Levantar alto o protesto popular

A- A A+

O ano de 2020 será particularmente agitado no que respeita às lutas das classes revolucionárias. Todos os indícios estão presentes.  

Os reacionários mais esclarecidos preocupam-se cada vez mais com a falta de perspectiva para a economia, enquanto “forçam a barra” para vender otimismo, manipulando indicadores econômicos. Sabem que se não conseguirem sair, mais ou menos rapidamente, da persistente crise enfrentarão grandes perigos. Trata-se de algo muito grave, da crise geral de decomposição em que entrou o capitalismo burocrático no país e em todo o continente latino-americano. No enfrentamento desta, o imperialismo impõe como política central as medidas bandidescas de assalto aos direitos dos trabalhadores e de maior entrega da Nação. Como já demonstram as grandes explosões de protestos massivos crescentes em todo o mundo, particularmente na América Latina, tal política só fará aumentar a revolta das massas. Será mais difícil fazer funcionar os serviços básicos e crescerá ainda mais a delinquência. E, o que é pior para eles: crescerá ameaçadoramente o perigo iminente de um levante popular, cada vez mais, sob direção revolucionária. 

O terceiro trimestre de 2019 foi coroado com o fiasco na economia: 0,6% de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Isso é o mesmo que paralisia. A tendência é o desemprego e a miséria das massas prosseguirem a níveis altos. Hoje, levando em conta os “desalentados” e “subocupados”, o desemprego real chega a 28 milhões, provavelmente o número é muito maior! Já as condições dos empregos gerados (como os “intermitentes”) são cada vez piores. Exploração desapiedada: baixos salários, longas e intensas jornadas, situação que tende a piorar pela alta concorrência das massas desempregadas. A máquina do capitalismo burocrático esmaga com toda sua crueldade o nosso resistente proletariado e massas populares. 

Apesar disso, o capitalismo burocrático não sai da areia movediça em que se alojou. O consumo das famílias continua baixíssimo, reprimido pelo endividamento e desemprego. Aqueles que conseguem emprego, também devido ao baixo salário, não consomem o suficiente para que este “morto vivo” levante da crise. 

Para tentar equilibrar a economia podre, o governo lança mais terras nas mãos do “agronegócio” e da mineração monopolista. As commodities, a “preço de banana”, são vendidas às nações imperialistas, servindo-lhes a enriquecer. Para ampliar tal negócio os governos e latifundiários expulsam o campesinato de suas terras e aprofundam a política iniciada por Dilma de ser contra qualquer reforma agrária, o que faz engrossar o exército de desempregados na cidade e o número de jovens que, desesperançosos, buscam saída na delinquência. 

É a crise geral de decomposição do capitalismo burocrático, assentado na espoliação sem fim das massas e submetido à rapina imperialista, principalmente ianque. As massas proletárias, camponesas e demais trabalhadores, mais cedo do que tarde, passarão do simples protesto a revoltas mais violentas. Mesmo ante mil obstáculos e da verdadeira camisa de força impostos pela traição e oportunismo das direções das centrais sindicais, as massas se rebelarão ao ponto de fazer as Jornadas de 2013 parecerem um singelo protesto. 

Enquanto padecem com a piora sistemática do seu padrão de vida, as massas assistem às comemorações dos poderosos monopólios financeiros. No início de outubro, os bancos lucraram R$ 109 bilhões entre julho de 2018 e junho de 2019! É o maior lucro nominal em 25 anos. O contraste entre os dois blocos da sociedade não é por acaso e nem uma infeliz coincidência. A indecente concentração da riqueza em um punhado de famílias de grandes burgueses e latifundiários – que vivem o paraíso sem sequer trabalhar – cresce, justamente, porque cresce a quebradeira das pequenas e médias empresas e a miséria de centenas de milhões de trabalhadores. 

Todas as medidas aplicadas (e aquelas que ainda virão) acentuarão tal situação. Aquelas que não causam impactos hoje, causarão logo nos próximos anos. O pateta, assim chamado “ministro” Paulo Guedes, está semeando ventos. 

Por sua vez, Bolsonaro e seu grupo de extrema-direita estão amarrados e percebem, dia a dia, que não podem alcançar seu sonho terrorista de restabelecer um regime militar fascista sem “virar a mesa”, sublevar os quartéis e impor um novo Alto Comando. Não podem fazê-lo, no entanto, sem criar um profundo caos que justifique isto; e tampouco podem fazê-lo se seu presidente não possuir grande capital político perante as massas. Seu novo partido pode vir a ser o que mais perto se chegou, na história recente, de um partido fascista no Brasil. Se sair do papel, terá uma base de massas organizada por corporação, nos bairros e zonas, por meio dessas pequenas e sinistras seitas neopentecostais paramilitares. No entanto, fragmentando-se por decepções e disputas pessoais de poder, falta ao bolsonarismo os quadros para levar adiante tal empreendimento. Pode ser que essa gestação produza um natimorto. 

Flávio Bolsonaro, pêgo no esquema das “rachadinhas”, é o calcanhar de Aquiles do bolsonarismo. Qualquer movimento abrupto da extrema-direita bolsonarista está conjurado pela ameaça iminente de prosseguir a investigação pelo Ministério Público, nas mãos do “governo militar secreto” manejado pelo Alto Comando das Forças Armadas (ACFA). Só em outras condições pode, a extrema-direita, impor o seu projeto. 

Já a direita militar e civil, cujo centro é dito “governo militar secreto”, prossegue desgastando Bolsonaro enquanto infla figuras que podem contrapô-lo, disputando o mesmo eleitorado. Sérgio Moro, mais político do que antes, se contrapõe a todas as manobras que Bolsonaro faz para livrar seu filho. A criação do “juiz de garantias” foi por Moro criticada, assim como todas as decisões e articulações feitas para retardar a investigação contra Flávio Bolsonaro. Bolsonaro vai perdendo a imagem de “anticorrupto” e esvazia-se seu prestígio no meio da opinião pública moralista e em sua histórica base eleitoral (as tropas subalternas), que já o trata por traidor. 

Certo de que o establishment está lançando Moro, Bolsonaro tentou, no dia 23 de janeiro, enfraquecer seu “superministro” dividindo o ministério por ele comandado. A imposição do “governo militar secreto” afiançado na opinião pública anticorrupção impediu-o de prosseguir. A crise política, no centro da qual agora estão as Forças Armadas reacionárias, tende a galopar ou para maior pugna entre as frações ultrarreacionárias ou para subordinação completa da extrema-direita de Bolsonaro ao “governo militar secreto” na definição de quem deterá a direção da ofensiva contrarrevolucionária. 

A situação revolucionária na qual entrou o país desde os grandes levantamentos de 2013/14 segue desenvolvendo em confronto com a ofensiva contrarrevolucionária lançada pelos de cima para deter seu desfecho revolucionário. O objetivo dessa ofensiva são as três tarefas reacionárias de: 1) sair da crise e impulsionar o capitalismo burocrático, 2) reestruturar o velho Estado impondo um regime com máxima centralização de poder no Executivo e, 3) regime com o mínimo possível de direitos e liberdades democráticas para conjurar o perigo de revolução. Como parte disso, estão escalando a guerra civil reacionária a proporções nunca vistas na história recente do país, especialmente contra os camponeses e os pobres das favelas e periferias. Basta ver que o governo cria, agora, uma força-tarefa e uma nova força militar (“Força Nacional Ambiental”) que atuará na Amazônia Ocidental e terá como coordenador o general Mourão. Esta é a crítica situação da colina da reação. 

Já os de baixo, compelidos a lutar pelos direitos pisoteados, contra a miséria e a fome, cansados da ditadura burguesa-latifundiária e sua farsa eleitoral, cada dia demonstram que não aceitam continuar vivendo assim e, parte por parte, se levantarão em grandes embates. Especialmente o setor mais organizado, mais clarividente e mais disposto, nucleado pela aliança operário-camponesa e que arrastará atrás de si, com o tempo, centenas de milhares de massas. A luta espontânea das massas encontrará, a cada dia, mais e mais, a direção consciente do proletariado à qual se fundirá crescentemente. Essa é a poderosa, inabalável e imponente situação em que está se desenvolvendo a colina da revolução. Nem o mais feio dos monstros pode conjurá-la ou detê-la. 

Apesar da forte propagação ideológica para justificar toda a opressão e miséria na mentalidade das massas como natural, visando torná-las passivas e conformadas, estas manifestam seu repúdio à velha ordem quando se levantam contra os efeitos desse sistema de exploração e opressão. Recusam e manifestam-se violentamente contra as operações policiais no Rio de Janeiro e outras grandes cidades, contra a expulsão de suas terras e a concentração delas nas mãos do latifúndio no campo, contra a falta e precariedade dos serviços públicos básicos de saúde e educação, de saneamento e água potável, contra a falta de moradias para as mesmas etc. 

As massas só podem libertar-se ideologicamente lutando contra a velha ordem, de acordo com seu nível de consciência política, e vinculando-se cada vez mais à luta popular revolucionária, a qual vai selecionando e forjando a vanguarda revolucionária do proletariado. Toda a sorte das massas, do ponto de vista estratégico, depende dos revolucionários e verdadeiros democratas, que devem tomar isto em alta conta. A época de grandes embates novamente bate às portas. E é a própria contrarrevolução quem a anuncia, ao preparar uma guerra reacionária de grande escala. A revolução e seus efeitos demandam novas tarefas.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira