Peru: Mineração em greve

No dia 10 de setembro, os trabalhadores da mineração do Peru iniciaram uma grande greve nacional, por tempo indefinido, exigindo direito à negociação global, aumento de salário e melhores condições de trabalho. A Federação Nacional dos Trabalhadores Mineiros e Metalúrgicos do Peru (FNTMMP) declarou que mais de 45 mil trabalhadores vêm se juntando à greve em diferentes minas do país.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Deflagrou-se a  greve nacional após as empresas do setor de mineração terem se negado a negociar com a Federação de Mineração, Metalurgia e Siderurgia do Peru uma lista única de reivindicações, demandas a que os trabalhadores do setor têm direito há uma década, garantidas por meio de um acordo com o Tribunal Constitucional.

No dia 15 de agosto, a FNTMMSP enviou uma carta ao presidente fascista, Martin Vizcarra, para dialogar antes de decidir entrar em greve nacional indefinida. A resposta do Executivo foi através do Ministério do Trabalho e Promoção do Emprego (MTPE), que convocou uma reunião da Federação dos trabalhadores de mineração e representantes da Sociedade Nacional de Mineração, mas a corporação empresarial não compareceu.

A FNTMMSP informa que as empresas de mineração aumentaram sua rentabilidade em até 50%, com lucros de 160% e uma cifra anual de 29 bilhões de soles. “Enquanto isso, os trabalhadores só recebem um aumento salarial anual de 2%”, diz o secretário geral da Federação dos mineiros.

Além disso, os trabalhadores se colocam contra um decreto recente que estabelece a nova “Política Nacional de Competitividade e Produtividade”, aprovada pelo governo, que diminuiria os direitos dos trabalhadores.

A mineração no Peru, o sexto maior produtor mundial de ouro, é essencial para a economia atrasada e submetida do capitalismo burocrático, pois representa 60% das exportações do país. Por esse motivo, o governo de Martín Vizcarra tem mobilizado as forças repressivas para esmagar a greve.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin