Música e pesquisa

Licenciando em música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Unirio, neste ano, o músico multi-instrumentista carioca Pedro Fadel vê na pesquisa um caminho para transformações dentro de uma sociedade. Veterano na banda da Uerj, Ah! Banda, e engajado no estudo da etnomusicologia, o que mais lhe atrai. Pedro ainda encontra tempo para acompanhar outros artistas, participando de CDs e DVDs.

- Tenho uma relação muito forte com música desde pequeno, meus pais sempre gostaram muito e assim eu cresci em um ambiente musical. Meu pai ouvia muita música brasileira e música negra estadunidense, jazz, blues e soul, e ele tinha uma grande coleção de CDs que passou para mim. Explorei todos eles – conta Pedro.

- Minha mãe ouvia vários gêneros musicais e, entre eles, amava música portuguesa. Lembro-me que costumávamos gravar CDs em fitas k7 para ouvir no rádio do carro da minha mãe, e esses eram grandes momentos para mim na infância. Lá pelos meus 6 anos de idade comecei a aprender violão, e nessa época eu estava começando a gostar muito de rock, um gênero que me acompanhou por muitos anos – continua.

Quando cursava a quinta série do ensino fundamental, no Colégio de Aplicação da Uerj, Pedro ingressou em um projeto da escola chamado “Juventude, Prática Musical e Expressão – Vivendo e Criando Música Com Jovens”, também conhecido como “Ah! Banda”, e nesse momento a música começou a se tornar profissão e a pesquisa musical surgiu e ganhou um enorme espaço em sua vida.

 Pedro Fadel no show "Rodrigo Torrero e Banda". Foto: Jorge Ribas.

- Entrei no projeto em 2008 e faço parte dele até hoje, inclusive fui bolsista até o fim de 2020. O projeto existe desde 2003, funciona como uma banda do colégio, que inclui dois núcleos: a banda dos mais novos e a banda dos mais velhos. É coordenado pela professora Ilana Linhales, que é uma grande referência para mim, uma pessoa que me ensina até hoje. Nesse projeto tive um espaço para tocar, e comecei a adquirir uma maior noção do fazer musical coletivo – expõe.

- Passei a lidar com o outro e aprender com o outro, e trabalhar no sentido de transformar as coisas coletivamente, lidando com o mundo através da música. A banda foi também o meu primeiro contato sistemático com pesquisa em música, porque não é um projeto que se encerra no universo sonoro, uma banda que ensaia e toca o seu repertório somente, temos um trabalho de pesquisa que leva a construção do repertório, e tudo feito de forma coletiva – continua.

- É um projeto de pesquisa feito pelos próprios alunos. Todos os anos decidimos um tema para o nosso projeto, por exemplo, em 2020 fizemos “Música e fluxos migratórios”, de maneira virtual por conta da pandemia. Já pesquisamos  sobre mulheres compositoras brasileiras, do final do século 19 até os dias de hoje, já estudamos a música brasileira da primeira metade do século 20, anos depois nós estudamos a música brasileira da segunda metade do século 20. Além da música afro brasileira e a música nordestina – relata.

Artistas importantes da música brasileira também são estudados, por exemplo, Noel Rosa, Ah! Banda gravou um CD dedicado à obra do Noel.

- O repertório que apresentamos vem das pesquisas, e não somos somente estimulados a pesquisar as músicas do tema, mas também todo o universo social que permeia esse repertório. Assim, somos levados a estudar política, história, economia, enfim, o que for preciso para entender aquilo que nos propomos a tocar – continua.

- Tive e ainda tenho várias experiências com Ah! Banda, entre elas, gravei dois DVDs, participei de um tema com a responsabilidade de escrever a pesquisa e as partituras, o que virou o livro “Elas: canto porque o instante existe”, de minha autoria, que está disponível na internet. Atuei na banda como guitarrista, depois passei para o violão, cavaquinho, bouzouki, que é um instrumento grego. Não ficamos presos a um determinado instrumento – conta. 

 

Pesquisar para conhecer e transformar

- A pesquisa em música é basicamente aquilo que mais me atrai e o que mais faço no momento. Trabalho com Etnomusicologia, uma área de estudo que se debruça sobre o fenômeno musical e outras formas de comunicação sonoras e não verbais, entendendo essas práticas como sócio-culturais e não como fenômenos sonoros abstratos – diz Pedro.

- A etnomusicologia se distancia um pouco de visões românticas sobre música, ideologias burguesas que veem a música como algo belo e abstrato, definição de não violência, música por música. Ela quer entender a prática social de como as pessoas fazem música e como isso se relaciona com o mundo concreto, material – explica.

Pedro conta que a etnomusicologia no Brasil, principalmente a que ele está inserido, já que são várias, é comprometida com a transformação social.

- Por ser um campo de estudo herdeiro da antropologia estadunidense e europeia, a etnomusicologia pode seguir uma esteira clássica da antropologia colonial, imperialista, de observação da cultura dos povos. Por exemplo, um pesquisador vai para algum país da África, estuda uma tribo, suga o conhecimento daquele povo e leva para o seu país onde ficará armazenado, sem se importar com aquele povo, com uma transformação social – argumenta.

- Mas a etnomusicologia no Brasil realizou um movimento muito contrário a esse tipo de prática, influenciada pelo marxismo, pela teoria crítica latino americana e a pedagogia crítica no país. Ela trabalha de maneira peculiar, engajada, comprometida politicamente com outro modelo de sociedade, pensando no que é importante para o grupo que está sendo estudado – continua.

- Não é o estudo de sociedades fazendo música para se criar um acervo que só uma classe média alta e pequenos burgueses terão acesso. Não é um trabalho de pesquisa que vai transferir esse conhecimento numa relação de transferência de valor entre capitalismo dependente e capitalismo central, transferindo o valor da periferia para o centro – continua.

Atualmente, Pedro faz parte de dois grupos de pesquisa em música, práticas musicais e pessoas, que são atrelados a Unirio. Além das pesquisas, realiza o trabalho de instrumentista.

- Há uns cinco anos toco violão 7 cordas de aço, meu instrumento principal, que é bem ligado ao universo do samba e do choro. Trabalho como músico acompanhante de alguns artistas e bandas, por exemplo, o cantor e compositor Rodrigo Torrero, meu amigo na universidade, e a banda Troá – conclui Pedro.

 

@fadelpedro é o contato do artista no Instagram

 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro