A vida cotidiana do trabalhador ambulante

A- A A+

Embora não haja muitas estatísticas sobre o número de vendedores ambulantes no Rio de Janeiro, é consenso que são centenas de milhares de trabalhadores numa região metropolitana que aglomera 12 milhões de pessoas. Uma grande parte tem profissão anterior, porém, vítima do desemprego e dos infortúnios, vê-se lançada a esse trabalho, a esmagadora maioria sem o credenciamento das prefeituras.

O vendedor ambulante está constantemente em risco financeiro. Basta uma “batida” da fiscalização para perder tudo, sem mencionar os numerosos casos de covardia das forças de repressão, cujo histórico de espancamento e roubo ilegal de mercadorias é extenso. Sem mencionar que, mesmo desconsiderando esses perigos, apenas a venda da mercadoria frequentemente não basta para sustentar a família.

Bruno, de 29 anos, é mais um brasileiro que tira o sustento da família através da venda de balas no transporte coletivo.

Bruno, de 29 anos, é mais um brasileiro que tira o sustento da família através da venda de balas no transporte coletivo.
Foto: Dikran Júnior

“Geralmente eu acordo às 6h nos dias de semana para embalar as mercadorias. Eu termino de embalar umas 8h, tomo café e vou trabalhar. Trabalho mais ou menos até umas 15h e vou comprar mercadoria para repor e trabalhar no outro dia. Chego em casa, cuido dos meus filhos para minha esposa fazer a janta. Jantamos, assistimos televisão e dormimos”, é esta a rotina de Bruno de Castro, vendedor ambulante de balas e doces.

Bruno, 29 anos, mora em Belford Roxo. Sua vida, como da maioria dos trabalhadores ambulantes é corrida, inclusive no fim de semana, quando tem que complementar a renda como trabalhador assalariado informal, servindo de garçom.

“Nos finais eu sou garçom, aí muda um pouco. Sexta-feira, eu saio às 8h para trabalhar como ambulante e saio 13h; às 16h eu trabalho em Maria da Graça, chego lá 17h. Fico trabalhando lá até umas 5h, até fechar o caixa às 7h, e chego em casa às 8h da manhã do sábado. Passo na padaria, compro pão, tomo café com minha família e, lá pelas 14h eu vou trabalhar de novo, dessa vez em Del Castilho, também das 16h às 17h, acabando domingo pela manhã. Eu chego domingo às 7h30, mais ou menos. No primeiro e no último domingo do mês eu também trabalho em Madureira, como garçom. Final de semana eu durmo muito pouco”.

Como ambulante, Bruno enfrenta as dificuldades que são próprias à condição de trabalho. “As dificuldades são que muitas empresas de ônibus não permitem que vendedores ambulantes vendam no interior do transporte. Muitos motoristas não deixam a gente trabalhar por medo de represália, punições e até mesmo demissão”. Além disso, em suas palavras: “O cansaço é intenso, mas é aquilo: tem que trabalhar”.

Mesmo quase sem tempo, Bruno reserva um tempo para sua família.

Mesmo quase sem tempo, Bruno reserva um tempo para sua família.
Foto: Dikran Júnior

Bruno nem sempre foi ambulante. “Minhas profissões originais são soldador, auxiliar de cozinha e serralheiro. Eu fiz o curso de soldador em 2007-2008, e trabalhei desse ano a 2010”. Bruno serviu às Forças Armadas e, em 2014, foi aceito em dois concursos públicos promovidos, respectivamente, pelo governo do estado e pela prefeitura. Pediu baixa no quartel, logo quando estourou a crise financeira do velho Estado. Bruno não foi chamado e ficou a ver navios.

“Daí, num dia, minha mãe fez sacolés em casa para nosso consumo e, como ninguém consumiu, eu fui à praia e já levei o sacolé e vendi. Arrumei guardanapo, caixa térmica, e fui vendendo, gritando ‘sacolé, sacolé’; eu nem sabia o preço que ia dar. Sei que vendi tudo. Combinei com minha mãe de ela fazer e eu vender e foi assim. Passaram dois dias, voltei à praia e comecei a vender sacolés”.

A grande quantidade de trabalhadores ambulantes, que, em geral, são obrigados a trabalhar por muito mais tempo para ter a mesma renda de um assalariado está diretamente ligada ao desemprego e à desindustrialização. Especialmente no Rio de Janeiro, nos últimos 50 anos, os empregos foram sendo incinerados pela fuga das indústrias e, no entanto, a população atraída, vinda do interior durante esses anos, ficou na região, abandonada.

Nesse cenário em que, embora peçam votos a cada dois anos, os sucessivos governos nada fazem para melhorar a situação. A única garantia de sobrevivência desses trabalhadores é exatamente sua união, vontade, garra e determinação.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza