PR: Professores lutam contra demissões

Cerca de 50 professores da rede estadual de ensino do Paraná realizaram, entre os dias 19 a 26 de novembro, uma greve de fome em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo do estado, em Curitiba. A categoria é contrária ao plano de militarização e fechamento de escolas e turnos letivos e exige a revogação do novo edital do Processo Seletivo Simplificado (PSS), que alterou as condições de contratação de professores temporários, passando a demandar provas presenciais com taxas de inscrição. Essa medida significa a demissão de mais de 28 mil professores, dentre outras consequências desastrosas, de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato).

A greve de fome é uma das várias ações promovidas pela categoria em luta contra as medidas desatadas pelo governador latifundiário, “Ratinho” Junior (PSD), e pelo secretário de educação, o empresário Renato Feder, que fora considerado para assumir a cadeira de Abraham Weintraub como ministro da educação do governo de Bolsonaro e generais, em julho deste ano.

No dia 17/11, centenas de professores realizaram uma manifestação que foi seguida da ocupação da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), exigindo uma discussão entre governo e professores, já que até o momento não havia ocorrido qualquer consulta pública sobre as novas alterações. Diante do ato combativo, a Secretaria de Educação e de Esporte (Seed) declarou publicamente que “o governo do Estado não negocia com sindicato que não respeita as instituições democráticas”, como forma de retaliação.

Outro ato já havia sido realizado no dia 30 de outubro em frente à Seed, quando houve a publicação do novo edital. Os manifestantes reivindicaram que a secretaria realizasse reunião imediata para discutir a mudança e, diante da negativa dela, o prédio foi ocupado. Manifestações de professores em todas as regiões do estado marcaram também o dia 04/11.

Mais informações sobre essa importante luta dos profissionais em educação podem ser lidas no Portal do AND.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza