Propaganda armada contra lei de cidadania

O Partido Comunista da Índia (Maoista) realizou uma ação de propaganda armada no distrito de Biaya, estado de Gaya, no dia 18 de fevereiro. Os revolucionários explodiram um prédio e deixaram panfletos denunciando a Nova Lei de Cidadania e o governo de inclinação ao fascismo, o Partido do Povo Indiano (BJP em inglês). 

O prédio explodido era uma escola desativada que servia como base para policiais da Força Policial da Reserva Central (FPRC), e que ficava próximo à delegacia de Banke Bazaar. As tropas ali instaladas dedicavam-se a combater a Revolução. 

Os panfletos deixados pelos maoistas traziam escritos contra o governo do BJP, questionavam a ocupação das escolas pelas forças de repressão e conclamavam as massas a se unirem contra as medidas draconianas do governo Modi, principalmente contra a Nova Lei de Cidadania. 

O novo projeto de lei é conhecido no paíscomo emenda “anti-muçulmana”, sendo que tem um terço da sua população de 1,3 bilhões de pessoas composta por pessoas muçulmanas. Ele facilitará a imigração de massas de determinadas religiões, como hindus, e excluirá muçulmanos de determinadas regiões ocupadas pela Índia, como a Caxemira. O governo do fascista Modi também tem levado adiante tal plano com o Registro Nacional de Cidadãos. 

Partido convoca celebração 

O PCI (Maoista) também colocou faixas e cartazes convocando as mulheres a comemorar no dia 8 de março, o Dia Internacional da Mulher Proletária. Os cartazes foram colocados na vila de Tadgaon, no distrito de Gadchiroli, no estado de Maharashtra. 

Para dificultar o acesso das forças de repressão até a área, os revolucionários instalaram minas terrestres falsas na estrada de acesso a vila. Fato que fez com que as forças de repressão tivessem que acionar o Esquadrão de Detecção e Eliminação de Bombas para desarmar os artefatos (que não eram reais). 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro