‘GLO do campo’: Bolsonaro e generais querem usar Exército para atacar camponeses

A- A A+
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Em pronunciamento no dia 25 de novembro, o fascista Jair Bolsonaro afirmou que visa a criação de uma “Garantia da Lei e da Ordem” (GLO) para reprimir o movimento camponês e restabelecer os latifúndios que tiveram suas terras retomadas (“reintegração de posse”) pelo movimento camponês.

A proposta consiste em que o chefe do Executivo autorize as Forças Armadas para reprimir as tomadas de terra de maneira imediata após a decisão judicial. Em resumo, permite o uso das Forças Armadas como força regular de repressão aos camponeses.

Hoje, para que se aplique a GLO, a solicitação é feita pelo governo estadual e, posteriormente, é necessária a assinatura do presidente. “Tem de ser algo urgente. E você dando uma resposta urgente, você inibe os demais que porventura queiram aquilo. E olha só, eu tô falando, tudo passa pelo parlamento”, afirmou.

Em suas redes sociais, Bolsonaro prosseguiu: “A tropa da GLO não é para fazer relações públicas, ela vai para se impor, conter ações terroristas, depredação de bens, queima de ônibus, evitar que inocentes morram, etc.”, afirma, tachando como “terrorista” a luta camponesa. E conclui: “No mais, para enfrentar a esses marginais, é que se faz necessário o excludente de ilicitude”, prossegue, defendendo o genocídio aberto contra trabalhadores que lutam por seus direitos, que deveriam ser assegurados pelo governo, segundo a própria constituição.

Segundo o próprio Bolsonaro, a medida tem como alvo os movimentos camponeses e citou o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). “A propriedade privada é um dos pilares da democracia. Você não pode comprar um imóvel no campo ou na cidade e de repente alguém vai lá e toma conta. Toma conta não, invade. Aí não é democracia. Onde a propriedade privada não existe é no socialismo, no comunismo. Não chegamos lá ainda”, disse, omitindo o fato de que o movimento camponês toma terra apenas de latifundiários e que, muitos deles só conseguiram enriquecer e acumular terras através do roubo, da prática de trabalho escravo e da grilagem.

A repressão do Exército já ocorre

O governo de Bolsonaro e dos generais, no entanto, já está colocando em prática o uso das Forças Armadas na repressão à luta camponesa.

Na Amazônia, em setembro, ocorreu, encoberta pela GLO de suposto combate aos incêndios e pela Operação “Verde Brasil”, a invasão dos militares em acampamentos da Liga dos Camponeses Pobres (LCP).

De acordo com a nota emitida pela Comissão Nacional da LCP, “os camponeses da área relataram que durante uma semana os militares das Forças Armadas reacionárias cometeram todo tipo de intimidação, ameaça, abuso e humilhações”.

Um representante da LCP, durante um debate na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), no dia 22/10, denunciou ainda que o cerco militar não é restrito à área Enilson Ribeiro. “Agora, todos os acampamentos da LCP estão cercados, com militares estacionados do lado, em regiões nas quais não há nenhum foco de incêndio! Isso para mostrar como eles estão aí para combater a luta pela terra”. Disse ainda que o que teme esse governo latifundista é que a resistência e luta dos camponeses de Seringueiras sirvam de exemplo e que, por isso, o governo move tropas contra os camponeses.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira