Direito à moradia: Sonho ou realidade?


Para cerca de 3000 famílias que ocuparam uma área de 27 alqueires, no Parque Oeste Industrial, região Sudoeste de Goiânia, é um sonho real. A ocupação teve início no dia 05/05/2004, hoje 2.862 lotes ocupados e 1,7 mil já têm construções de alvenaria de 1 a 3 cômodos. A área, localizada a 15 minutos do centro da capital, servia à especulação imobiliária, além de ser local de desova de cadáveres e desmanche de carros roubados. Os proprietários do terreno, Anália Severino Ferreira e Antônio Severino de Aguiar, devem cerca de 3 milhões de reais de IPTU aos cofres públicos.

Os moradores do Setor Sonho Real (é assim que o setor é chamado pelos moradores) são, em sua maioria, operários da construção civil, empregadas domésticas, aposentados e desempregados. São pessoas que, acima de tudo, acreditam que construir um mundo mais justo é possível. Mas, eles sabem que a construção desse mundo depende só deles.

Diante da inércia do Estado burguês-latifundiário, o povo mais uma vez toma o destino em suas próprias mãos, fincando suas barracas de lona em meio à poeira e lama e com muita coragem e determinação, enfrentando a repressão policial e as mentiras da grande mídia.

A desocupação da área já foi adiada por três vezes. Estado e Município tiram o corpo fora, alegando que não são partes no processo, que a ocupação é uma questão jurídica e não social. Enquanto isso, os diversos políticos envolvidos com a ocupação fazem das ruas empoeiradas do setor um palco para as campanhas eleitorais fora de época. Nas assembléias, o microfone é disputado por lideranças das associações de moradores e vereadores, como Elias Vaz (PSOL) e Maurício Beraldo (PSDB). O povo não tem voz nas assembléias, mas não é preciso ir longe para ouvir dos moradores que eles não confiam nas promessas eleitorais.

A polícia se prepara para gastar 1 milhão de reais com o despejo das famílias, prometida para o dia 31/01/2005. O esquema repressivo, montado com apoio logístico, contará com 3 mil soldados, 100 veículos de carga, 300 ônibus, 50 ambulâncias (com UTI) e um hospital de grande porte. A população também se prepara para resistir. Os moradores afirmam que não sairão da área, e estão dispostos a lutar até o fim pelo chão que é deles por direito. Eles têm pouco medo da morte, pois a vida nas condições em que vivem não vale nada ou muito pouco.

Nas palavras de um morador: "Podem até nos expulsar do nosso chão, mas primeiro o cerrado vai ver uma tsunami, uma tsunami do sangue de cada morador. Quem sabe assim o presidente não olha para os pobres do seu país?"

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin