A Liga Internacional de Luta dos Povos e o movimento antiimperialista

A- A A+

Sob o tema Avançar a solidariedade dos povos e a luta pela libertação e democracia contra a guerra e o saque imperialistas foi realizada, de 11 a 14 de novembro passado, em Eindhoven, Holanda, a II Assembléia da Liga Internacional de Luta dos Povos (ILPS). Participaram deste importante evento 240 delegados de 33 países, que representavam 136 organizações de luta dos povos e também observadores de 39 outras organizações. Esta significativa presença só não foi maior porque o governo holandês e outros governos da Europa negaram o visto de entrada para vários delegados ativistas políticos das Filipinas, Nigéria, Nepal, Paquistão, Índia e Bangladesh – em mais um claro exemplo da fascistização crescente naquele continente.

 Na abertura da Assembléia, o então presidente da ILPS, Crispin Beltran, denunciou a prisão do jornalista turco Memik Horoz, vice-presidente da Liga. Memik é um dos sete mil prisioneiros políticos que existem hoje na Turquia e está há mais de 3 anos confinado nas terríveis e desumanas celas tipo "F", submetido a total isolamento.

— O bravo jornalista lutava pelo povo e se tornou mais uma vítima do fascismo do Estado turco —, ressaltou Beltran ao lembrar também que — Irene Fernandez, nossa auditora, tem sido perseguida pelo governo da Malásia por defender os direitos dos trabalhadores migrantes em seu país. Ela foi sentenciada a um ano de prisão. E não podemos deixar de repudiar a lista feita pelo governo norte-americano, de supostos terroristas, à qual foi relacionado o nome do nosso consultor geral, José Maria Sison.

Sobre o aumento da repressão contra os revolucionários em todo o mundo Beltran afirmou, categórico, que:

por outro lado, ser atacado pelo inimigo é bom, pois isto mostra que estamos verdadeiramente lutando pelos interesses do povo.

Desde a realização da I Assembléia Internacional, de fundação da ILPS, em 2001, uma nova situação mundial configurou-se, com o imperialismo ianque tomando o caminho da militarização, da guerra e da fascistização, "redesenhando a situação da década anterior", com a agudização da crise do sistema capitalista mundial, o agravamento da opressão e da exploração imperialistas e com o vigoroso renascimento da resistência popular em todo o mundo.

Diante deste quadro, a realização da II Assembléia teve como objetivo atualizar suas tarefas dentro da luta antiimperialista e democrática feita pelos povos do mundo e convocar a todos os povos a avançar na sua solidariedade e na luta pela libertação e democracia contra a rapina e guerra imperialistas.

O imperialismo agonizante

A análise da situação internacional apresentada na Assembléia aponta o rápido agravamento da crise do sistema capitalista mundial. Os países dominados têm sido devastados pelo saque de matérias primas e por um déficit interno e uma dívida externa crescentes. Por sua vez, os países imperialistas têm sido afetados pela crise causada pela superprodução de produtos agrícolas, produtos industriais básicos e produtos de alta tecnologia, que tem provocado o descenso da produção industrial e o aumento do nível de desemprego, entre outras conseqüências.

Frente à crise, o USA tem se utilizado do mito da "globalização do livre mercado" para promover a rapina de bens e ativos em várias partes do mundo, obtendo superlucros sob a fachada de "investimentos, liberalização comercial, privatização dos ativos e bens públicos e desregulamentação". Com isso, operários, camponeses, mulheres, estudantes e demais setores populares, particularmente nos países do terceiro mundo, têm sido atingido duramente nos seus direitos e nas suas condições de vida, submetidos à uma espiral de repressão, miséria e fome. As medidas tomadas por Bush depois do ataque ao World Trade Center deram ao imperialismo ianque um caráter ainda mais agressivo, mais fascista. E utilizando o 11 de setembro como pretexto, o governo de Washington aumentou a sua produção militar, com o objetivo de reanimar a economia norte-americana em crise e de levar a cabo uma permanente "guerra ao terror". Tanto que os setores que mais se beneficiaram com tais medidas foram as indústrias do complexo militar e as grandes empresas petrolíferas.

Após o 11 de setembro, o USA declarou guerra ao Afeganistão e ao Iraque, ocupando aqueles países e estimularam os sionistas de Israel a intensificar seus ataques contra o povo palestino. Ao mesmo tempo, foi adotada a Lei Patriota e outras leis complementares para fomentar a histeria necessária à sustentação da produção para a guerra, assim como a própria guerra de agressão.

Desde então, não é outro senão o Estado ianque que tem cometido os mais colossais atos de terrorismo. Durante a invasão e ocupação do Iraque, mais de 100 mil iraquianos foram assassinados. E milhões de pessoas estão sendo atacadas cruelmente, obrigadas a viver em condições miseráveis, totalmente vulneráveis à morte e enfermidades por causa das covardes ofensivas militares ianques. No Iraque, casas e comunidades inteiras estão sendo destruídas, assim como grande parte da infra-estrutura do país. Todas as barbaridades cometidas atualmente vieram após 12 anos de sanções impostas pelo USA, que provocaram a morte de 1 milhão e meio de iraquianos, entre eles 750 mil crianças.

José Maria Sison, eleito, ao final da II Assembléia, o novo presidente da ILPS, destacou:

— O pior tipo de terrorismo são as guerras de agressão, como as que foram levadas a cabo pelo Estados Unidos desde o fim do século 19 nas Filipinas, Coréia, Vietnã, Iraque e outros lugares. Bush e companhia são criminosos de guerra. Eles atacaram o Iraque usando suas armas de destruição massiva de alta tecnologia, da maneira mais bárbara e covarde. Eles lançaram uma guerra contra este país violando a Carta das Nações Unidas e as leis internacionais. O Iraque não lançou nenhum ataque prévio e tampouco significa uma ameaça para o Estados Unidos e não tem armas de destruição massiva. O macro-terrorista norte-americano tem a ousadia de por a etiqueta de terrorista nos movimentos de libertação nacional, nas organizações antiimperialistas, nos dirigentes progressistas. Eles não pensam em outra coisa que caluniar e atacar as forças antiimperialistas e os movimentos populares do mundo —, afirmou Sison.

Porém, os povos do Iraque e da Palestina estão, heroicamente, deflagrando resistência contra o imperialismo ianque e seus lacaios. A resistência iraquiana se fortalece golpeando vigorosamente as tropas de ocupação e seus colaboradores e impondo a eles fragorosas derrotas. E por isso, Sison destaca:

— Mais do que nunca o proletariado e os povos do mundo devem unir-se contra o imperialismo norte-americano, como o explorador e terrorista número um do mundo, e também contra todos os imperialistas e a reação em cada país.

Para o presidente da ILPS:

— Arevolução armada pela libertação nacional e social, está sendo levada a cabo em grande escala no Iraque, na Palestina, Turquia, Afeganistão, Nepal, Índia, Filipinas, Colômbia e outros países da Ásia, África e América Latina. É a forma de luta mais importante porque responde diretamente à questão do poder político. As revoluções armadas são possíveis nos países onde a crise do sistema governante é crônica; a opressão e a exploração pelo imperialismo e as reações locais são agudas e o terreno físico e social oferece às forças revolucionárias amplo espaço para manobras numa guerra de guerrilha antes da guerra regular.

Por uma direção revolucionária

Neste momento em que as massas exploradas e oprimidas seguem resistindo, nas mais duras condições, à brutal ofensiva imperialista, o surgimento da ILPS é uma iniciativa importante para impulsionar o movimento antiimperialista em todo o mundo.

No entanto, a tarefa principal da Liga – como ficou claro na II Assembléia — é travar a luta para construir uma direção correta, revolucionária, para o movimento antiimperialista. Ou seja, uma direção que estabeleça uma linha política geral e conseqüente para o movimento antiimperialista, que se alastra por todo o mundo. Uma direção construída no combate, sem trégua, ao imperialismo e ao oportunismo.

Sendo o imperialismo o último estágio do capitalismo, desenvolver uma luta antiimperialista conseqüente significa desenvolver uma luta contra o sistema capitalista, em geral. Por isso mesmo, um movimento antiimperialista forte e genuíno não pode desenvolver-se, nem se opor ao inimigo dos povos de forma resoluta se não for dirigido pela ideologia proletária.

Fora disso existem apenas algumas iniciativas que buscam reformar ou abrandar o sistema, como é o caso do Fórum Social Mundial. A sua consigna de "um outro mundo é possível" nada mais é do que uma tentativa de dar "à globalização uma face humana"; de canalizar a disposição de luta das massas para caminhos aceitos pelos Estados dos grandes capitalistas, que são os perpetradores da miséria, da fome, da exploração e opressão.

Este é o desafio que já se apresentou para a ILPS durante a II Assembléia, quando se estabeleceu uma polêmica em torno das contradições existentes no mundo e o que fazer diante dessa situação. De um lado, delegados defendiam a existência de uma nova contradição no mundo, hoje, entre o imperialismo e países classificados por eles de "independentes" (Cuba, Coréia do Norte, Venezuela), que, inclusive, seriam os principais alvos do imperialismo na atualidade, em função dos quais deveria ser, principalmente, direcionada a solidariedade e as ações da Liga.

De outro, o restante dos delgados, que entendem existir apenas três contradições hoje: as que existem entre as potências imperialistas; entre o imperialismo e nações e povos oprimidos; e entre burguesia e proletariado. E que como resultado do saque desenfreado e da agressividade ianque, todos os tipos de lutas e de contradições estão tornando-se mais e mais agudas. Sendo que a contradição principal — entre imperialismo e o proletariado e os povos oprimidos do mundo — está se intensificando de maneira mais intensa, provocando a justa rebelião das massas oprimidas.

O problema que o movimento antiimperialista enfrenta é o de defender a revolução democrática nos países dominados e a luta antiimperialista nos países centrais. E esta discussão reflete as dificuldades existentes em seu seio e que ainda impedem o seu pleno desenvolvimento. A ILPS, hoje, é uma significativa e numerosa combinação de centenas de organizações de massas, organizadas em diferentes regiões do planeta e está lutando para direcionar corretamente sua intervenção.

Outras tarefas

A Liga Internacional de Luta dos Povos, nesta II Assembléia, aprovou um novo programa de ação. As nações e povos que são submetidos às piores formas de opressão e exploração e, com certeza, os povos que estão desenvolvendo as formas mais efetivas de resistência contra o imperialismo norte-americano e seus títeres devem receber a solidariedade e todo o apoio político e moral necessário.

É o caso da resistência iraquiana, que se confronta com a ilegítima e brutal ocupação imperialista e busca, internacionalmente, o apoio político à sua luta legítima. A resistência iraquiana busca, inclusive, defender o direito de recorrer a meios armados para garantir a autodeterminação e a soberania verdadeira do Iraque.

Impulsionar a formação das seções nacionais que poderão, eventualmente, servir para a criação de comitês coordenadores nos continentes é outra tarefa primordial. Para isso, é importante reunir as forças patrióticas e progressistas em cada país.

As ações poderão ser desenvolvidas através de campanhas de informação e educação; seminários, conferências e ações dos milhares de ativistas. E na prática, a ILPS deve ser capaz de arrebatar a iniciativa de muitos "fóruns sociais", conferências e seminários financiados pelas agências que servem ao imperialismo, como o Fórum Social Mundial, que volta, em 2005, a ser realizado em Porto Alegre. Embora a "Resistência Mumbai 2004", organizada no ano passado pela ILPS para se contrapor ao FSM, não aconteça este ano.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja