MT: Munduruku retomam bens

Na madrugada de 25 de dezembro de 2019, 70 indígenas munduruku resgataram 12 urnas funerárias do Museu de História Natural do município de Alta Floresta. Os artefatos de cerâmica, onde estão sepultados os restos mortais dos ancestrais do povo, haviam sido roubados dos lugares sagrados durante as obras da construção das barragens das hidrelétricas de São Manoel e Teles Pires, em 2010. 

O resgate foi liderado pela Associação das Mulheres Munduruku e por pajés. No dia anterior o prédio do museu foi ocupado pelos indígenas que viajaram de barco durante seis dias, desde o Pará. As peças em cerâmica foram retiradas de cemitérios indígenas por arqueólogos contratados pelas empresas durante as obras de construção das usinas em 2010 e em 2014. As obras envolvidas são duas de quatro barragens que o velho Estado construiu no rio Teles Pires, formador da bacia do Tapajós que nasce no norte do Mato Grosso e deságua no sudoeste do Pará. 

Os munduruku afirmam que nunca foram consultados e só souberam do paradeiro das urnas em 2016 depois de uma ocupação ao canteiro de obras da Usina São Manoel, que tem a estatal chinesa Three Gorges entres os principais acionistas. Além das urnas, outras 270 mil peças arqueológicas foram encontradas e levadas das margens do rio Teles Pires durante as obras.  

Durante a ocupação, os indígenas afirmaram: “Para vocês, da empresa, e para o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, as urnas são somente objeto ou vasilhames cerâmicos. Para nós, são os nossos ancestrais”. E complementou: “Solicitamos duas visitas por ano para os pajés munduruku, além do pedido de desculpas das empresas construtoras das hidrelétricas. Nada disso foi cumprido.”

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro