VI Marcha Internacional Contra o Genocídio do Povo Negro ocorre na Bahia

A- A A+

A Organização Política Reaja ou será Morta, Reaja ou Será Morto (Reaja), em seu 14º ano de compromisso com a luta contra o genocídio do povo negro, levou às ruas de Salvador, na comunidade do Engenho Velho de Brotas, a VI Marcha Internacional Contra o Genocídio do Povo Negro, ocorrida dia 22 de agosto.


Manifestantes exigem fim do genocídio do povo preto

A mobilização anual, como dito pela própria organização “convoca todas as pessoas pretas a marcharem por suas vidas, politizarem seus mortos e criarem coletivamente estratégias de enfrentamento contra o ódio que se tem ao povo preto nesse país”.

A VI Marcha contou com pessoas da comunidade: pais, mães, jovens, além das crianças da Escola Winnie Mandela (EWM), que há três anos forma meninas e meninos pretos para a luta. É na EWN onde as crianças da comunidade do Engenho Velho de Brotas recebem aulas de artes marciais, educação básica e, principalmente, formação política através de figuras da luta anticolonial.

As crianças formaram a tradicional “Coluna Uhuru”, conduzindo a marcha e apontando o horizonte a se ganhar. Para a Organização Reaja, “as crianças são continuidade, a garantia de uma permanência na forma de ação quilombista que se constrói desde que o primeiro africano e africana pisou nesta terra”. Crianças de 6 a 14 anos, com responsabilidade, garantiram que as ruas do Engenho Velho de Brotas permanecessem como território de politização e luta, com a seriedade de um povo que sabe o que quer e onde quer ir.

Ao final da VI Marcha, as crianças da EWM, enfileiradas, fizeram uma combativa declaração chamada “Uma promessa pelo povo negro”, na qual prometem lealdade, afastar-se do uso de entorpecentes e colocar todo o vigor físico e mental para proteger e lutar pela libertação do povo.

A Organização Política Reaja relata que visa “mostrar ao povo que além das guarnições da polícia militar, a educação defasada, a saúde inacessível, o esgoto a céu aberto, a falta de saneamento e calçamento, as drogas lícitas e ilícitas e os bares são ferramentas do adoecimento físico e mental que fazem parte de um complexo sistema de aniquilação do povo”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja