O fiasco de Sharm el Seij

A- A A+
Pin It

 Fizeram à imprensa uma proclamação de que com a reunião dos representantes máximos nacionais e internacionais se dera início à paz na Palestina. Mas quando constatamos que não foi discutida nenhuma das questões básicas enfrentadas pelos que estão em guerra — questões nem ao menos mencionadas na declaração final — chega-se ao absurdo. Não se falou do Direito ao Retorno, das fronteiras finais, dos “assentamentos” ou de Jerusalém, e também não se fez promessa alguma de discutir sequer a curto prazo estes importantes assuntos.

Ninguém conteve o alento à espera das declarações finais partindo da reunião de 8 de fevereiro último em Sharm el Seij, posto que todo mundo, exceto os participantes, era perfeitamente consciente da modéstia das expectativas.

A cobertura do evento não repercutiu seus pobres resultados, quando se qualificava a reunião como um êxito sem precedentes e um ponto e à parte no processo de paz. O resultado foi o “histórico” cessar fogo declarado conjuntamente por israelenses e palestinos, e o regresso dos embaixadores egípcio e jordaniano a Israel.

No que diz respeito ao cessar fogo, este já teve lugar dez dias antes como resultado da reunião mantida entre o senhor Dahlan, representante palestino, e o chefe da segurança israelense, Shaoul Mofaz. Desta forma na realidade o único resultado da reunião foi o regresso dos embaixadores. Ambos países (Jordânia e Egito) poderiam ter alcançado tal fim, certamente, utilizando seus próprios canais secretos, sem necessidade de uma reunião de lideranças das quatro bandas.

O que houve foi uma intenção de reforçar na área a desgastada imagem de Bush, debilitada por seus fracassos na Palestina e no Iraque. Estando pressionado interna e externamente para cumprir suas promessas eleitorais sobre estas duas frentes, ele até conseguiu um pouco por combinar esta reunião, e ao mesmo tempo pedindo o retorno dos embaixadores jordaniano e egípcio, tal e como solicitava Israel. Jordânia e Egito prometiam voltar com seus respectivos embaixadores quando Israel se retirasse dos territórios ocupados de Gaza e Cisjordânia, questão que não foi abordada. Consciente do previsível fracasso da reunião, a secretária de Estado Condolezza Rice declarava que o EUA não seria responsável por seu resultado, e que nem sequer assistiria a conferência, nem formaria parte desta paródia. Paródia que se assimila a dois jogadores de xadrez que se enfrentam por controle remoto, para não mostrar ao público quem realmente está jogando, nem revelar seu rosto em caso de fracasso.

O jogo perigoso de Abbas

O perigoso jogo em que participa o senhor Mahomound Abbas, aceitando o cessar fogo, não se deve à suspensão das hostilidades, senão o que se propõe utilizá-lo para desmantelar as diferentes facções palestinas em combate, traçando a linha do lixo israelense ao futuro de seu povo, e colocando o destino de todos os objetivos nacionais palestinos sob o juízo da confiança israelense. Todo ele porque — como declarou mais de uma vez — deseja comprovar as intenções israelenses; como se não contasse já com a experiência de centenas de promessas sionistas que foram quebradas no passado.

Ainda mais, o senhor Abbas aceitou deter a Intifada e a resistência, eliminando opções no caso de Israel romper suas promessas e acordos A prudência deveria pressionar o senhor Abbas a seguir com as negociações ao mesmo tempo que apóia a resistência até que a paz prevaleça. O senhor Silvan Shalom, ministro Exterior israelense, não escondeu os objetivos finais de Israel ao declarar que o cessar fogo não seria suficiente e que as facções armadas palestinas deveriam ser desmanteladas e incorporadas a instâncias civis. Com esta demanda, o senhor Shalom se assegura de que a resistência desaparecerá inclusive ante as previsíveis violações por parte de Israel dos acordos binacionais.

Essas operações não servirão para desviar o povo palestino do direito de empunhar suas armas até que todas suas aspirações nacionais sejam completamente atendidas. Tamanha conspiração contra este heróico povo fracassou no passado e não há razões para acreditar que este último complô mine a resolução dos palestinos para conseguir seus objetivos nacionais de libertação e independência.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja