A luta pela terra no Mato Grosso do Sul

Ocupando ambas as margens da rodovia MS-463, próximo à cidade de Dourados (MS), se encontra o recém-despejado acampamento José Barbosa 3. Os camponeses, organizados pelo Movimento Sem Terra do Brasil (MSTB), ocuparam pela primeira vez as terras da fazenda São Marcos em 2016, passando por diversas lutas contra a Usina São Fernando, proprietária da fazenda, buscando um pedaço de chão para plantar e sobreviver. Após várias reintegrações de posse, hoje os camponeses permanecem às margens da rodovia, passando por dificuldades e privações, longe do sonho da terra para trabalhar, mas não abdicando nem da luta e nem da produção, mesmo que limitada.

Banco de dados AND
Após anos de trabalho, camponeses são despejados de fazenda e vivem à beira da rodovia
Após anos de trabalho, camponeses são despejados de fazenda e vivem à beira da rodovia

As terras que os camponeses reivindicam são de propriedade da família Bumlai. Essa família possui milhares de hectares no estado e enriqueceu a custas dos enormes montantes de dinheiro passado pelos governos anteriores. J. Bumlai, conhecido como “amigo do Lula”, foi preso durante a Operação “Lava Jato” em 2016, por concessão de empréstimos ilícitos e troca de favores.

No caso, a Usina está em processo de recuperação judicial desde 2013 e tem uma dívida nominal de R$ 1,320 bilhão, sendo 99% com bancos e fornecedores, além de débitos fiscais de R$ 30,342 milhões e dívidas trabalhistas na ordem de R$ 1,693 milhão. Em 2017, tanto a Usina como outras propriedades foram decretadas como massa falida.

Mesmo nessa situação, a terra é negada a quem produz. Segundo os camponeses, desde o começo da luta, foram emitidas cinco reintegrações de posse contra as tentativas dos camponeses de transformar as terras abandonadas em sustento para suas famílias. Dentre elas, a mais truculenta ocorreu em 2017, expedida duas semanas depois dos camponeses entrarem no terreno. Os moradores relatam que a justiça deu um tempo de 24 horas para todos saírem. Porém, muitos moradores, estando longe, não souberam ou não conseguiram chegar a tempo.

A polícia passou por cima das construções com tratores, destruindo tudo. Uma moradora relata que algumas pessoas pediram para pegar pertences nos barracos, o que foi negado pelos policiais: “Muitos moradores perderam tudo”, afirma. Como se não bastasse isso, a polícia passou anotando a placa de todos os carros que estavam na beira a estrada para multá-los, com o único propósito de humilhar mais os camponeses.

Os trabalhadores denunciam que durante essa reintegração os policiais destruíram quase toda a plantação e a Usina proibiu até que eles colhessem aquilo que haviam plantado. Hoje o terreno está abandonado, cheio de mato, onde o próprio “dono” das terras, Bumlai, está impedido de utilizá-las, pois foi preso e suas propriedades estão nas mãos do poder judiciário.

Os camponeses relatam que mesmo com pouco tempo plantando e trabalhando no terreno, eles produziam muita coisa: “Tinha abóbora, milho, feijão, amendoim”, afirma uma moradora. Segundo eles, a terra é muito produtiva. Mas, como aponta um dirigente: “É o latifúndio que domina o poder público. A gente não entende como eles conseguem essas reintegrações de posse com a fazenda bloqueada pela justiça”, afirma.

Mesmo nessa delicada situação judicial, a Usina do corrupto continua funcionando. Em meio ao matagal, ainda podem ser encontrados uns ou outros pés da plantação dispersos, plantado pelos moradores que não puderam colher o fruto de seu trabalho.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro