Sublevações militares crescem com agitação bolsonarista

O motim da Polícia Militar (PM)  que desatou-se no Ceará (CE) e em João Pessoa (PB), na Paraíba, em meio ao mês de fevereiro, é revelador da crise geral de decomposição do velho Estado. Crise política-institucional e que avança no sentido da crise militar, com quebra de hierarquia e da unidade de mando. Essa situação de fissura dentro das instituições policiais-militares ocorre em todo o país, de forma desigual, com perspectivas a aprofundar-se, tendo como elemento impulsionador a extrema-direita, que procura explorar tais contradições visando angariar influência. 

Em pelo menos 12 estados da União há pressão das patentes subalternas das polícias militares e outras forças policiais pelo aumento do soldo. Em cinco destes estados já ocorreram atos. Além do CE e PB, a situação avança no Espírito Santo (ES), onde em 2017 um motim foi desatado reivindicando aumento no soldo e pôs em apuros todo o estado. 

Homens encapuzados ocuparam a unidade de elite da PM do Ceará

No ES, no início do mês, mais de 1,5 mil pessoas, dentre agentes e familiares, reuniram-se em Vitória pressionando por aumento no rendimento. O governo do reacionário Renato Casagrande/PSB já havia proposto um aumento de 35% no soldo, a ocorrer gradualmente ao longo de quatro anos, mas foi rejeitado pela corporação, apesar da proposta ser generosa e estar acima do reajuste dado ao restante dos funcionários públicos estaduais. 

O próprio secretário estadual de governo, Tyago Hoffmann, percebendo a politização ultrarreacionária da pauta, afirmou que as entidades representativas dos soldados não devem ser “usadas como massa de manobra”. 

Na PB, os policiais militares reuniram-se às dezenas em atos por aumento do soldo. O próprio presidente da Associação de Defesa das Prerrogativas dos Delegados de Polícia afirmou que há políticos apoiando suas reivindicações, mas não citou nomes. 

No Piauí (PI), Pernambuco e Alagoas a movimentação de militares e policiais em geral está crescendo, obrigando os governos a incrementar seus ganhos. O governo estadual do PI aumentou em 50% o bônus para quem participa de operações especiais, reajuste acima da própria inflação. Em Sergipe, a Polícia Civil paralisou por 24h suas atividades no dia 19 de fevereiro. 

Entre os policiais militares há movimentações reivindicativas também em Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Rondônia. 

 

Extrema-direita à frente 

Especialmente no CE, fica evidente a politização. Um dos líderes daquele movimento – que, é certo, tem raízes econômicas e mobiliza por isso os militares – é o vereador sargento Ailton que, inclusive, estava aquartelado no 3º Batalhão da PM de Sobral, junto aos militares rebelados, quando o senador Cid Gomes foi alvejado por dois tiros. O sargento Ailton é um ativo elemento da extrema-direita bolsonarista. 

Já o cabo Sabino, ex-deputado e bolsonarista convicto, que comandou o motim ilegal de policiais em 2012 no CE, foi flagrado pagando mulheres, em dinheiro vivo, por terem participado do motim. Em vídeo, ele aparece cercado por um grupo de mulheres que espera ele pagar uma quantia em dinheiro dentro de seu carro, em frente à Assembleia Legislativa do CE. 

Atuando com modus operandi paramilitar, os policiais amotinados do CE estão apropriando-se individualmente de viaturas e fazendo rondas, nas quais mandam os comércios fecharem – ato inconstitucional. Tal situação obrigou o fascista Jair Bolsonaro a enviar as Forças Armadas para a região sem, no entanto, fazer qualquer referência de reprovação ao movimento. 

Segundo a Folha de S. Paulo, mesmo ministros do Supremo Tribunal Federal percebem a politização de tais movimentos e demonstram preocupação pela crescente “orientação ideológica” no aparato militar auxiliar. 

Tal processo de penetração da extrema-direita nos meios militares, incluindo as forças auxiliares, não é novo. Em julho de 2019 o guru bolsonarista Olavo de Carvalho já havia anunciado que ministraria aulas gratuitamente para policiais militares. Em 2017, antes mesmo de ganhar a eleição, Bolsonaro e seu assessor, Filipe Martins, já haviam apoiado ativamente o motim em ES. 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro