Editorial - Derrama e contra-derrama

A- A A+
Pin It

Ao longo da história da República as classes dominantes brasileiras estiveram empenhadas em vários projetos para o país. Dada a condição semicolonial, os projetos que implicavam em maior autonomia foram detonados diretamente pelo imperialismo ianque (veja-se os casos de Getúlio, em 54, e Jango, em 64). No máximo o império admitia sócios menores para atuarem como prepostos de seus interesses. Este tipo de relação prevaleceu, embora com algumas contradições, na ditadura de Getúlio, na administração JK e no gerenciamento militar.

A burguesia burocrática, engendrada pelo imperialismo, sempre acalentou o sonho do “Brasil grande potência” e buscava, sempre que possível, dar um rumo desenvolvimentista à economia. Mas se acovardava diante da menor ameaça do império. Por isto nunca pôde ostentar um projeto nacional.

Ela não tinha um projeto nacional, mas tinha intenções.

Hoje, com a chegada do oportunismo petista ao gerenciamento do Estado, com o seu apoio, e a adoção radical das determinações do FMI e do Banco Mundial, esta burguesia manifesta seu desencanto na frase do vice José Alencar: “Nosso discurso de campanha ainda não chegou ao poder”.

As classes dominantes perderam o domínio sobre o que fazer, estão à deriva. Como não têm projeto nacional e, nem mais, intenções, aprofundam a sua covarde submissão entregando o país à sanha das máfias internacionais. Estas, por sua vez, sabem como inflar o ego do vaidoso gerente e, assim, ampliarem mais ainda a derrama.

Enquanto isso os camponeses ensinam como governar; como organizar os recursos disponíveis em favor da satisfação de suas necessidades; como coletiva e democraticamente decidir os rumos de sua luta — seja pela terra, seja pela produção, ou pela aquisição de novos conhecimentos. Estes têm, juntamente com a classe operária e a imensa maioria do povo, um projeto para o Brasil.

Como a gravidez, em seu início desenvolve-se sem ser notado, mas já traz consigo as principais características do que será quando crescer.
LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja