O que ocorreu ‘às portas de Moscou’ - Uma breve resenha da obra de Aleksandr Bek

A- A A+

“O homem sofre para se tornar um soldado. O comandante, para disciplinar suas tropas. Mas ainda é mais difícil fazer a guerra”.

A importância de obras literárias como Às portas de Moscou (também chamada A estrada de Volokolamsk) atravessa os limites temporais. O registro histórico da bravura dos combatentes soviéticos no combate à besta nazifascista, que o livro retrata, pode fazê-la parecer quase como um superpoder, porém trata-se da simples e pura decisão de viver em função de uma causa, no caso, a defesa da primeira pátria soviética, superando a iminência da morte. Este é um exemplo do poder de uma ideologia verdadeiramente encarnada e levada adiante nos momentos tempestuosos.

Momych-Uli, comandante cazaque-soviético, é o fio condutor da história narrada por Aleksandr BekMomych-Uli (Bauyrzhan Momyshuly/Бауыржан Момышұлы), comandante cazaque-soviético, é o fio condutor da história narrada por Aleksandr Bek - Banco de dados/AND

O livro é como uma escrita literal, pelo romancista Aleksandr Bek, do que foi narrado anos depois pelo comandante de batalhão, Baurdjan Momych-Uli, encarregado de defender a estrada de Volokolamsk, que dava acesso à capital Moscou – objetivo estratégico imediato dos nazistas. Inseguro a princípio, o comandante de batalhão havia sido colocado nesse posto de improviso pelo general de divisão Panfílov, com a tarefa nada fácil de defender uma faixa de oito quilômetros de território contra a qual, em suas palavras, seria lançada “uma divisão inteira” de nazistas.

Morrer pela pátria?

Clausewitz, proeminente teórico militar prussiano, afirmou que a guerra é o domínio do sofrimento, do esforço e do perigo, de tal modo que sobre aqueles que nela participam atua uma força que desgasta a todos, torna tudo mais difícil e mais penoso: a fricção geral. No caso da guerra promovida pelos nazistas, este elemento era ainda mais presente como parte da estratégia, e eles próprios faziam questão de dizer que quem venceria os soviéticos era o “General Medo”.

Vejamos um caso narrado na obra em que a ação psicológica da guerra afetou os revolucionários. O comandante do batalhão, Momych-Uli, assistia a uma agitação levada a cabo pelo Comissário Político de uma companhia subordinada a seu batalhão1, na qual frisava constantemente o dever de um combatente de “morrer pela pátria”. O comandante, escutando atentamente e fatigado da agitação pela morte, refletia sobre uma frase escutada outrora: “O soldado não vai à guerra para morrer, mas para viver”. Ele aprendera, advertido por Panfílov, certa vez, que é preciso que um comandante guie seus combatentes à vitória, à vida, e não à morte. A guerra não é apenas perda, é transformação também. No caso da assim chamada Grande Guerra Patriótica, homens e mulheres superaram a si mesmos para cumprir com o seu dever patriótico e revolucionário, levando a vida na ponta dos dedos.

O que Panfílov manejava com excelência e buscou ensinar, reiteradas vezes, a Momych-Uli, é que o senso de dever e o espírito de autopreservação constituem dois aspectos duma contradição, especialmente violenta em meio à guerra. Eles se enfrentam e se excluem mutuamente e ao mesmo tempo não existem um sem o outro, de forma que um bom soldado só o é porque sobrepõe o primeiro ao segundo, convertendo a autopreservação, de medo ou autocomplacência puros e simples, em autopreservação para cumprir o dever! Essa é a forma mais honrosa de autopreservação, viver para transformar o mundo (e, no caso de uma guerra, combater), porque guiada pelo senso de dever, enfrentando, também, a morte. É disso que fala Momych-Uli, quando diz: “Não é preciso morrer pela pátria. É preciso matar pela pátria!”. Ele o disse porque era uma questão chave: inverter, na mentalidade dos soldados, qual o norte durante as batalhas, ou seja, que era preciso a audácia e a coragem para matar, e não o conformismo e “coragem” para ser derrotado e morto. É claro, todavia, que para adquirir a qualidade de verter a vida em combate era preciso forjar-se através do batismo no fogo, sem apegos covardes.

Observemos a decisão de Momych-Uli frente a um capitulador, o sargento Barambáiev, um habilidoso atirador que preferiu atirar na própria mão do que combater pela sua pátria. O comandante tomou uma decisão difícil, mas necessária, de ensinar uma lição aos que ficaram. Ordenou à unidade que o sargento comandava que o fuzilasse, tomado por uma onda de sentimentos, sobretudo de tristeza e dever, por ver um dos seus renunciar à luta enquanto outros davam provas de valentia. Nosso protagonista diz: “Haverá mortos nos combates, mas a pátria se lembrará daqueles que morreram de armas nas mãos”, e prossegue, após a execução do traidor: “Tinha o dever de gravar em letras de sangue, nas suas almas, que o traidor não poderia receber mercê!”. O que para alguns pode soar severo e desumano, contradição vivida por Momych-Uli antes de ordenar a execução, serve como exemplo da firmeza de um comandante frente aos seus soldados, sobretudo de tomar decisões difíceis e nada agradáveis.

Todavia, o elemento medo não afetava somente os soldados ou oficiais rasos. Embora firme como aço, o próprio comandante Momych-Uli relata uma reação indesejada sua, de medo, de aflição. Após mandar seu chefe de Estado-maior a uma excursão de reconhecimento nas linhas de frente, ainda antes de começadas as batalhas com os alemães, recebe dele um papel dobrado, no qual vinham escritas as palavras: Os alemães estão à nossa frente. “Estremeci, a contragosto. Teria chegado a hora H?”, conta. Noutro momento, ao levantar de sua trincheira para sair em revista à tropa, foi perturbado novamente: “Senti medo. Simplesmente medo”.

O tenente Brudny é outro exemplo na obra. Ele, que bateu em retirada sem receber ordens do comando durante uma batalha, por covardia, também relata a ação pelo medo: “Eu mesmo não compreendo nada disso que aconteceu, comandante… Foi como uma bordoada no crânio… como se outro me substituísse naquele momento, apavorado e incapaz de raciocinar”.

De fato, em todo o livro Momych-Uli relata o medo que pairava sobre os soldados, sobretudo antes do início das batalhas. Claro! Tratava-se de um batalhão formado por civis recém-ingressados, da reserva, convertidos rapidamente em militares. A guerra, terreno no qual os soldados são assediados a todo instante pela morte, só se enfrenta com a têmpera militar, advinda da instrução militar e, sobretudo, da prática militar, problema bem conhecido por Momych-Uli. 

A guerra é confronto militar, mas sobretudo ideológico, é o que evidencia a história. O medo e as amarguras da guerra afetam a todos, e não poderia ser diferente, impondo-lhes enormes desafios os quais são obrigados a superarem, sobrepassando limites seus antes desconhecidos.

A instrução e o cariz da tropa

Uma das grandes preocupações de Momych-Uli era transformar a massa de civis que compunha seu batalhão em soldados rígidos, partes da legião de aço do Marechalíssimo Stalin. Era preciso ensiná-los a obedecer, em toda circunstância, prontamente às ordens, e não só obedecê-las, mas com a energia e o vigor, assim como a  trabalhar bem com a severidade e superar a frouxidão, condições subjetivas sem as quais não se é possível atravessar as dificuldades e os sacrifícios. A nível do batalhão, ele fizera isso praticamente só, já que sua unidade não dispunha de um Comissário Político.

Vejamos a importância desse adestramento. Numa conversa com o general Panfílov, Momych-Uli ficara sabendo que um dos batalhões vizinhos passava apuros. Seus soldados não aguentavam as marchas e aquele ambiente carregado de fricção geral, mesmo antes de iniciarem-se os combates, pesava-lhes os ombros como toneladas. Panfílov culpara seu chefe: “Foi preciso dispensar seu comandante… Ele tinha relaxado os soldados, por ter pena deles… Um imbecil! Pois é justamente quando temos pena deles que devemos ser mais impiedosos!”.

Evidentemente, na instrução militar soviética não se admitia torturas, como ocorrem nos exércitos burgueses, de que nada servem, aliás. Mas o livro nos faz lembrar que uma instrução militar é militar, visa a preparar a massa para suportar as terríveis privações e sofrimentos da guerra, portanto, foi preciso ministrar grandes doses de dificuldades, tensão permanente e sacrifícios sobre os soldados juntamente com um vívido trabalho político. Afinal, dissera Panfílov, “não se comanda aos berros”.

Disciplina dura em torno dos chefes

Mas é claro que se precisou comandar, e com mãos grandes, de aço temperado. “Na batalha, o soldado sofre o assalto de duas forças vivas: o sentimento de dever e o instinto de preservação. Depois mistura-se a isso uma terceira força, a disciplina, que assegura, no fim das contas, o triunfo da primeira”, lembrara dessa frase o nosso comandante de batalhão.

Tendo em conta isso, Momych-Uli logo fizera seu batalhão entender que para exercer o domínio sobre os efeitos do medo, para vencer o desespero, é chave e exige-se, além do sentimento de dever – que é a consciência política e decisão ideológica –, a disciplina. Ele dissera, em discussões com seus soldados: “Aprenda: o mais duro, o mais penoso no Exército é obedecer! Muitas vezes você achará injusto o seu comandante, terá vontade de responder-lhe e ele lhe dirá: silêncio! Nossa disciplina é dura, mas um exército só pode existir por tal preço!”. A quem discorda de Mumych-Uli, basta procurar sobre o já citado batalhão vizinho ao de Momych-Uli, cujo chefe tinha pena de seus soldados. Quem ler o livro saberá qual fim tiveram aqueles soldados entregues a um comando pusilânime.

Na batalha contra a besta nazista, a falta de um cabeça, de um chefe, mesmo nas unidades de base, fez o batalhão de Momych-Uli entrar em apuros, assim como todo o Exército Vermelho. Quando o chefe estremece, estremece toda a unidade.

Mesmo para Momych-Uli, a simples presença do seu chefe, Panfílov, era algo de esplêndida. Ele relata o sentimento extraordinário que o assaltava ao trocar simples palavras com o general, ou ao saber que ele ali estava. A infusão de coragem, de clareza, de convicção na vitória após longas ou curtas conversas. Daí a força e importância de um reconhecido chefe.

Temperado na mais elevada disciplina e senso de dever, diferentemente do exército reacionário e seus comandos, Momych-Uli nos ensina que todo heroísmo coletivo e individual, de soldados e do Exército Vermelho, em geral se deveu aos chefes exemplares e que encarnaram com vigor o que se demanda na guerra. Diz ele: “Não é absolutamente coisa fácil lançar os soldados a uma carga. Eles nunca obedecerão a uma tal ordem, se não houver um chefe que se levante por primeiro e se jogue para frente”. E tais palavras são verdadeiramente corretas! O comandante é o exemplo em que os soldados devem se mirar, aquele que sacrifica primeiro seus interesses pessoais, se despe de toda sorte de individualismo e leva aos seus comandados o ânimo e otimismo revolucionários, sabendo conduzi-los como hábil maestro, sem o que qualquer batalha seria levada à derrota.

A leitura dessa importante obra é um divisor de águas para todos os ativistas populares. Em especial para os mais avançados. Lenin disse, não à toa, que o Partido Bolchevique devia se espelhar na forma orgânica e na disciplina dos Exércitos profissionais e, em diferentes graus e níveis de exigência, pode-se dizer o mesmo para toda organização popular em tempos como este. Lenin também foi formulador, em 1918, das consignas: Realizar tudo à maneira militar! e Disciplina militar nos assuntos militares e em todos os demais!  Enquanto durar imperialismo, em um ambiente assim estamos submersos. Ademais de seu valor literário, esta é a base da importância atemporal dessa obra. O final de sua história, que compõe a história de luta do proletariado internacional, nos dá valiosas lições e motivos para se comemorar.
Nota:

  1. As unidades militares, habitualmente, são, do menor ao maior: equipe; esquadra; grupo de combate ou seção; pelotão; companhia, bateria ou esquadrão; batalhão ou grupo; regimento, brigada, divisão, corpo-de-exército, exército, grupo de exércitos e teatro de operações. Cada unidade é formada por uma determinada quantidade de unidades inferiores.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza