A ‘democracia’ que o parlamento defende

A- A A+

Desde dezembro de 2019 está sendo discutido o Orçamento impositivo no Congresso, entrando em contradição com o governo. O projeto retira autonomia do governo sobre o orçamento e destina, obrigatoriamente, uma grande parte aos parlamentares. A manifestação do dia 15 de março, convocada e desconvocada por Bolsonaro, visa atacar o parlamento para obrigá-lo a ceder. A crise política cresce, agita toda a estrutura do velho Estado e conduz a abalos institucionais. Lutas palacianas que já são também crise militar. 

A manifestação fascista, a propósito, marcada pelos bolsonaristas e desmarcadas sob pressão dos generais, levaria às ruas um contingente de massas – especialmente os setores médios, esses que acreditam que a raiz de todos os problemas é a corrupção. E a razão é que a convocação assentava-se no ataque a um desmoralizado e corrupto Congresso. Mas não se constituiria em um marco e nem um influxo para o bolsonarismo. 

A contradição aguda que existe na disputa pela direção da ofensiva contrarrevolucionária preventiva entre a extrema-direita chefiada por Bolsonaro e a direita militar e civil, chefiada pelo Alto Comando das Forças Armadas (ACFA) e grande parte do parlamento às vezes induz as pessoas a crer que o parlamento defende as liberdades e a democracia. Mas não é disso que se trata. 

As cinco forças 

A situação política surgida das eleições de 2018 dividiu a sociedade em, essencialmente, cinco forças. São elas:  

1) A extrema-direita militar e civil (Bolsonaro e seu grupo, com base social limitada aos setores inferiores das classes dominantes e parte inferior do monopólio de imprensa, que querem impor um regime militar-fascista); 2) a direita militar e civil (ACFA, os setores mais poderosos dos grandes industriais, dos banqueiros, dos latifundiários e agronegócio, dos grandes comerciantes, dos monopólios de imprensa, que querem manter a fachada democrática e constitucional, mas restringindo direitos e liberdades e com poder concentrado no Executivo); 3) a centro-direita (ou direita tradicional, concentrada no parlamento e no Supremo); 4) o oportunismo (falsa esquerda eleitoreira); e 5) o movimento revolucionário popular (organizações classistas do proletariado, do campesinato, dos setores proletarizados da pequena burguesia, dos estudantes e intelectuais democráticos). 

Essas forças lutam entre si e algumas se aliam. No seio das classes dominantes, a ofensiva contrarrevolucionária, cuja direção é disputada pela direita e a extrema-direita, maneja com a centro-direita parlamentar e confronta-se em diferentes níveis com o oportunismo e o movimento revolucionário. Isso porque precisam recuperar a economia da crise através da imposição de ataques aos direitos do povo e corte dos “gastos públicos”. Para viabilizar tais ataques é preciso retirar poder e funções do parlamento, reduzindo a necessidade de “negociações”. 

Pra que serve o parlamento 

A função do parlamento surgido com a república democrático-burguesa, historicamente, foi mascarar a dominação de classe, através de uma suposta “universalização do acesso ao poder” através de eleições onde qualquer cidadão poderia candidatar-se e eleger-se. 

Conforme o capitalismo foi-se consolidando e passou da livre concorrência ao regime dos monopólios, o imperialismo, foi ficando claro ao proletariado que a real função do parlamento é reproduzir a dominação da burguesia e legitimar sua ditadura como democracia, de modo ainda mais sofisticado porque oculto. 

Para a burguesia, no entanto, o parlamento cumpre ainda outra função, a de regular as disputas entre os burgueses. Dividida em frações e por grupos de poder, a burguesia luta internamente pela posse dos recursos e, principalmente, pelo controle do seu Estado para dirigir a aplicação da política econômica, social e cultural, dominar ao máximo o acesso aos mercados, ter todas as vantagens etc. Para tanto, trata de comprar com seu volume colossal de dinheiro o máximo possível de candidatos, fazê-los eleitos e assegurar pelo parlamento seus interesses no Estado. É uma distribuição de forças no seio da burguesia. 

O Congresso no Brasil 

No Brasil, que nunca passou por uma verdadeira república democrática (temos uma república burocrático-latifundiária, assentada nas estruturas semifeudais e semicoloniais), essa relação de dominação burguesa sobre o parlamento é ainda mais escrachada. Ela é uma luta das frações da grande burguesia e os latifundiários por definir quem controlará ao máximo o velho Estado para dirigir a aplicação da política ditada pelo imperialismo, principalmente ianque (Estados Unidos, USA). 

Os parlamentares são representantes diretos e abertos das oligarquias regionais, alguns deles senhores de terras embrulhados em “modernidade” (agronegócio), e dossetores da grande burguesia (das suas frações: burocrática e compradora). Na situação atual brigam entre si para administrar a política do imperialismo de modo a tirar o máximo de proveito de seu capital e interesses. Ademais de lutar por projetos pessoais. 

Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre pugnam contra o governo não pela “democracia”. Lutam pelos interesses de determinados monopólios, e pela simples razão: podem perder, com o enfraquecimento do parlamento, o poder que hoje têm e o que podem vir a ter. 

A ofensiva contrarrevolucionária, por sua vez, precisa impor ataques aos direitos do povo rapidamente e esbarra no parlamento, que exige contrapartidas, como aprovar emendas parlamentares para os congressistas em benefício dos seus patrões. A ofensiva contrarrevolucionária quer centralização de poder. O golpe militar em marcha precisa recuperar rapidamente o capitalismo burocrático da crise (tarefa muito difícil) e os interesses fragmentados dos diversos grupos de poder no parlamento atrasam tal tarefa, ademais de estar muito desmoralizado ante as massas e sem qualquer legitimidade. Daí a contradição entre ambos. 

Democracia verdadeira 

A única verdadeira democracia possível para o Brasil só virá com a Revolução Democrática, Agrária e Anti-imperialista. Ao liquidar o latifúndio, a Nova Democracia liberta milhões de camponeses das amarras feudais e semifeudais cujas formas evoluem. Ao liquidá-lo, a Revolução liberta econômica, ideológica, política, militar e culturalmente esse contingente da dominação direta exercida no campo pelos latifundiários. 

Todas as velhas relações no Estado, de promiscuidade entre o privado e o público, como vemos nos casos de corrupção diuturnos, são heranças da dominação feudal dos senhores de terras, que foram passadas para os grandes burgueses oriundos desse meio. Desde o Brasil colonial reproduz-se também a mesma essência semifeudal na cultura e na ideologia. A dinâmica dos funcionários na estrutura estatal reproduz os métodos burocráticos dos Estados feudais, órfãos de tradição democrática. 

O mesmo se passa com as massas, que só podem adquirir elevação na sua consciência, do seu papel na cena política e na história através da Revolução Democrática, após elas mesmas participarem de um movimento democrático-nacional e testemunhar as grandes e profundas transformações de que são capazes de fazer. Do ponto de vista do proletariado, só passando por essa etapa é possível construir exitosamente o Socialismo. 

Por sua vez, apenas o proletariado revolucionário pode, hoje, desatar a grande torrente da revolução democrático-nacional, a começar pela Revolução Agrária. Só os revolucionários proletários, comunistas, por não terem nenhum interesse a preservar desta velha ordem, podem dirigir e levar adiante tal luta, unindo-se aos camponeses, massas mais oprimidas pela semifeudalidade, pelo imperialismo e pelo capitalismo burocrático. 

Neste 25 de março, em que se completam 98 anos da fundação do Partido Comunista do Brasil (P.C.B.), é necessário resgatar que somente com um partido revolucionário do proletariado restabelecido pode o Brasil sair dos séculos de atraso burocrático-feudal no qual está submerso, encontrar a verdadeira e Nova Democracia. As massas, a seu modo, cobram e anseiam por isso. 

 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira