Em total abandono

No dia a dia, frenético como é típico de uma metrópole, as coisas tendem a perder sua real dimensão quando as observamos. É preciso olhar atento, observar criticamente. Todos que andam pelo Centro do Rio de Janeiro e observam atentamente vêem, como eu vi, uma cidade economicamente devastada. O número de pequenos e médios comércios que fecharam, especialmente nessa área da cidade, aumentou, e isso pode ser empiricamente constatado. Cresce também o número de famílias que moram nas ruas.

Ellan Lustosa / AND
Às dezenas, pessoas esperam em fila para conseguirem comida gratuita. Centro do RJ
Às dezenas, pessoas esperam em fila para conseguirem comida gratuita. Centro do RJ

É o resultado da fórmula: por um lado, famílias inteiras desempregadas e obrigadas à informalidade, sem uma renda estável e, por outro lado, os empregados submetidos a um salário real cada vez mais baixo e que tende a diminuir, visto a enorme concorrência imposta pelo desemprego. As pessoas, amedrontadas pelo fantasma cada vez mais real da miséria absoluta, guardam o pouco dinheiro que conseguem, quando conseguem, e acabam consumindo muito menos do que necessário para “aquecer” a economia. Enquanto isso, bancos têm lucros recordes; o latifúndio, idem. Essa sociedade demonstra-se perversa: a miséria e quebradeira dos trabalhadores, pequenos e médios proprietários crescem justamente porque cresce a riqueza abundante de uma minoria absoluta. É chegada a hora de mudá-la.

Ellan Lustosa / AND
O número de comércios fechados no centro da cidade é assustadoramente alto
O número de comércios fechados no centro da cidade é assustadoramente alto

É um país onde o modelo econômico está jogando-o num poço sem fundo. Isso cala o presidente fascista Bolsonaro com seu palavreado de “estabilidade econômica” e o governador sádico e admirador da violência de Estado contra comunidades pobres. A solução para essa situação passa por fora. O povo saberá encontrá-la.

Ellan Lustosa / AND
Homem dorme em frente à Casa Cruz, tradicional papelaria do Rio
Homem dorme em frente à Casa Cruz, tradicional papelaria do Rio

Ellan Lustosa / AND
O número de comércios fechados no centro da cidade é assustadoramente alto

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro