Vencendo planos da reação, Guerra Popular prossegue vitoriosa

A- A A+

O Partido Comunista das Filipinas (PCF) lançou uma declaração retratando a situação atual do Novo Exército do Povo (NEP) e saudando-o pela série de ofensivas táticas bem sucedidas em todo o país durante os últimos meses de agosto e setembro. Várias unidades do NEP montaram dezenas de emboscadas, operações de fustigamento, sabotagem e outras ofensivas táticas contra as tropas armadas do regime de Rodrigo Duterte, paramilitares e outros agentes da reação armados, bem como ataques contra grandes operações de mineração, extração de madeira e latifúndios. Foram realizadas ofensivas em Mindanao e no leste de Visayas, Negros, Panay, Bicol, sul de Tagalog e Cagayan Valley.

O PCF aclama os combatentes e comandantes do NEP e presta tributo aos que caíram em batalha, dizendo que eles serão para sempre lembrados e exaltados como heróis do povo. “As amplas massas do povo filipino aplaudem as ofensivas do NEP. Estas ofensivas demarcam a determinação do povo em resistir ao regime tirânico de Duterte e os inspira e os encoraja a lutar contra o reinado do terrorismo de Estado, a corrupção e a traição nacional”.

Combatentes do Novo Exército do Povo em seu acampamento, na selva filipinaCombatentes do Novo Exército do Povo em seu acampamento, na selva filipina - Banco de dados/AND

Uma emboscada do NEP realizada em 4 de outubro, em Lianga, Surigao do Sul, foi particularmente ressaltada pelo PCF. “A ação deu um golpe na cabeça do grupo paramilitar Magahat-Bagani, do 3º batalhão, e serviu como justiça para as massas Lumad. Esses agentes armados foram julgados como responsáveis pelo massacre de Lianga de 2015 e estão sendo utilizados pelas companhias militares e de empresas de mineração para intimidar e reprimir o povo”. Destaca-se também a emboscada de 2 de setembro, em Kalamansig, em Sultan Kudarat, contra o 37º batalhão, que dizimou um pelotão de tropas designado para assegurar o projeto da estrada de madeira que pertencia ao grande burguês David Consunji, falecido em 2017.

O PCF destaca que as unidades do NEP conseguiram realizar pelo menos 36 ofensivas desde o início de agosto de 2020, o que equivale a quase uma ofensiva tática a cada dois dias. Pelo menos 289 soldados das forças fascistas, o equivalente a um pequeno batalhão, foram mortos em confrontos desde o início do ano, enquanto o NEP perdeu 146 combatentes durante o mesmo período.

O Partido também afirma que as unidades de guerrilha estão dominando as táticas de deslocamento, concentração e dispersão, a fim de evitar a força principal do inimigo, aproveitar as grandes lacunas entre as unidades operacionais inimigas e atacar seus flancos fracos. “Enquanto algumas [unidades] sofreram perdas, a grande maioria das unidades do NEP, apoiadas pelas massas, adotaram efetivamente as políticas e táticas apropriadas para manter o inimigo surdo e tornar ineficaz sua superioridade militar”, diz o PCF.

Crescem gastos com a guerra reacionária e a corrupção

Estimativas colocam os gastos das Forças Armadas reacionárias das Filipinas em um milhão de pesos filipinos (centenas de milhares de reais) durante algumas semanas de operações militares focadas para mobilizar pelo menos mil tropas terrestres para vasculhar uma pequena área cobrindo várias vilas em áreas de fronteira, combinado com o uso de drones, helicópteros e caças a jato para bombardeios, e apresentar projetos de guerra psicológica. “Estas operações em grande escala têm se mostrado um enorme desperdício de dinheiro”, afirmam os comunistas.

O PCF ainda expõe que a corrupção nas Forças Armadas reacionárias é galopante, de modo que grande quantidade de dinheiro é desviada para os bolsos dos oficiais militares através do superfaturamento de preços, superdeclaração de despesas, desvio dos fundos da “integração comunitária”, atraso na liberação dos salários das tropas, relatórios falsos de conquistas militares para embolsar recompensas, venda de artilharia no mercado negro e assim por diante.

Reacionários torturam e matam camponeses

É denunciado, também, que o regime fascista tem recorrido a uma “guerra suja”, que considera e trata os civis como inimigos. Comunidades inteiras estão sujeitas a abusos grosseiros, execuções sumárias, intimidação e assédio sem fim para forçar as pessoas a “se renderem” às Forças Armadas reacionárias. “As Forças Armadas estenderam sua guerra suja às cidades e procuram suprimir os esforços de organização de trabalhadores, desempregados, estudantes, professores e outros setores democráticos”, acrescentam os maoistas.

O PCF segue explicando que “a força crescente do NEP expõe a futilidade da contrainsurgência projetada pelo Estados Unidos (USA), que se baseia principalmente na superioridade militar e na supressão da resistência do povo. A chamada ‘abordagem de nação inteira’ é um desdobramento que, em vão, esconde o controle militar abrangente de todos os aspectos do governo e da vida civil”.

“O número crescente de ofensivas do NEP durante os últimos meses mostra que o objetivo declarado de Duterte de ‘pôr fim à luta armada comunista’ está fadado ao fracasso. Os fatos tornam ridículas as afirmações das Forças Armadas de terem enfraquecido o NEP, de que os combatentes do NEP estão ‘se rendendo’ em massa e de que o NEP perdeu o apoio do povo. O objetivo declarado de Duterte de esmagar o NEP antes do final de seu mandato está fadado ao fracasso e, certamente, será reagendado pela milésima vez”, demarca.

“O número crescente de ofensivas táticas montadas pelo NEP é prova indiscutível de que o NEP continua a crescer em força e desfruta do apoio profundo entre as massas camponesas. Como um Exército guerrilheiro com armas inferiores e recursos limitados, o NEP não poderia ter realizado essas ofensivas se não fosse pelo apoio das massas. As massas apoiam as ofensivas táticas do NEP porque estas servem a seus interesses e são realizadas em sua defesa”, declara o PCF.

O Partido pede a todas as unidades do NEP que empreguem “vigorosamente a luta armada revolucionária em todas as partes do país, em resposta ao fascismo descarado, à corrupção maciça e ao esbanjamento do dinheiro do povo e à traição nacional do regime tirânico de Duterte. O NEP deve estar atento ao clamor do povo filipino pela justiça. A direção do Partido ordenou a todos os comandos do NEP que realizem ofensivas táticas mais frequentes e mobilizem suas companhias, pelotões e esquadras. Usar todos os tipos de armas possíveis: desde rifles e explosivos detonados por comando até lanças e armadilhas no solo, tudo contra o inimigo. O NEP deve fazer o tirano sangrar por mil cortes e punir os fascistas por todos os seus crimes”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza