Muito que conhecer

A- A A+
Um domingo chuvoso de janeiro, tarde da noite, uma mensagem no meu celular: "Companheiro, passagem, amanhã cedo, pelas obras, R.Curitiba c/ Afonso Pena, 06h20. Até lá."

Na manhã seguinte, com cinco minutos de atraso, cheguei à Rua Curitiba. Nenhuma loja aberta e o trânsito anunciando congestionamento. Esfrego as mãos e aponto os dois companheiros do Marreta, nome pelo qual é conhecido o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção de BH e região. Um deles fala:
— Vamos companheiro, temos que chegar na obra às sete em ponto, para aproveitarmos melhor a reunião.

Rumo ao Belvedere (bairro nobre da cidade), uma obra com 150 operários nos esperava. Ao chegar, a primeira coisa que reparei foi a referência do sindicato junto aos trabalhadores. A hora da reunião não parecia ser um suplício para os operários, eles sorriam e vários "bom-dias" podiam ser escutados. Os sindicalistas se misturaram aos trabalhadores, a reunião seria em círculo, com todos de pé.

O companheiro do Marreta abriu a reunião com alguns informes, enquanto o outro companheiro distribuía o boletim. Venha estudar na nossa escola, era o chamado do panfleto.
— Camaradas, hoje a nossa reunião tem uma pauta especial. Trouxemos aqui o professor Rominho, que é da nossa escola popular, para tratar de um assunto do interesse de todos — disse o sindicalista.

Vários foram os olhares que se dirigiram a mim, alguns permaneceram de cabeça baixa. Nos próximos 30 minutos teria de me dirigir a eles, tarefa difícil, mas prazerosa. Não usei toda a meia-hora que tinha direito, mas falei o suficiente sobre a importância deles estudarem para conhecer melhor a realidade em que vivem. Disse que vivemos em um sistema opressor e injusto e que o acesso ao conhecimento é um dos instrumentos para superarmos essa situação.

Procurei levantar a auto-estima daqueles companheiros. Negar o que proclamam os dominantes: "papagaio velho não aprende a falar". Por fim, disse que só a luta muda a vida e que se o presente que vivemos é de lutas combativas, o futuro será nosso.

Depois da minha exposição, o companheiro que dirigia a reunião perguntou:
— Então, companheiros, vamos estudar na nossa escola? As inscrições podem ser feitas no sindicato e as aulas começam depois do carnaval.

Pude ouvir um "vamos" coletivo. Alguns operários pediram a fala, agradeceram a minha presença e disseram que a luta continua.

Às oito horas em ponto, toca o sinal, hora dos operários iniciarem os trabalhos. Aperto as mãos calejadas de diversos companheiros. É um aperto de mão diferente, é firme e vem sempre acompanhado de um sorriso tímido.

Logo na saída um companheiro me segura pelo braço e me fita:
— Professor, que dia mesmo que começam as aulas?
— Dia 14 de fevereiro, companheiro, te espero por lá — respondi.
— Vou sim, vocês têm muito a nos ensinar.
— E nós a aprender com vocês — completei.
LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja