O ‘combate’ dos governos ao coronavírus

A- A A+

Privatização via OSS, trabalhadores mal pagos e serviço precarizado

A pandemia do coronavírus (a Covid-19) expõe cada vez mais o crônico processo de desmonte do Sistema Único de Saúde (SUS), o maior sistema de saúde pública do mundo, cujo funcionamento é historicamente prejudicado devido aos diversos interesses do capital.
Na última década, tomou grande proporção a entrega da gerência dos serviços públicos de saúde às chamadas Organizações Sociais da Saúde (OSS). As OSS são contratadas pelo velho Estado por meio de licitação, uma forma de “terceirização” da gestão de tais serviços, em um grave cenário de transferência de fundo público para o setor privado.
Os hospitais públicos entregues para as OSS encontram-se, hoje, em precárias condições e os trabalhadores são abandonados à própria sorte com baixíssima remuneração, enquanto os monopólios que controlam tais “organizações sem fins lucrativos” seguem enriquecendo, remunerados pelo velho Estado para exercer tão porca tarefa.
Mesmo em meio a grave crise econômica, o velho Estado e seus gerentes continuam repassando milhões de reais, aumentando ainda mais o capital das grandes corporações que administram as OSS, sem levar em conta os interesses dos que utilizam os serviços do SUS. Trata-se de uma transferência bilionária de dinheiro público para essas grandes corporações do complexo industrial da saúde, que lucram às custas da exploração dos trabalhadores e do péssimo serviço oferecido às massas.
Agora, durante a pandemia, ocorre precisamente a continuação dessa política. Hospitais de Campanhas e outros lançados às mãos das OSS, unicamente para enriquecer seus administradores, têm sido a regra do “combate” do governo ao coronavírus.

As OSS realizam seus lucros com precairzação

GO: Milhões às OSS e abandono de HU
Em Goiânia (GO), o Hospital de Campanha do governo do latifundiário Ronaldo Caiado/DEM iniciou seu funcionamento em 26 de março nas dependências do Hospital do Servidor Público Fernando Cunha Júnior, localizado no Parque Acalanto, com capacidade total de 220 leitos, contudo apenas 40 leitos foram abertos na inauguração do hospital. De acordo com a OSS, a abertura dos leitos será gradual.
A OSS Associação Goiana de Integralização e Reabilitação (Agir) será responsável pelo gerenciamento da unidade de saúde no período de 180 dias, recebendo R$ 57,7 milhões. A OSS é responsável atualmente pelas unidades: Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer), o Hospital Estadual de Urgências da Região Noroeste de Goiânia Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol) e o Hospital Estadual de Dermatologia Sanitária e Reabilitação Santa Marta (HDS), todas em Goiânia.
Pouco tempo após a confirmação dos primeiros casos de Covid-19 em Goiás, diante da negligência do governo, os estudantes da Universidade Federal de Goiás (UFG), por meio do Centro Acadêmico XXI de Abril da Faculdade de Medicina, iniciaram uma campanha na internet de arrecadação de doações para compra de equipamentos e insumos para abertura do Novo Hospital das Clínicas da UFG com capacidade para 600 leitos, sendo 78 de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). A Fundação de Apoio ao Hospital das Clínicas da UFG (FundaHC) , responsável pelo gerenciamento da unidade de saúde, estima que são necessários aproximadamente R$ 4,5 milhões para abertura do hospital.
Um dos membros do centro acadêmico, Ítalo Santiago, relata que, sem equipamentos e insumos, o hospital não tem condições de funcionar. “O HC é o terceiro hospital de referência no tratamento da Covid-19 em âmbito estadual e apesar de possuirmos uma estrutura quase pronta do novo HC, ele ainda não pode ser usado por conta da falta de materiais e insumos, principalmente para abertura das UTIs”.
Ao invés de destinar verbas para o HC da UFG, já com capacidade de operação potencialmente maior e com funcionamento permanente, os governos preferem remeter a verba para a OSS que diminui salários e precariza o serviço, claramente motivados por interesses escusos.

Pará destina milhões a OSS de SP e GO
No Pará, o governo reacionário de Helder Barbalho/MDB anunciou a construção de Hospitais de Campanha em Belém, Santarém, Marabá e Breves, totalizando 720 leitos. Segundo o governo, todos funcionarão como hospitais de retaguarda, atendendo pacientes de baixa e média complexidade encaminhados pelo SUS. Os casos mais graves serão encaminhados para outros hospitais públicos com UTI.
A empresa Progen, a mesma que está atuando na construção dos Hospitais de Campanha em São Paulo, será responsável pela montagem dos hospitais em todo o estado. Serão destinados aos Hospitais de Campanha cerca de R$ 37,8 milhões durante 120 dias, prazo que pode ser prorrogado.
O gerenciamento será realizado por OSS diferentes. O primeiro hospital a operar foi o de Belém, funcionando desde 6 de abril com um total de 420 leitos. A OSS Associação da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Pacaembu, encarregada de gerenciar o hospital e sediada em São Paulo, receberá R$ 14,7 milhões pelo prazo de 120 dias. A OS gerencia atualmente o Hospital Abelardo Santos, um dos maiores do Pará, localizado em Belém, no distrito de Icoaraci.
O Hospital de Marabá iniciou suas atividades em 7 de abril, com 120 leitos, e será gerenciado pela OSS Instituto Nacional de Assistência Integral, também paulista, que vai receber R$ 16,8 milhões durante 120 dias.
O Hospital de Santarém conta com 120 leitos e iniciou suas atividades em 10 de abril, enquanto o Hospital de Breves conta com 60 leitos funcionando desde 11 de abril. O Instituto Panamericano de Gestão, OSS sediada em Goiás, irá gerenciar as unidades, recebendo R$ 4,2 milhões por Santarém e R$ 2,1 milhões por Breves pelo período de 120 dias.
Tal cenário aponta maior agilidade na privatização gradual dos hospitais paraenses; atualmente todos os Hospitais Regionais no interior, além de alguns dos maiores hospitais públicos de Belém foram entregues para OSS, além de outras unidades de alta complexidade como o Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação (CIIR) em Belém e a Unidade de Alta Complexidade em Oncologia Dr. Vitor Moutinho em Tucuruí.
O AND denunciou esse avanço do desmonte do SUS no Pará. Apenas no mês de dezembro de 2019 a OSS Santa Casa de Misericórdia de Pacaembu realizou a demissão, sem aviso prévio, de 270 trabalhadores. Houve denúncias de piora do serviço de saúde, como demora nos atendimentos e falta de insumos, atraso de salários, contratações irregulares, adoecimento dos trabalhadores da saúde, dentre outros.

SP: Cerca de R$ 92 milhões repassados às OSS
O Hospital de Campanha montado no estádio do Pacaembu, na zona oeste de São Paulo, começou a receber pacientes diagnosticados com Covid-19 a partir de 6 de abril. Sob responsabilidade da prefeitura do reacionário Bruno Covas/PSDB, foram montadas no gramado do estádio duas tendas: cada uma delas possui dez módulos com capacidade para 20 leitos, totalizando 200 leitos para atendimentos de paciente com baixa e média complexidade encaminhados pelo SUS.
O Hospital de Campanha do Pacaembu foi montado e equipado pela empresa Progen. No dia 1º de abril o hospital fora entregue para a OSS do Hospital Albert Einstein, que ficará responsável pelo gerenciamento da unidade e por cerca de 520 trabalhadores.
No centro de convenções do Anhembi será montado outro Hospital de Campanha com 1,8 mil leitos de baixa e média complexidade, entregue à OSS Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas) e à OSS Associação Paulista Para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), contando com cerca de 2,1 mil trabalhadores da saúde.
As referidas OSS atuam em todos os níveis de atenção à saúde; a Iabas age em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Maranhão e Mato Grosso do Sul, enquanto a SPDM opera em São Paulo e Rio de Janeiro.
A contratação dos trabalhadores para o Hospital de Campanha do Anhembi foi realizada pela OGS Saúde, indicando, assim, o processo de quarteirização. Em entrevista ao monopólio de imprensa, a empresa relatou que, caso os trabalhadores sejam infectados, não haverá direitos trabalhistas, pois são considerados como trabalhadores intermitentes. Esta é uma das alterações nas relações de trabalho oriundas da “reforma” trabalhista.
A prefeitura de São Paulo destinará cerca de R$ 35 milhões para a infraestrutura dos hospitais e mais R$ 15 milhões mensais de custeio pelo período de quatro meses.
No Complexo do Parque do Ibirapuera, em Moema, zona sul de São Paulo, será construído mais um Hospital de Campanha; a unidade contará com o total 268 leitos, destes 240 serão para baixa complexidade e 28 para estabilização; a previsão de funcionamento é a partir de 1º de maio.
Cerca de 800 trabalhadores atuarão na unidade de saúde que será gerenciada pelo Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo (Seconci), OSS que atualmente administra vários hospitais e Ambulatórios Médicos de Especialidades em todo o estado.
O governo de São Paulo destinou o total de R$ 42 milhões pelo período de três meses para a unidade, sendo R$ 12 milhões para a construção do local e mais R$ 10 milhões mensais para custeio.
Em entrevista ao monopólio de imprensa, os trabalhadores do Hospital de Campanha do Anhembi relatam que, além da possível falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), há grande insegurança quanto ao recebimento dos seus salários. Todos os trabalhadores optaram por não se identificar.
“Como os atendimentos em urgência e emergência foram cancelados, minha renda caiu dois terços. Então fui atrás desses plantões no Anhembi. Mas o contrato é muito fraco. Se você adoecer, é por sua conta e risco”, relatou uma médica, em entrevista ao monopólio de imprensa Folha de São Paulo.
“Estamos expostos a uma carga viral muito alta e só sabemos que, se precisarmos parar de trabalhar, não vamos receber. Não é só uma insegurança financeira, mas insegurança de trabalho. Vai ter EPI para todo mundo? Vai ter insumo, estrutura, protocolo de atendimento? Não temos garantia de nada disso. Estou há cinco dias tentando falar com os superiores, mas não conseguiram nem me indicar com quem falar”, relatou outra trabalhadora da saúde ao mesmo veículo.
“Parece que se aproveitam da pandemia para dizer: ‘Vocês vão cobrar isso agora?’. E colocam a cobrança de que devemos ser heróis, sacerdotes. Mas é insalubre”, denunciou outra trabalhadora da saúde.

Hospital mais caro do que os permanentes
O governo oportunista do Rio Grande do Norte anunciou a construção de um Hospital de Campanha com 100 leitos, sendo 53 de UTI, onde cerca de 633 trabalhadores atuarão. O hospital será instalado na área externa do estádio Arena das Dunas, arena utilizada na Copa do Mundo de 2014. Em nota ao monopólio de imprensa a Secretaria de Estado de Saúde Pública relata que a utilização do gramado aumentaria os custos com aluguel do local.
Ainda na mesma nota o governo de Fátima Bezerra/PT anunciou que a instalação e início das atividades do hospital estão previstas para esse mês, e as obras serão iniciadas assim que for concluída a escolha da OSS. Para instalação e custeio da unidade serão destinados cerca de R$ 37,1 milhões pelo período de seis meses.
A prefeitura de Natal também anunciou a construção de um Hospital de Campanha no prédio do antigo Hotel Parque da Costeira, desativado desde 2019 por dívidas trabalhistas. A unidade contará com 100 leitos, mas não há prazo para montagem e operação dos leitos de UTI. Já foram gastos R$ 8 milhões, valor que pode chegar a R$ 12 milhões com a entrega de mais 20 leitos. Cerca de 300 trabalhadores atuarão na unidade com contratos de trabalho temporário com a Secretaria Municipal de Saúde.
Uma das lideranças do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Sinmed/RN), Geraldo Ferreira, relata que a abertura de leitos nos hospitais públicos é uma solução mais barata em comparação ao Hospital de Campanha. “Consideramos totalmente equivocada essa ação do governo. De um lado temos mais de 200 leitos novos a serem abertos em dois hospitais públicos, o da Polícia Militar e o Deoclécio Marques de Parnamirim, que ficarão para a população após a pandemia. Temos o Hospital Rui Pereira em desativação já com dois andares ociosos e o Regional de Canguaretama ainda fechado por falta de condições sanitárias. Do outro o Executivo propõe um hospital improvisado por seis meses ao custo de quase R$ 40 milhões. É um absurdo”, afirmou ao monopólio de imprensa. Ou seja, enquanto mais leitos permanentes poderiam ser abertos em hospitais públicos, o governo prefere alugar o estádio (espécie de transferência de dinheiro ao monopólio dono do espaço).

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira