha ordem
Rebeliões no RJ: milhares de massas marcham, enfrentam repressão policial e dão recado à velha ordem
Rebeliões no RJ: milhares de massas marcham, enfrentam repressão policial e dão recado à velha ordem
Rebeliões no RJ: milhares de massas marcham, enfrentam repressão policial e dão recado à velha ordem

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja