Opiniões - 23

O que está por trás

Prezado Redator,

Vivemos anos duros de aprendizagem de um simbólico formador sempre mais cristalizado; em qualquer governo as idéias dominantes não conseguem conviver com os movimentos e experimentos, mesmo dentro da ordem, para algum avanço democrático. A ditadura da ordem é mais perigosa quando começa cercear a subjetividade, o simbólico; com a hegemonia e o senso comum banalizado podem impor o que querem. Desnecessário discutir o macro. Precisamos de conhecer e falar de nós, do em si mas, integrados ao universal, à filosofia da praxis, como tem se expressado A Nova Democracia. Periodicamente, tenho feito algumas publicações...

O culto ao nosso presidente está ficando perigoso; além desses dois filmes em exibição, Entreatos e Peões, outros já estão em realização. E a aceleração de uma campanha preventiva à reeleição. Pessoas mais sérias começam a desertar...

Com relação ao filme Entreatos, dirigido pelo João Moreira Salles, o Banqueiro faz um trabalho subliminar e com inúmeras interconcorrências e denotações... atende ao perfil arrogante do presidente (que não é bobo, soube fazer uso, em 79, dos 140 mil grevistas do ABC); cumprindo e realizando com o seu filme o que o capital financeiro determina: mudar o quê e para quê se está tudo certo nessas fingidas dificuldades de alianças para governar. Lula está fazendo o que ninguém conseguiu, banir do poder o partido sob o qual se elegeu (claro que outra fraude) mas, o homem comum pensa assim, que está no poder. A cultura, a comunicação, a informação, etc, estão controladas. Parabéns pelo jornal necessário e corojoso; um esforço difícil a enriquecer a história e o capital que ainda possuímos para a luta: crença e vontade.
Com o meu agradecimento,

Sindoval Aguiar
Cineasta
Rio de Janeiro/RJ


Cultura popular

Parabéns pela edição do jornal. Está muito bom e gostamos muito da matéria sobre o Mina das Minas.

Um grande abraço

Pedro Antônio
Músico
São Paulo/SP


Outro círculo

Escrevo para dizer que formamos um grupo de estudo aqui, na UNB, do nosso jornal. Estamos discutindo muito certos conceitos empregados pela A Nova Democracia. Um deles se expressa pelo “gênio nacional do povo na música”. Outro, “centrais amarelas”. E assim vai. São conceitos que não se explicam nos dicionários nem na imprensa comum. Parabéns.

Jeferson Soares
Brasília - DF


Que papel...

A imprensa fascista, chama os membros da heróica resistência iraquiana de “terroristas”, mas algumas vezes prefere usar o termo “insurgentes”. De graça? É uma das poucas formas que ela encontra para sugerir que existe realmente um governo iraquiano. Pouco a pouco, dirá que a guerra é movida contra o governo legítimo, eleito, e que os ianques só permane cem lá para garantir a democracia ameaçada pelos grupos terroristas.

É claro que os nazistas não fariam melhor. Mas esses vagabundos que repetem diariamente na televisão brasileira, em nossa língua, todas as intrigas que a CIA manda divulgar, é de espantar. Esses caras não têm um pingo de vergonha, não?

Por todo o dinheiro do mundo, gente honrada não aceita um emprego desse! O mínimo que um sindicato da categoria deveria fazer seria denunciá-los publicamente e depois expulsá-los.

Regina C. Cordeiro
Belo Horizonte/M G


Mais ajuda

Esse jornal realmente consegue falar de tudo sem desrespeitar nenhuma área do conhecimento. Tenho acompanhado algumas edições. Algumas, porque a distribuição (esta, sim) é ruim. Esse é o jornal de melhor conteúdo, mas perde na falta de bancas que poderiam distribuí-lo. Já tive jornal e sei bem o que é isso. Mas no caso de vocês, está chegando a hora de um movimento cuidar da distribuição, no Brasil inteiro, além da distribuição puramente comercial.

Mande uns exemplares para cá. Eu comecei a fazer a minha parte indicando uma banca lá do centro e enviando uns jornais para os amigos.

“Vide verso meu endereço”. Abraços.

Cícero de Souza Machado
João Pessoa/PB

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza