Bolsonaro decreta nova GLO na Amazônia

A- A A+

Enquanto isso, plano de ocupação permanente na Amazônia é vazado

A presença de militares do Exército na Amazônia, sob as chamas que encobrem os seus territórios, será estendida. Com o novo decreto de “Garantia da Lei e da Ordem” (GLO) assinado no dia 20/09, o fascista Jair Bolsonaro dá mais tempo para o avanço da militarização da região, além de já admitir a possibilidade de prorrogações adicionais futuras. A nova edição dá o aval para que as tropas avancem sobre territórios indígenas, áreas de conservação ambiental e atuem ostensivamente nas fronteiras para “combater queimadas”.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Inicialmente, a ocupação teria encerramento no dia 24/09, quando as atividades completariam um mês. Agora, o prazo passa para o dia 24 de outubro. Segundo fontes oficiais do próprio governo, no momento já se trabalha com a ideia de prolongar a ação até novembro. Durante esse tempo, a atuação das forças está permitida em toda a chamada “Amazônia Legal”, que engloba nove estados (Mato Grosso, Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, Tocantis e Maranhão).

Os custos diários de manutenção da GLO na Amazônia já alcançam cerca de R$ 1,5 milhão. Cerca de metade de um fundo bilionário de R$ 2,6 bilhões da Petrobras foi transferido para dar continuidade à medida.

Entre cortinas de fumaça

Concomitantemente ao anúncio da medida numa edição extra do Diário Oficial, o portal The Intercept divulgou informações sobre um plano de ocupação permanente de toda a região amazônica, denominado “Projeto Barão de Rio Branco” que está em marcha desde fevereiro deste ano.

Para dar prosseguimento à militarização da região de forma contínua, o foco das justificativas deixaria de ser as queimadas e passaria para a presença de chineses, de Organizações Não-Governamentais e da Igreja católica na região.

Entre áudios de reuniões e ilustrações apresentadas para o projeto e que foram divulgadas pelo veículo, está o objetivo de se iniciar obras de grandes proporções em áreas de conhecidos conflitos agrários “para garantir a presença do Estado na região”, tais como a construção e ampliação de estradas e hidrelétricas, exploração de minério e conversão de solo para plantio, fazendo também com que diversas localidades tenham um aumento populacional exponencial.

Desta forma, segundo os presentes nas reuniões do “Projeto Rio Branco”, incluindo o general do Exército Maynard Santa Rosa, atualmente na Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos do governo e que fora amestrado no U.S Army War College (Escola Militar de Guerra do USA), estará garantida a “soberania nacional” sobre os interesses destes “três inimigos”.

Medida da ofensiva contrarrevolucionária

Em realidade, tal GLO e o projeto são partes da ofensiva contrarrevolucionária, especificamente em sua terceira tarefa, que consiste em militarizar o campo e impulsionar empreendimentos que justifiquem a presença militar. O plano dos reacionários – e também dos fascistas – é sobrepor na Amazônia um volumoso aparato repressivo para inibir a luta camponesa e tentar reprimi-la.


Extrema-direita pede ocupação militar permanente

Jailson de Souza

Elementos da extrema-direita defenderam, em setembro, uma maior e mais ampla ocupação militar da Amazônia. Dentre eles está o guru bolsonarista, Olavo de Carvalho.

“Na Amazônia ninguém sabe o que se passa”, e prossegue, sugerindo: “A única solução é o que Bolsonaro diz: mandar o Exército para lá. O resto não adianta”. “Aquilo tem que ser ocupado militarmente”, dispara. A fala do ideólogo fascista ocorreu durante uma homenagem promovida a ele pela Embaixada brasileira, no dia 29 de agosto.

Já o militar reformado e deputado federal pelo Rio de Janeiro, o bolsonarista Joziel Ferreira (PSL), após clamar por um golpe militar, afirmou também: “Que o Exército ocupe todos os espaços da Amazônia para que se expulse do Brasil todas as organizações não-governamentais (ONGs) internacionais que levam nossa riqueza e nos deixam a lama”. No resto da fala, ele disse ainda que “o Exército tem que assumir, junto com as Forças Armadas, o protagonismo nessa nação”. O discurso foi pronunciado durante uma intervenção do deputado no Congresso Nacional.

As declarações confirmam a análise presente na edição 226 de AND, segundo a qual os incêndios da Amazônia, provocados por latifundiários, têm ligação direta com grupos bolsonaristas e de extrema-direita, cujo objetivo mais grave foi justificar e forçar o Alto Comando militar a impulsionar a militarização na Amazônia. A região é onde concentram-se as lutas por terra e os movimentos camponeses combativos.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja