Música independente, autoral e crítica

Criada em 2008 com a finalidade de fazer música independente, autoral e com mensagem crítica, a banda pernambucana Palafita busca proporcionar às massas reflexões acerca dos acontecimentos que fazem parte da realidade do Brasil e do mundo. Misturando a sonoridade do rock com o rap, a banda se utiliza da rima para passar a sua mensagem.

Nós temos uma influência muito forte do rock e também do rap, e a banda carrega isso consigo. Fazemos uma mistura desses dois tipos de música, a sonoridade do rock e aquela coisa falada do rap, letras rimadas. Se tirarmos o som da nossa aparece claramente a forma de escrever utilizada pelas pessoas que fazem rap – conta Thiago Melo.

As letras refletem a nossa experiência, a forma de enxergar a sociedade com lentes da periferia, de perceber as desigualdades e criticar, expor essas condições contraditórias, que são muito desiguais. Falamos da condição do trabalhador, do ser humano que é explorado pelo capitalismo, etc. O mais importante para a Palafita é a mensagem – declara.

A banda, segundo Thiago, se propõe a questionar o modelo de sociedade vigente.

Queremos saber qual modelo está realmente funcionando ou não está funcionando, o que é isso que está acontecendo e por que acontece. Por exemplo, questionamos por qual motivo um playboy vai aprimorar o seu inglês no Estados Unidos enquanto um periférico da mesma idade, negro, é morto pela polícia. São essas coisas que a Palafita quer saber. E, na verdade, nós já sabemos a resposta, e por isso mesmo questionamos – fala.

Nós expomos essas feridas, mazelas que já estão aí há centenas de anos. Na verdade, nós estamos falando o óbvio, faz doze anos que falamos a mesma coisa, questionamos essas desigualdades geradas pelo capitalismo, ainda mais em um país onde o imperialismo realmente impera. Nós falamos de uma elite podre, que é a elite burguesa, porque não podemos assistir a tudo isso e simplesmente nos calar, nos silenciar – expõe.

A Palafita é essa voz que nós não queremos abafar, não nos propomos a isso, muito pelo contrário, vamos caminhando dentro de uma condição muitas vezes precária, porque é muito difícil fazer música independente, e mais ainda música independente e crítica. Mas vamos batalhando, trabalhando duro, porque sabemos que o povo, as massas entendem o que estamos falando e é isso que nos interessa, é o que faz valer a pena a nossa caminhada – declara.

Como estamos fazendo arte, claro que não nos restringimos a falar somente sobre desigualdades, também temos músicas que falam de amor, por exemplo, porque faz parte da necessidade que o artista tem de explorar outros tipos de experiências. O trabalho da banda é totalmente autoral, desde o princípio da nossa caminhada, nosso primeiro disco, Punhos no Tumulto, lançado em 2016, é cem por cento autoral – relata.


Resistência e desigualdade cantadas

O nome Palafita foi dado para a banda porque vivemos em um bairro cercado de palafitas. Eu cresci nesse bairro, que é o Afogados, em Recife (PE) e na minha infância era muito comum ir ao manguezal e sempre ver essas palafitas e, naquele tempo, é claro que eu não sabia por qual motivo elas existiam, não sabia que se tratava de um problema urbano e de desigualdade social – conta Thiago.

Esse nome significa duas coisas para nós: resistência e desigualdade, o que geralmente a banda se propõe a falar. A resistência se refere à luta daquelas pessoas que vivem, muitas vezes, em condições completamente precárias e desumanas, firmam as estacas ali e vão sobrevivendo – continua.

A banda é formada por Thiago Melo, no vocal, Diogo Matheus e Ananias Lima, nas guitarras.

A nossa formação original, em 2008, foi: Eu (vocal), Jó (vocal), Diogo Matheus (guitarra), Ananias Lima (guitarra), Juninho (bateria) e Danúbio Santos (baixo). Com o tempo fomos trocando de músicos, mas mantivemos um núcleo da banda e hoje somos nós três. Outros músicos também tocam conosco, porém como apoiadores – explica Thiago.

–– Participamos recentemente de um projeto de verso autoral, organizado pela banda Mardita, que visa aumentar a visibilidade das bandas de rock independentes. Nesse projeto, uma banda regrava o trabalho da outra, de outro estado, e assim vamos propagando, nos inteirando e os públicos vão se conhecendo – relata.

Foi um trabalho muito bacana, nós regravamos a música Silêncio, da banda Unabomber, do Rio de Janeiro, e a Mariana Camelo, de Brasília, regravou a nossa música Água Viva. E nós estávamos no estúdio gravando um novo EP quando a pandemia começou, assim estamos resolvendo algumas questões internas na banda e vamos retomar as gravações tão logo seja possível – continua.

A fã número zero

Em abril deste ano a banda lançou a música “Remís Vive”, uma homenagem à Remís Carla, estudante de pedagogia e militante revolucionária, vítima de feminicídio. Remís foi assassinada por seu ex-namorado, Paulo César, em dezembro de 2017.

Ela era minha amiga e fã número zero da banda, a pessoa que mais foi nos nossos shows, indiscutivelmente, e conversávamos antes e depois dos eventos, inclusive na capa do nosso disco, Punhos no Tumulto, o primeiro nome que aparece nos agradecimentos é o dela. Depois do acontecido eu fiz a letra e a música e a banda melhorou no estúdio. Falo na letra sobre as duas coisas que observei convivendo com a Remís, que foram a sua doçura e a sua bravura revolucionária – conta Thiago.

Infelizmente ela foi assassinada de forma brutal, mas deixou um legado muito grande, tanto como pessoa, e quem a conheceu pessoalmente sabe da sua doçura, quanto de luta. Ela militou no Movimento Feminino Popular (MFP), e no Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR), todo mundo sabia como ela era forte e revolucionária – continua.

Ela participou também do Coletivo Bagaço, um movimento cultural artístico e político muito importante aqui em Pernambuco, fundado pelo Sílvio Ribeiro, conhecido como Omega, grafiteiro e artista plástico. Eu tive contato com a Remís uns dois ou três dias antes do acontecido, nós éramos muito próximos. Ela me encorajou a fazer uma especialização na universidade, enfim, ela é um ser humano realmente inesquecível, uma pessoa que vive dentro do meu peito e vou levar para sempre na minha vida – finaliza.


O contato da banda é (81) 99638-0654.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza