A inevitável fusão PT/PSDB

A- A A+
Pin It

Bernstein e Kautsky, rompendo com o campo revolucionário, no final do século 19 e início do 20, preconizaram partidos que, conquistando a confiança da burguesia, chegassem à direção do Estado e promovessem reformas sociais. Assim foi com os partidos sociais democratas, que estabeleceram o "Estado do bem estar social" propiciando tanto lucro àquelas burguesias, que lhes foi possível brindar o proletariado com pequenos mimos, cooptando as suas lideranças para abandonarem o projeto revolucionário e aderirem ao reformismo.

Por longo tempo, partidos trabalhistas como o da Inglaterra, e socialistas, como o da França, tiveram oportunidade de ocupar o governo e gerenciar os interesses da burguesia de caráter colonial e imperialista. O sistema capitalista mundial entrou porém em colapso e, no final da década de 1970, as forças reacionárias, lideradas por Ronald Reagan, no USA, e Margaret Tatcher, no Reino Unido britânico, desencadearam tremenda investida contra os outros povos para salvar o imperialismo de um fim que se acha cada vez mais próximo.

As correntes mais retrógradas da humanidade — da burguesia financeira, aos revisionistas da URSS, da China e do Leste Europeu e a igreja (principalmente a católica, tendo à frente Carol Wojtyla) confluíram para extirpar as conquistas dos trabalhadores do mundo inteiro e garantir a manutenção do lucro máximo, única forma de dar sobrevida ao capitalismo agonizante, desviando o desenvolvimento humano do rumo do socialismo para a barbárie. Com a hegemonia do imperialismo, os partidos social-democratas se fizeram instrumento da ofensiva contra-revolucionária e difundiram a demagogia da Terceira Via, adotando o receituário neo-liberal — denominação dada pelo imperialismo à sua investida contra os direitos dos trabalhadores e das nações e povos oprimidos.

No Brasil, esta vertente manifesta-se, primeiro, com a criação do Partido dos Trabalhadores, sob a direção de ex-guerrilheiros arrependidos, usando como porta-estandarte o metalúrgico Luiz Inácio. Isto coincide com a ascensão do líder católico e metalúrgico Lech Walessa, do reacionário movimento Solidariedade. Tem-se, em seguida, o surgimento do partido da social-democracia, o PSDB: chegava ao Brasil a terceira via, tão distante de seus propósitos reformistas europeus quanto o vampiro Bento Carneiro de seu congênere da Transilvânia. Sua inspiração, na verdade, era a possibilidade de assumir a gerência dos interesses do sistema financeiro internacional, apresentando-se com roupagem ideológica diferenciada dos entreguistas tradicionais, e como versão moderna, entre-aspas, da fração compradora da grande burguesia brasileira.

Paralelas que se encontram

Por um lado, o PT desenvolvia sua política de democracia pequeno-burguesa liberal radical, acumulando força junto aos trabalhadores e o povo, muito favorecido pela ausência de um verdadeiro partido comunista (a existência de partidos revisionistas só reforçaram tal situação), e valendo-se de sua demagogia eleitoreira, esvaziando assim o campo tradicionalmente ocupado pelo Dr. Leonel Brizola e o seu trabalhismo burguês radical.

Por outro, o PSDB aproveitando o vácuo resultante da queda em desgraça do grupo de Collor para colocar Fernando Henrique Cardoso no posto de gerente, ao final de uma trilha — usada para o golpe do Real e a demonstração de maturidade para a banqueirada internacional — que começa nas Relações Exteriores e desemboca na pasta da Fazenda. Assim, Cardoso desfrutou, por dois mandatos, da confiança da banca mundial, à qual correspondeu praticando crimes de lesa-pátria que acabaram por incompatibilizá-lo com a grande maioria do povo. Incompatibilidade de tal magnitude que se transferiu a José Serra, seu candidato para o gerenciamento.

O PT, seguindo seus pares europeus, e já contando com as simpatias do povo iludido, resolve então mostrar a que veio. Assume com o FMI para dar continuidade ao programa elaborado pela escroqueria internacional para o Brasil. Prosseguir no que já tinha sido implementado por Cardoso com o zelo dos serviçais. Foi muito bem aceito.

A posse de Luiz Inácio e o processo de transição do gerenciamento anterior para o seu foram marcadas por um festival de amabilidades e afagos dos dois lados. Cardoso sempre repetindo que entre eles havia mais semelhanças do que diferenças, e Luiz Inácio retribuindo com a concessão de foro especial para o antecessor e, como confessaria posteriormente em Vitória, no Espírito Santo, encobrindo-lhe falcatruas.

No parlamento, o PSDB faz uma oposição para inglês ver, atuando no campo da "moral", e cobrando celeridade no andamento das "reformas" cujas bases implantou na gerência Cardoso. Como é inadmissível este partido opor-se à implementação do próprio programa, a tão falada oposição programática do PSDB é cobrar do PT que cumpra as determinações do FMI e do Banco Mundial, rigorosamente nos termos da carta-compromisso para a qual Cardoso colheu a dócil assinatura de Luiz Inácio nas vésperas da eleição de 2002. Até porque as "reformas" de que foi incumbida a gerência de Luiz Inácio são aquelas que Cardoso não conseguira realizar, principalmente por oposição do PT.

Explicando a diferença entre o PT e o PSDB, José Genoíno assim se colocou: "Temos diferenças de visão programática de Estado, sobre economia, sobre universalização das políticas públicas e sobre a questão internacional, sobre o papel do Brasil no mundo. Temos diferenças programáticas e estratégicas com o PSDB. Por outro lado, o PT tem de ter uma relação politizante e de alto nível com o PSDB, que se constitui no nosso principal adversário desde 1994. Quando falamos dentro de uma visão de direita e esquerda, é sempre a partir de um referencial, não de um modo pejorativo, de um ataque. O PT, nas suas diferenças com o PSDB, refuta radicalmente a tese pregada por FHC, de um partido hegemonista, exclusivista. Estamos à frente do Estado e reformando esse próprio Estado. Por isso, na proposta-tese da maioria do PT, estamos reafirmando o caráter republicano e democrático do PT, nas suas relações com a sociedade e com o poder público".

Do poder não abrem mão

Economizando muito desse latim, Cardoso, em conversa com o petista Cristóvam Buarque, diz que não existe diferença ideológica ou programática separando PT e PSDB, mas pura e simplesmente disputa por poder. Em entrevista à revista Comunicação & Política, publicada pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos (Cebela), Cristóvam reconhece avanços do gerenciamento Cardoso, admite as dificuldades do PT de empreender mudanças e acena com a possibilidade de uma futura aliança. O ex-gerente, em resposta, diz que já pensou na possibilidade de PT e PSDB estarem do mesmo lado, mas considera a hipótese pouco provável por conta da disputa pela hegemonia política no país: "É porque nós não discutimos nem disputamos ideologia, é poder, é quem comanda".

Colocando a realidade de cabeça para baixo, Cardoso atira a culpa nas massas. Para ele, há uma "massa atrasada" no país e partidos que "representam esse atraso", referindo-se ao aglomerado de agremiações que dão suporte aos últimos governos (PFL, PMDB, PTB, PP, PL, etc.). "Os dois partidos que têm capacidade de liderança para mudar isso são o PT e o PSDB", diz ele, continuando a inverter a realidade e justificando com a lembrança de que foram esses dois partidos, ou frações da socialdemocracia, que mais aprofundaram a submissão do Brasil à oligarquia financeira internacional e ao latifúndio, que representam hoje o que há de mais atrasado e carcomido no mundo. E arremata: "No fundo, nós disputamos quem comanda o atraso". Seria mais exato se dissesse que a disputa é de quem lidera a manutenção e continuidade do atraso. Na verdade, Cardoso ainda acha pouco o PT estar implementando toda a política econômica acertada por ele com o FMI e o Banco Mundial e ainda utilizar quadros do PSDB para esta implementação. Ele quer mais: quer a fusão das duas frações. O ex-gerente, mesmo tendo sido convidado para compor a comitiva presente aos funerais do papa, demonstra certa mágoa por Luiz Inácio não procurá-lo com mais freqüência.

Parte da intelectualidade petista se esforça para rechaçar essa identidade e demonstrar, através de várias teses sociológicas nas quais são resgatadas a base social e a cultura política petista, que existe uma "profunda contradição" — que somente os tolos crêem ainda existir, e que os espertalhões procuram camuflar.

Mas os fatos são teimosos. O "pragmatismo" do ministro José Dirceu (Casa Civil) derruba as teses sociológicas com a força dos argumentos fisiológicos, afirmando que, "se o PT não fizer alianças para o ano que vem, o partido não conseguirá reeleger Luiz Inácio da Silva." Dirceu alerta que o PT, mesmo fazendo "cara de purgante, sendo amargo", precisa se aliar a outros partidos. Na mesma linha pragmática entre-aspas, o líder do governo no Senado, Aloízio Mercadante (PT-SP), disse que, sem o apoio de partidos como o PP e o PL, o governo não consegue aprovar projetos no Congresso. Óbvio, e que projetos!

Acontece que tanto estes acordos como o principal que, hoje, é tramado com o PMDB, implicam liberação de verbas para saciar a sede de empreiteiros e outros sanguessugas da política mundana (quer dizer, da política oficial), fundamentais para o caixa de campanha. E isto contraria as determinações dos amos imperialistas com relação ao superávit fiscal. Ora, o único partido que vota com prazer as anti-reformas de Luiz Inácio, até porque são de sua paternidade, é o PSDB. Vota e não "cobra" nada.

Estouram escândalos, mais como válvulas de escapes que necessitam serem abertas para evitar explosões em cadeia. Por exemplo, de bilhões e bilhões que os grandes corruptores arrastam do país para as suas sedes na metrópole, procura-se, sempre, dar a impressão de barateamento, já que toda a rapina imperialista, a julgar pelas acusações que se tornaram públicas, parece custar apenas 30 dinheiros (atualizados para 30 mil e, ainda, mensais) a fim de que parlamentares nativos prossigam homologando projetos imperialistas.

Assim, vai ao ar uma novela — de cunho detetivesco, outra vezes, inquistorial mesmo, enxurradas de acusações e evasivas —, que pretende grande audiência, muitos personagens e saída por cima, ou seja, perder oficiais mas conservar a integridade do sistema de governo. Tem-se a impressão de que, nessa encenação, o legislativo arma uma tentativa desesperada de livrar a velha estrutura parlamentar da sua (penúltima) desmoralização.

O PT é também acusado de emitir orden$ para evitar enxurradas de anêmicas CPIs, que, por serem dinâmicas, tendem a fazer com que se eleve continuamente a cotação das propaladas propinas para agentes passivos da corrupção. Luiz Inácio diz que será implacável e que "cortará a própria carne" (que ameaça!), tentando passar de réu a promotor — o que, por enquanto, não é difícil. Os pragmáticos, fisiológicos, idiossincrásicos e hegemônicos têm que enfrentar e resolver esta contradição. Tudo pelo mercado.

Pessimismo do mercado

Diante da possibilidade de desaceleração das economias da China e do USA, os mercados financeiros internacionais parecem contaminados por uma onda de pessimismo.

O FMI projetou uma redução no crescimento global de 5,1%, em 2004, para 4,3% em 2005, em decorrência da alta do preço do petróleo e da desaceleração das economias do Japão e da Europa. Ao atrelar a economia brasileira principalmente às expectativas de crescimento das nações imperialistas ou com tais pretensões, como a China, o risco para os especuladores está na eventual configuração de um desaquecimento dessas economias. Nesse caso, poderiam enfrentar dificuldades, devido à queda nas exportações e nas cotações das "commodities". Isso poderia recolocar a necessidade de financiamento externo a taxas de juros crescentes. A economia brasileira poderia sofrer uma reversão no processo de valorização do real, com impacto negativo sobre a inflação, a taxa de juros e as finanças públicas.

Assim, para manter a estabilidade da economia e a governabilidade, com a manutenção do fluxo da sangria determinado pelo FMI e o Banco Mundial, nada mais "patriótico" do que fundir as duas frações do servilismo pró-imperialista. Este, afinal, é o sonho dourado dos imperialistas para ter assegurado a paz social no Brasil e no continente sul-americano.

Mesmo sendo o desejo do patrão, somente o agravamento ao extremo da crise (que não é apenas do PT, nem dessa "administração", mas de toda a ordem burguesa e das suas instituições fundamentais) imporá, por cima das veleidades, caprichos e ambições do mundinho socialdemocrata tupiniquim, a necessária fusão de suas hostes. Pois nesta situação todos estarão ameaçados pelo perigo da rebelião das massas populares que insistentemente ronda o continente.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja