Colômbia: Farc anunciam volta à ‘luta armada para a autodefesa’

A- A A+

Diante dos assassinatos sistemáticos de ex-guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), assim como várias outras violações dos “acordos de paz” por parte do governo colombiano, um grupo se arrependeu e anunciou, no dia 30 de agosto, que voltará à luta armada.

Banco de dados AND
Ivan Márquez anuncia volta do revisionismo armado
Ivan Márquez anuncia volta do revisionismo armado

Iván Márquez, líder dissidente das Farc, diz no vídeo divulgado que a guerrilha “não tem como alvo soldados, nem policiais respeitosos dos interesses populares”, mas “essa oligarquia excludente e corrupta, mafiosa e violenta que acredita que pode continuar a atravancar a porta do futuro de um país”, referindo-se à fração das classes dominantes obstinada em assassinar ex-guerrilheiros.

No mais escancarado reformismo típico dessa organização, Iván assegura às classes dominantes locais que procurará “o diálogo com empresários, pecuaristas, comerciantes e pessoas abastadas do país, buscando assim sua contribuição para o progresso de comunidades rurais e urbanas”.

Após entregarem as armas, as Farc tornaram-se um partido político que hoje está representado no congresso colombiano com dez cadeiras, todas garantidas como parte do “acordo de paz”. Seus representantes no velho Estado se colocam contra a volta à luta armada: “A decisão que eles tomaram é um grande erro. Há uma desconexão com a realidade que o país vive atualmente”, disse Iván Gallo, senador pela Força Alternativa Revolucionária do Comum (Farc, convertida em partido eleitoreiro).

A Organização Maoista para Reconstituir o Partido Comunista da Colômbia, em seu texto Diálogos de paz são parte do caminho burocrático do Estado, publicado em 2013, afirmou: “Quando as Farc tiveram a oportunidade de transformar as relações sociais e de produção e de gerar nova cultura, não o fizeram. Em vez de formar bases de apoio onde se construiria novo Poder e onde as massas tomariam em suas mãos as rédeas da nova sociedade, aplicaram políticas como a cobrança de impostos a latifundiários, narcotraficantes e multinacionais, que de nada servem para resolver os problemas sociais e ambientais que estas geram. Tampouco promoveu de fato a produção nacional em detrimento do lucro imperialista, muito menos melhorou a educação e a saúde nas vastas zonas sob seu controle militar”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja