MS: Latifúndio usa ‘caveirão’ contra povo

A- A A+

Um trator blindado conhecido como “caveirão” passou por cima de oito moradias do povo Guarani Kaiowá, a mando do latifúndio,  na madrugada de 16 de janeiro. O ataque aconteceu na área de retomada Nhu Vera, em Dourados, no Mato Grosso do Sul. 

Os indígenas que dormiam na área foram acordados pelo barulho do trator e fugiram antes do avanço da máquina. Pistoleiros que estavam nos arredores incendiaram o que sobrou das moradias como madeira, lona e pertences pessoais dos indígenas. Como resposta, os guarani kaiowá atearam fogo no trator blindado. 

Foto retomada Nhu Vera

A Polícia Militar (PM) chegou no início da manhã e deu continuidade ao trabalho do latifúndio, atirando com balas de borracha e bombas de efeito moral contra os indígenas. Enquanto agiam com truculência, os paramilitares do latifúndio começaram a plantar soja no território de retomada dos guarani kaiowá, sob a proteção policial. 

“Eles destruíram os barracos e, escoltados pela polícia, começaram a plantar soja no lugar. A parentada tá dizendo que vai voltar para o lugar. Sabendo disso a polícia segue aqui e agora (começo da tarde) estão concentrados na Fazenda Hilda (uma das propriedades cujo dono é um dos principais antagonistas dos guarani kaiowá)”, afirmou Laurentino Guarani Kaiowá ao Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

Outros ataques

Os indígenas denunciam que são constantes e violentos os ataques. “Criança dormindo e vem esses pistoleiros e passam por cima do barraco. Isso é um horror pra gente. Pra mim isso é tentativa de homicídio. Vários indígenas atingidos pelos tiros. Um perdeu a visão, outro ficou paralítico, tem outro ainda no hospital. Nem com animal se faz isso daí. Se não punir os mandantes, o conflito nunca vai terminar”, declarou Laurentino. 

No dia 1º de janeiro, uma casa de reza do aldeamento de Laranjeira Nhanderu, em Rio Brilhante, foi incendiada. Nos dias 2 e 3 de janeiro, outros dois ataques promovidos pelo latifúndio deixou vários indígenas feridos, sendo que um deles ainda está hospitalizado e pode perder a visão, e um menino de 12 anos perdeu três dedos da mão esquerda ao segurar uma granada deixada para trás pela polícia. Durante 16 horas, mais 180 famílias guarani kaiowá ficaram sob a guarda do Departamento de Operações de Fronteira (DOF) e dos “seguranças” do latifúndio.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza