RO: Latifúndio contamina ambiente com veneno próximo ao Acampamento Manoel Ribeiro

Grandes quantidades de veneno têm sido pulverizadas com uso de aviões sobre as terras da Fazenda Nossa Senhora Aparecida, no município de Chupinguaia (Rondônia), próximo ao Acampamento Manoel Ribeiro, causando intoxicação dos camponeses que nele vivem, e sérios riscos ambientais à região. Registros feitos pelos camponeses mostram a ação devastadora do veneno, que deixou grandes extensões de terra expostas com a morte da vegetação.

Por dias seguidos o veneno vem sendo lançado sobre a área que, além de cursos de água, conta com a instalação da barragem da Usina Cachoeira Chupinguaia.

Fazendo uso de pistas de pouso situadas nas próprias terras do latifúndio Nossa Senhora Aparecida, algumas das quais às margens da represa da Usina Chupinguaia, os aviões são abastecidos com auxílio de um caminhão adaptado conhecido como uniporte (grilo).

As consequências do crime do latifúndio já são sentidas. Crianças e adultos do Acampamento Manoel Ribeiro e áreas vizinhas passaram a apresentar sintomas de coceiras e alergias desde o início da pulverização do veneno, além de terem encontrado insetos, pássaros e peixes mortos nas proximidades.

O uso indiscriminado dos pesticidas, aplicado na eliminação de parte do pasto e insetos para o plantio da soja, ocorre no momento em que se inicia o período das chuvas, fato este que agrava ainda mais a contaminação dos mananciais, solo e lençóis freáticos com a infiltração do veneno na terra.

O contraste entre a devastação da área envenenada e a mata verde. Foto: Resistência Camponesa.


Assembleia Popular anuncia: Resistiremos!

No dia 28 de outubro, o Comitê de Defesa da Revolução Agrária emitiu nota em defesa da luta pela terra, denunciando e repudiando a campanha de criminalização e repressão contra os camponeses pobres em Rondônia, promovida pelo velho Estado reacionário.

Em nota, as famílias do Acampamento Manoel Ribeiro, que desde agosto de 2020 ocupam as terras da última parte da antiga fazenda Santa Elina a ser retomada, denunciam que os assassinatos de policiais militares no distrito de Nova Mutum-Paraná, norte de Rondônia, ocorridos em outubro foram “uma ação claramente executada por bandos armados do latifundiário Galo Velho na intenção de incriminar os camponeses do Acampamento Tiago dos Santos e lançar contra eles a sanha sanguinária de policiais matadores e seus chefes, guardiães do latifúndio”.

Denunciam ainda que a polícia civil e militar, assim como bandos armados dos latifundiários, tem intensificado a repressão com perseguição, prisão e assassinatos de vários camponeses. E, que se aproveitando da histeria fabricada contra a luta pela terra, assim como o Acampamento Tiago dos Santos, o Acampamento Manoel Ribeiro vem sofrendo sucessivas perseguições e intimidações com incursões em torno da área, blitz, sobrevoo de drones e helicópteros e, recentemente, até mesmo tentativas de infiltração de policiais dentro do Acampamento.

Reafirmando o compromisso com a luta pela terra, os camponeses declaram que não têm nenhuma ilusão com o velho Estado apodrecido que defende o interesse dos ricos e poderosos e dizem: “Basta! Não abaixaremos mais nossas cabeças! Queremos o que é nosso por direito! Aqui queremos apenas um pedaço de terra para viver, trabalhar e tirar o sustento de nossas famílias com dignidade, mas nossa luta vai além, queremos justiça, um poder de nova democracia e um Brasil novo para nossos filhos e netos”.

As famílias afirmam também que, “se a ferro e fogo nos despejar das nossas terras, voltaremos amanhã de novo, tendo aprendido como enfrentá-los, pois a lei do povo, confirmada pela história em todo o mundo, é lutar e fracassar, voltar a lutar e fracassar de novo, tornar a lutar até obter a vitória completa e definitiva contra seus carrascos, exploradores e opressores!”.

Por fim, anunciam: “Essas terras estão regadas com sangue dos camponeses que heroicamente resistiram e lutaram por elas em 1995 e dos povos indígenas chacinados por latifundiários e seu velho Estado. E se for necessário, juntaremos nosso sangue ao desses heróis. Assim como os combatentes de Santa Elina em 1995, hoje 25 anos depois gritamos com firmeza: Nem que a coisa engrossa, essa terra é nossa!”

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza