Filipinas: NEP faz trabalho político de massas contra o abandono do governo

A- A A+

O Novo Exército do Povo (NEP), dirigido pelo Partido Comunista das Filipinas (PCF), ordenou a todas as suas unidades de combate que façam trabalho político e de solidariedade com a população de suas respectivas áreas pela prevenção ao coronavírus.

Em uma declaração, o porta-voz do NEP em Mindanao, Rigoberto Sanchez, disse que “os comandantes e combatentes vermelhos, especialmente os médicos, recebem ordens para lançar ampla disseminação de informações, realizar campanhas de saúde e saneamento e elaborar medidas preventivas”.

Os revolucionários filipinos estão acostumados a lidar com catástrofes naturais. Em 2012 a unidade do NEP do sul de Mindanao liderou a reconstrução de comunidades, após elas serem atingidas pelo supertufão Pablo.

 

Forças Armadas violam cessar-fogo

As Forças Armadas reacionárias das Filipinas e a Polícia Nacional das Filipinas têm realizado operações contra o NEP, mesmo após o presidente ultrarreacionário Rodrigo Duterte pedir um cessar-fogo aos guerrilheiros, no dia 17 de março, para supostamente lidar com a crise sanitária da Covid-19.

Unidades militares reacionárias estão realizando sucessivas operações ofensivas em cerca de 59 cidades e 91 vilas rurais em todo o país. Isso resultou em pelo menos sete confrontos armados e diversas violações dos direitos democráticos pelas forças da reação.

Os militares da reação realizaram bombardeios de artilharia e aéreos em Barangay, Cabuyuan e Mabini, no dia 18 de março e em Davao do Norte, Tapayanon, Gupitan, Village e Kapalong, no dia 24 de março.

As Forças Armadas reacionárias das Filipinas estão prendendo camponeses e atacando membros do NEP, quando estes estão conduzindo o trabalho político e de prevenção à Covid-19. Em Panay Central, por exemplo, as tropas da 301ª Brigada dispararam, no dia 7 de abril, contra médicos do NEP, no momento em que estes estavam em contato com as massas.

Segundo o comunicado, o NEP disse que, para defender as massas e seus combatentes, disparou contra os soldados e se retirou com segurança. Segundo informações um soldado da reação foi morto e outros ficaram feridos.

A unidade de Panay Central do NEP disse em comunicado que “ainda que tenhamos parado de lançar ofensivas táticas em respeito ao cessar-fogo declarado pelo PCF, estamos preparados para nos defender contra os ataques das Forças Armadas e da polícia”.

 


O Exército revolucionário na Guerra Popular

De acordo com a doutrina militar do proletariado (a Guerra Popular), o Exército Popular (de novo tipo) não tem somente a função de combater, mas também de cumprir tarefas políticas assinaladas pelo Partido Comunista (como mobilizar, politizar e organizar o povo e produzir com ele), sendo essa a sua fortaleza.
Os combatentes são, principalmente, dedicados a combater as forças da contrarrevolução e, ao mesmo tempo, realizar um frutífero trabalho de massas, de agitação e propaganda, de mobilização, politização e organização das massas. Segundo o Presidente Mao Tsetung, no documento Sobre a eliminação das concepções errôneas no seio do partido, assim deve atuar o Exército Popular:
“O Exército Vermelho não deve limitar-se apenas a combater; além de combater para destruir o poder militar do inimigo, deve ainda assumir tarefas importantes como a de fazer propaganda no seio das massas, organizá-las, armá-las, ajudá-las a instaurar o poder político revolucionário e, inclusivamente, criar organizações do Partido Comunista”.
Além disso, o Presidente Mao afirma que os combatentes devem ainda produzir e ser autossuficientes, e não um peso para o povo, e que o partido no caso da Revolução Chinesa era organizado ao nível de companhias e, nas unidades, organizava-se “comitês de soldados”.
O Presidente Gonzalo, com a linha da Construção Concêntrica dos Três Instrumentos Fundamentais da Revolução (Partido, Exército e Frente Única), afirma que a totalidade do Partido deve estar no Exército e, por consequência, deve atuar através dele, executando as tarefas do Partido desde dentro do Exército, criando e desenvolvendo a Frente Única Revolucionária em torno dele. “O Partido está organizado em todos os níveis do Exército, sob o duplo mando: político e militar. O trabalho de massas do Partido se faz através do Exército e mobiliza, politiza, organiza e arma as massas”, afirmou.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira