Correntes idealistas em Filosofia

A- A A+

Voluntarismo

Uma das variedades do idealismo subjetivo em filosofia; nega as leis objetivas e a necessidade tanto na natureza como na sociedade, além de atribuir à vontade humana papel primordial e decisivo. Principais representantes: Schopenhauer, Nietzsche, Hartmann etc.

Tal tendência tem raízes nas profundezas da Idade Média. Já surge nos escritos dos “Pais da Igreja”: Santo Agostinho (354-430) atribuía à vontade importância muito grande e unia o voluntarismo à doutrina da predestinação divina; o filósofo medieval Duns Scotus sustentava a primazia da vontade sobre a razão, da contingência sobre a necessidade e a submissão do homem à vontade divina.

O caráter reacionário do voluntarismo manifestou-se, pois, desde suas origens. O voluntarismo adaptava-se à doutrina fatalista da predestinação e da vontade divina. Na filosofia moderna, o voluntarismo liga-se, como o demonstrou Lenin em seu Materialismo e empiriocriticismo, com a doutrina de Kant, de Hume, com a fórmula kantiana: o entendimento dita suas leis à natureza. O machismo (de Mach, filósofo alemão), que nega as leis objetivas da natureza e considera o mundo criação da vontade, é exemplo notável de “idealismo voluntarista”.

Para os populistas, os anarquistas e os “socialistas-revolucionários” russos, o voluntarismo constituía a base filosófica de teorias subjetivistas, pseudocientíficas, segundo as quais as “personalidades fortes” orientariam o progresso social. Entre os neokantianos (escola de Windelband-Rickert), o voluntarismo serve para esconder as contradições do capitalismo. O voluntarismo de Nietzsche constitui justificação da violência das classes dominantes, do avassalamento e da opressão das massas. O voluntarismo é a filosofia dos reacionários belicistas, que se esforçam, a todo custo, por deter a marcha da história e por separar as massas da luta revolucionária. O voluntarismo acompanha o aventureirismo político. Assim, a filosofia fascista alemã considerava a vontade (sobretudo a do “Führer”) a força determinante dos acontecimentos sociais.

O materialismo dialético, a filosofia marxista, combate o voluntarismo. Nem a “vontade”, nem personalidade eminente determinam o curso da história: determinam-no as leis sociais objetivas. A verdadeira liberdade da vontade humana, a liberdade de trabalhar, não é possível sem a condição de apoiar-se no conhecimento das leis objetivas do desenvolver e de trabalhar sem opor-se a essas leis, mas de acordo com elas. A liberdade é a consciência da necessidade.

 Ceticismo

Corrente filosófica (na teoria do conhecimento) que contesta a autenticidade de todo o conhecimento e a existência de verdades objetivas. O ceticismo, aparecido na Grécia antiga, perpetuou-se em toda a história da filosofia. O agnosticismo, que é a sua expressão mais extrema, ensina que o homem não pode adquirir um verdadeiro conhecimento da realidade. Para a teoria materialista dialética da verdade absoluta e relativa, do papel da prática social como critério da verdade, não existem no mundo fenômenos incognoscíveis, mas unicamente coisas, fenômenos ainda desconhecidos, dos quais se descobrirá e conhecerá a essência à medida que se desenvolverem os conhecimentos científicos e a prática social. A descoberta dos elos internos de vários fenômenos, como o descobrimento da história da evolução biológica das espécies, antes de Darwin desconhecida pelos humanos, comprova a potencialidade da consciência de apreender qualquer fenômeno em seu desenvolvimento, conhecê-lo profundamente, ainda que, num dado momento, seja pontualmente impossível pelas condições objetivas de desenvolvimento histórico da sociedade. Segundo Marx e Engels, a vitória do materialismo sobre o ceticismo e o agnosticismo depende, basicamente, da prática.

Existencialismo

Corrente filosófica decadente de nossos dias, variação do idealismo subjetivo, destinada essencialmente a desmoralizar a consciência social, a combater as organizações revolucionárias do proletariado. No século XX, o existencialismo se difundiu por toda a França e na Alemanha ocidental. Essa doutrina reacionária foi fundada pelo filósofo dinamarquês Kierkegaard (1813-1855), inimigo do socialismo. Por “existência” essa filosofia entende “a vida espiritual individual” e opõe a “existência” ao “ser”, isto é, ao mundo material, da vida real, física e social. A aversão à vida, o medo da morte, o desespero, tais são seus temas fundamentais. Tal “filosofia” anti-humana foi adotada pelos ideólogos do imperialismo alemão (Heidegger, Jaspers). Hoje, o existencialismo recobre-se com a máscara de “filosofia da liberdade”. Na sua luta contra o marxismo, os existencialistas esforçam-se em desacreditar a luta revolucionária em prol do socialismo através da pregação do niilismo intelectual e moral, o desprezo pela ciência e pela moralidade, assim como o abstencionismo para com a transformação social e o individualismo e egoísmo exacerbados.

Os existencialistas levantam-se contra o materialismo dialético histórico, contra a concepção marxista, científica do mundo, apoiando-se nas premissas do idealismo subjetivo, fazendo da “pura consciência em si” o ponto de partida de sua filosofia. Os existencialistas opõem a “existência” à “essência”, separando-se metafisicamente e proclamando a primazia da “existência” do indivíduo em contraposição à realidade objetiva, especialmente a social. Esta teoria está dirigida contra a doutrina materialista que considera a matéria como o dado primário e, no domínio da vida social, se levanta contra a concepção científica do determinismo histórico. Por “liberdade”, o existencialismo toma o “livre arbítrio” inato do idealismo, desconsiderando as leis objetivas e negando a transformação da realidade objetiva, enquanto o materialismo entende liberdade por uma condição alcançada após a transformação da realidade objetiva apoiando-se nas suas leis internas.

O que é necessidade e liberdade?

Em filosofia, necessidade significa aquilo que tem uma dinâmica dada, independente da vontade do homem, porque regida por leis internas. A consciência humana, todavia, pode compreender as leis necessárias de um fenômeno, traçar um plano correspondente à necessidade e transformar a realidade objetiva: a isso se chama, em filosofia, liberdade. Diz Engels: “A liberdade não está numa independência ilusória em relação às leis da natureza, mas no conhecimento dessas leis e na possibilidade, baseada nesse conhecimento, de fazê-las atuar com fins determinados” (Anti-Dühring).

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza