Camponeses da Baixada Maranhense prosseguem luta em defesa de suas terras

A- A A+

Sob a consigna de O povo organizado luta e vence!, a luta pela terra na Baixada Maranhense torna-se cada vez maior. Os povos tradicionais que vivem na região (camponeses, indígenas, ribeirinhos, quilombolas) buscam a sua permanência e retomada dos campos inundáveis, território que vem sendo saqueado ao longo dos anos pelo latifúndio por meio das cercas impostas pelos senhores de terras, instrumentos no processo de grilagem. A região é composta por amplas porções de terras públicas ou devolutas onde, em conluio com o velho Estado, a prática da grilagem feita pelo latifúndio se perpetua.
Em meio à campanha de criminalização da luta e perseguição dos camponeses, prisões políticas foram decretadas e uma intensa e vitoriosa jornada de lutas liderada pelo Fóruns e Redes de Cidadania do Maranhão percorreu grande parte do ano 2019, visando a libertação dos presos políticos de Flávio Dino/PCdoB, governador do Maranhão que atua em benefício do latifúndio. Em janeiro de 2020, dois camponeses, Celino Fernandes e Wanderson Fernandes, pai e filho, foram assassinados dentro da sua residência por pistoleiros fortemente armados e disfarçados de policiais civis.

A luta dos camponeses maranhenses é contra o cercamento das terras públicas pelo latifúndio
Dois meses depois dos covardes assassinatos, os camponeses seguem demonstrando disposição e determinação para garantir suas terras e desenvolvem diversas ações como Plenárias Populares, a Ocupação do Fórum da Comarca de Anajatuba e o Encontro de Mulheres, em razão do 8 de março.
Uma das ações mais importantes foi realizada pelas comunidades quilombolas de Cedro e Taboa, no município de Arari. Os camponeses efetuaram um trabalho de levantamento a fim de provar que se trata de terra pública. O latifúndio, que, além de grilar as terras, ergue cercas elétricas e promove desmatamento, foi beneficiado em vários processos no Judiciário local e no Tribunal de Justiça, sob o argumento de que suas terras são particulares, expondo o caráter latifundista do velho Estado.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza