RJ: Operação ilegal e genocida aterroriza o Complexo da Maré

Uma operação ilegal e clandestina aterrorizou um conjunto de favelas que integram o Complexo da Maré, na zona norte do Rio de Janeiro (RJ). A operação começou às 13h do dia 27 de março, enquanto ocorria uma tradicional feira popular onde os trabalhadores, principalmente idosos, se reuniam para comprar comidas e itens de sobrevivência, contrariando até mesmo os tratados internacionais válidos para países em guerra.

A operação ocorreu na Vila do João, Pinheiros, Salsa e Merengue e Esperança, todas favelas na Maré. A campanha de vacinação contra a Covid-19, que ocorria na Clínica da Família Adib Jatene e no Centro Municipal de Saúde da Vila do João, precisou ser interrompida; assim como uma distribuição de cestas básicas, feita por voluntários e moradores, teve de ser cancelada.


Jovem baleado na Vila do João, 27/03/2021

Os militares chegaram já atirando na entrada da Vila do João e da tradicional feira, provocando pavor geral em todos os presentes. “Covardia pura! Feira lotada, só deu tempo de correr”, denunciou um jovem morador da Vila do João, na internet.

Orquestrada pelo Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar (PM), a operação teve como como saldo um tiro na cabeça de uma senhora, identificada como Nilda, na Vila do João, que por sorte foi atingida de raspão e foi encaminhada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA); assim como outra mulher, que se escondia do tiroteio em sua casa, no Pinheiros. Outros quatro jovens foram alvejados e sequestrados pelos militares, que os arrastaram para os veículos blindados da corporação. Até a redação desta nota, ninguém sabia o paradeiro dos rapazes.

Em vídeos e fotos enviadas à Redação de AND, pode-se ver as fachadas das casas repletas de sangue e vãs do transporte local atingidas por disparos de fuzis, enquanto moradores socorrem seus feridos ou lamentam as mortes de seus entes queridos. Em uma das fotos, um homem baleado pode ser visto caído ao chão, sem possuir armas ou qualquer outro flagrante. Durante o conflito iniciado pela operação, um dos militares foi alvejado e morto.

Os militares também entraram nas casas dos trabalhadores residentes nessas favelas, arbitrária e ilegalmente, promovendo toda sorte de abusos, agressões e humilhações.

Segundo moradores, a suspeita é de que tal operação foi motivada pelo cancelamento do baile que ocorre tradicionalmente na Vila do João – evento aproveitado pelos policiais para pedir o famoso “arrego”, ou suborno, para não provocarem desordens que impeçam a realização da atividade. Em 27/03, especificamente, os organizadores do evento cancelaram sua realização por conta da grave situação pandêmica, decisão que teria motivado a operação genocida e de vingança.

Tais operações, além de escandalosamente criminosas ao serem justificadas com o velho discurso de “guerra ao crime e ao tráfico de drogas” (tráfico que tem em sua cúpula os próprios policiais, além de grandes magnatas que moram longe das favelas, como latifundiários, grandes capitalistas e políticos, e contra os quais nada é feito), ainda vão contra a determinação do próprio Supremo Tribunal Federal (STF), segundo a qual está vedada a realização de operações durante o estado de pandemia.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro