Século XXI e medievo

A- A A+

A falência histórica e política do sistema imperialista

A atual pandemia mundial revelou em poucos dias toda a falência histórica e a abominável existência política do capitalismo em sua fase monopolista, parasitária, em decomposição e agônica. Deixou patente o quanto os governos imperialistas e seus lacaios mundo afora desprezam a Humanidade e com quão crueldade tratam as massas populares. Como países desenvolvidos deixaram cair, como nunca em sua história e de forma patética, a máscara notoriamente exibida com jactância de melhor dos mundos, mas que nunca se prepararam para enfrentar calamidades de grandes magnitudes e totalmente prováveis, porque não é o que lhes interessa e convêm. Do que se incubem é, sim, da extração do lucro máximo, em todas as situações e por todos os meios, principalmente o de sugar os trabalhadores até a última gota de sangue e lançar guerras de rapina sobre as nações oprimidas, promovendo o extermínio de centenas de milhares a milhões de vidas, sob o descarado pretexto de defesa da sua velha e corrupta democracia.

É um sinistro reviver de épocas quase remotas da história da Humanidade, como meados do século XIV, quando ocorrera a “peste negra” (peste bubônica) que varreu a Europa e Ásia, matando 200 milhões de pessoas; ou mesmo o reviver de 102 anos atrás, quando da “gripe espanhola”, com morte de dezenas de milhões. Porém é revoltante que, em pleno século XXI, com as conquistas da ciência e tecnologia, ter tantas vidas humanas ceifadas impiedosamente pela incapacidade desse sistema de exploração caduco em socorrê-las. Incapacidade cabal por natureza de classe exploradora que se choca em tudo com os interesses da Humanidade e mesmo a vida. Foi uma desgraça terrível a “peste negra” e suas consequências, porém é compreensível dado o grau de atraso histórico da época. Mas o medievo em pleno século XXI é um crime de lesa-humanidade inaceitável!

Em todo o mundo o avanço do coronavírus, avassalador, demonstra toda a decadência das sociedades imperialistas e a dos países oprimidos, bem como a putrefação de seus Estados e regimes políticos. Trata-se de um império colossal de riqueza nas mãos de um punhado de parasitas, conquistado com escravidão e morte das massas populares de todo o mundo, especialmente dos países oprimidos. Segundo a insuspeita Oxfam, a parcela do 1% mais rico do mundo detém mais do dobro da riqueza possuída por 6,9 bilhões de pessoas; e os bilionários do mundo, que somam apenas 2.153 indivíduos, no ano de 2019, detinham mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas. E nada disso importa para combater uma pandemia relativamente simples, ao contrário, se explica. Os governos deixam morrer a míngua milhares de pessoas por dia, que logo somarão milhões em todo o mundo, tudo para não tocar nos grandes magnatas do capital financeiro et caterva.

A situação, portanto, em todo o mundo é de crescente situação revolucionária desigual em seu desenvolvimento, e que converge com a crise geral de decomposição do imperialismo que não dá sinais sólidos de recuperação com as políticas mais amargas aplicadas, ao contrário, tem agravado sua crise de superprodução. As explosões de revoltas das massas por todo mundo em reação a estas políticas de cortes de direitos e restrições das liberdades democráticas anunciaram o desenvolvimento, ainda que desigual, da situação revolucionária à escala mundial. Coincidentemente neste contexto surge o coronavírus como pandemia.

Sendo resultado de uma evolução biológica natural ou uma maquinação do imperialismo ianque (hipótese que não se pode descartar de todo, pois bem calha com os criminosos “jogos de guerra” do Pentágono, crente fervoroso do malthusianismo*), o coronavírus atua como pequenas bombas atômicas invisíveis, aparentando outra forma de guerra mundial. Não se deve esquecer dos artefatos atômicos que os Estados imperialistas e alguns dos seus lacaios detêm, de grande porte e em demasia em seus arsenais, para permanentemente intimidar os povos. A questão é que com a pandemia a negligência dos governos eliminará populações por eles consideradas excedentes, especialmente envelhecida e doente. De modo geral significa destruir forças produtivas, para logo justificarem novos e milagrosos “planos Marshall” em vista de recuperar a economia para nova expansão. A negligência é deliberada, advinda da natureza do imperialismo, porém tergiversada com doses reguláveis de dramatização pelos monopólios de imprensa – Rede Globo à cabeça no Brasil – para mitigar a revolta das massas. É a lei do imperialismo: as crises nesse sistema só são parcialmente debeladas com destruição de forças produtivas, matança de trabalhadores e populações “excedentes”, concentração/centralização de capital e conquista de novos mercados (guerra com arsenais bélicos).

Agudizam-se as contradições fundamentais, entre nações e povos oprimidos, como principal, entre superpotências e potências na disputa interimperialista e entre burguesia e proletariado nos países imperialistas. As massas serão, no que depender dos imperialistas, em seus próprios países e em todo o mundo, vítimas indefesas do vírus e, depois, da exploração desapiedada com demissões, redução de salários e corte de direitos, enquanto as corporações monopolistas terão seus prejuízos ressarcidos, como já ocorre em vários países, inclusive no Brasil. Em todo o mundo a reação levanta a cabeça impondo “toque de recolher” e Estado de Sítio para manter sua ordem reacionária de fome e de morte. Certamente, o plano imperialista de lançar tudo nas costas dos povos oprimidos e dos trabalhadores do primeiro mundo esbarrará na intrépida decisão das massas de combater por seus direitos e pelo fim dessa velha ordem. Não há solução possível que não seja a de avançar a Revolução Proletária Mundial, em cada país.


II

A situação política nacional, por sua vez, é bastante grave, com o isolamento político do fascista Bolsonaro e conspirações abertas dos generais golpistas, como possibilidade aventada e tornada pública pelos generais de substituir Bolsonaro por Mourão, como chantagem para fazer o “presidente”, mesmo revoltado, manter-se à coleira.

Fato é que Bolsonaro acumula fracassos, um após outro, no seu intento de assumir a direção do golpe militar. Está isolado no próprio Planalto por imposição do governo militar de fato, dos generais representantes do Alto Comando das Forças Armadas (ACFA) reacionárias. Mas, valendo-se do poder legal de mandatário da nação, Bolsonaro vem tentando angariar apoio da opinião pública, apelando, como “o salvador” das dezenas de milhões de pobres que vivem às margens da economia, aos milhões de pequenos e médios comerciantes desesperados, a juntarem-se às suas hordas de seguidores na violação do “isolamento impositivo”. Isola-se quase que por completo e perde cada vez mais o apoio no seio das próprias classes dominantes e seus grupos de poder, no parlamento e no judiciário. Basta ver o afastamento de Ronaldo Caiado, o distanciamento da bancada dos latifundiários no Congresso e até as afirmações de Paulo Guedes corroborando com a política dos generais.

O isolamento político é tal que Bolsonaro se viu obrigado a diminuir o tom de sua agitação de difundir que o isolamento social não passa de uma conspiração para paralisar a economia e derrubá-lo a custo da miséria da população. Aceno este que visa acumular forças e capital político, como o “perseguido” e “injustiçado”, e conseguir maior poder de pressão sobre os generais, quando a situação da nação desembocar na desordem inevitável. Seu plano naufraga, e a direção dos generais no golpe contrarrevolucionário toma impulso. A chancela de “presidente operacional” dada ao general Braga Netto é mais um passo para fazer do governo militar de fato um governo militar de direito.

A crise do capitalismo burocrático, agravada mais ainda, lançará num curto período, novos milhões à situação de miséria. O velho Estado que fornece generosos “pacotes de incentivo” de bilhões a algumas dezenas de monopólios financeiros é o mesmo que oferece uma migalha às dezenas de milhões de massas. E sabe-se lá quando e por quanto tempo, só para tentar apagar o pavio da explosão de revoltas populares que já foi aceso.

Por que esse bando de reacionários não dedica seus esforços para entregar a todas as massas do país os materiais de proteção contra o contágio (álcool em gel, máscaras e outros) e os testes? Por que não obriga essas redes monopolistas de saúde a abrirem suas estruturas para atender toda a população em auxílio ao limitado e sucateado sistema público? A vida dos ricos vale mais que a dos pobres, não é senhores? Por que, em vez de ameaçar prender e reprimir as massas, a canalha que governa o país não põe todos os médicos das Forças Armadas e seus leitos a serviço dos miseráveis condenados à morte, sem acesso a nada e que sequer têm condições de se isolarem em seus barracos superlotados e apertados? São esses exploradores criminosos, culpados diretos e os negligentes que estão por trás de mais um genocídio das classes populares.

Todos os fatos apontam para tal situação na qual as massas estão desalentadas e entrando em desespero. Exigem uma solução aos seus problemas, e o dever chama, a plenos pulmões, os verdadeiros democratas e revolucionários a agirem. Por pequenos grupos,  mobilizá-las por rua, prédios, bairros, vilas e favelas, como no campo, em comitês sanitários de defesa popular. Exigir dos governos os equipamentos emergenciais de prevenção, tratamento, abastecimento de alimentos e utensílios de primeira necessidade. Porém, lutar por estabelecer redes visando assentar bases para um futuro sistema sanitário popular, sobre controle, gestão e direção das organizações classistas populares.

 


Nota:
* Teoria reacionária burguesa que, no essencial, coloca o crescimento da população mundial como responsável pelas mazelas do mundo, e não o sistema capitalista de exploração e opressão. Advoga que é impossível a sociedade humana prover a todos e harmonicamente, teoria desmentida com a crítica científica marxista ao capitalismo e com a construção socialista no século passado.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza