Enfrentando o imobilismo, estudantes realizam o triunfante 40º ENEPe em Curitiba!

Defrontando as adversidades causadas pela pandemia e o imobilismo escancarado do oportunismo, a Executiva Nacional de Estudantes de Pedagogia (ExNEPe) conquistou a vitoriosa realização do 40º Encontro Nacional dos Estudantes de Pedagogia (ENEPe), em Curitiba, Paraná, do dia 29 de outubro a 2 de novembro. Nele, a ExNEPe reafirmou seus princípios de classismo, independência e combatividade.

Diferentemente das outras edições, por questões sanitárias, este ano o número de pessoas em cada delegação teve de ser reduzido. Conseguiram estar presentes representantes dos estados do Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rondônia,, Pará, Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Bahia, evidenciando a escala nacional e a importância do encontro, que só pôde acontecer pela mobilização conjunta dos estudantes, os quais se organizaram para arrecadar fundos de forma independente.

No decorrer dos dias do evento, foram promovidas mesas com palestras e discussões políticas, em que a maioria dos temas foi voltada para a questão candente da Educação a Distância (EaD), que vem sendo imposta nas instituições de ensino pública e privada, do nível básico ao superior, e ameaçando a luta por uma Educação democrática, pública e de qualidade. As palestras e mesas podem ser vistas integralmente nos vídeos publicados no site oficial da ExNEPe.

Assim, à frente de mais um ENEPe, que possui um longo e combativo histórico de lutas a serviço do povo, tendo sido a Pedagogia o primeiro curso a romper em escala nacional com a “União Nacional dos Estudantes” (UNE), em 2004, a ExNEPe comprovou mais uma vez seu papel de exemplo e vanguarda para o Movimento Estudantil brasileiro. Como ocorre ao final de cada edição do Encontro, os estudantes aprovaram um Plano de Lutas consequente e combativo para ser seguido pelos estudantes no decorrer do próximo ano.

Em demonstração de combatividade, a 40ª edição do ENEPe teve um ato já no primeiro dia do evento. Fotos: Executiva Nacional dos Estudantes de Pedagogia (ExNEPe).


40º ENEPe se inicia com protesto na reitoria

Já no primeiro dia do evento, os estudantes realizaram um ato em frente à reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em que, organizados em colunas e respeitando o distanciamento social, ocuparam o pátio do campus universitário, produziram e colaram várias faixas pelas paredes com consignas combativas, como Derrubar os muros da Universidade!.

Tecendo críticas à precarização da Educação, agravada pelas aulas remotas compulsórias que têm sido sistematicamente aplicadas em todas as universidades públicas, outras faixas exclamavam: Em defesa do Ensino Público e Gratuito! Barrar a imposição da EaD impulsionando o boicote! e também Em defesa do direito de estudar ensinar e aprender!

O protesto combateu a política isolacionista das universidades em meio à pandemia de Covid-19 e rechaçou os múltiplos ataques do governo dos generais e Bolsonaro contra os direitos do povo. Em nota, a ExNEPe pontuou que tal conduta, “amplamente adotada por gestores de Instituições Públicas de Ensino Superior, justifica a política intervencionista do governo dos generais e do fascista Bolsonaro, e faz coro ao corte de verbas de R$ 1,6 bilhão no orçamento das IFES para 2021”.

Os estudantes exigiram que a universidade ponha o seu espaço em disponibilidade para atender às necessidades do povo durante esse momento de crise que se agrava, em vez de manter suas portas cerradas.

Mesas refletem a Educação vinculada à questão política

Ainda no primeiro dia, ocorreu a Mesa de abertura do evento, em que as entidades e delegações presentes se apresentaram e fizeram saudações ao encontro. Em suas falas, denunciaram a posição capituladora da universidade frente aos problemas do povo e ressaltaram que a autonomia e democracia universitárias, já débeis, têm sofrido ataques agudos, citando como exemplo as intervenções federais na seleção de reitores em múltiplas universidades.

Em sequência ao ato, foi realizada a primeira Mesa do encontro, na qual o ativista, escritor e ex-preso político Igor Mendes foi convidado para tratar da situação política nacional. Segundo a ExNEPe, ele “expôs de forma mais profunda sobre a luta estudantil e que caminho esta deve tomar, ligando-se firmemente ao povo pobre de nosso país que sofre diariamente os efeitos prolongados da grave crise econômica e social secular, agora aprofundados pelo coronavírus”.

Na parte da manhã do dia 30/10, ocorreu a Mesa sobre “Gratuidade, Democracia e Autonomia Universitária”, com a participação do professor Luís Carlos de Freitas da Universidade Federal Fronteira Sul (UFFS); e, na parte da tarde, a Mesa sobre “Construtivismo e pós modernismo: negação da ciência na escola”, na qual falaram a professora Marilsa Miranda, da Universidade Federal de Rondônia (Unir) e o professor Newton Duarte, da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

No dia 31/10, houve a Mesa “Em defesa do ensino público e gratuito: Barrar a imposição da EaD impulsionando o boicote! Em defesa do direito de ensinar, estudar e aprender!”, em que interveio Marcos Calazans, da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), e também a discussão “A precarização do trabalho dos professores com a implementação da EaD”, com o professor Rafael Abrunhosa, da Unesp.

Por fim, no dia 01/11, realizou-se a Mesa sobre “Currículo de Competências e BNCC”, com os professores Rafael Abrunhosa, da Unesp, e Alcimar Silva de Queiroz, da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), e em seguida a Mesa “Romper com os muros das universidades e escolas a serviço do povo: Lutar pelo cancelamento do ano letivo e adiamento do Enem!”, da qual participaram o Movimento Classista dos Trabalhadores da Educação (Moclate), o Centro Acadêmico da Escola de Química da Universidade de Campinas (Caeq) e representantes da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

Celebração da cultura popular

Além das palestras, mesas de discussão e apresentação de trabalhos acadêmicos, o ENEPe também é repleto de atividades culturais ao longo do dia, sendo comum, portanto, que nos intervalos os estudantes toquem e cantem canções da cultura popular e de exaltação às lutas do povo.

Ao final de cada dia, houve shows, saraus de música e outras atividades culturais organizadas para que todos os presentes pudessem descontrair e se conhecer. Nesta edição, bandas dos próprios estudantes presentes como a Terravante, Guego e Dora se apresentaram. Além disso, no primeiro dia houve o lançamento do livro Essa Indescritível Liberdade, escrito por Igor Mendes, evento que trouxe a necessária discussão em torno do papel da arte e da história do povo na literatura e na cultura popular.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza