Leishmaniose se alastra por irresponsabilidade

A- A A+

O criador da vacina contra a Leishmaniose — doença causada por protozoários do gênero leishmânia e que afeta 350 milhões de pessoas em todo o mundo —, professor Wilson Mayrink, luta há mais de 30 anos para que o Ministério da Saúde a produza e inclua no calendário brasileiro de imunização. Enquanto isso não ocorre, a doença se espraia, fazendo a festa da indústria farmacêutica alienígena.

As pesquisas do professor Mayrink — que em 1963 organizou o Laboratório de Leishmaniose do Departamento de Parasitologia do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais (ICB/UFMG)—, resultaram no desenvolvimento da Leishvacin, a única vacina existente no mundo de comprovada eficácia contra esse protozoário. Só que o descaso das sucessivas gerências para com a saúde impede a sua produção em larga escala.

Um pesquisador do Instituto Bacteriológico de São Paulo, o professor Salles Gomes, lançou em 1939 a idéia de se produzir uma vacina contra a leishmaniose. A primeira experiência em campo foi realizada um ano depois, em Presidente Prudente, pelo parasitologista Samuel Pessoa, da Secretaria de Saúde de São Paulo, e a partir desses estudos, Mayrink e sua equipe desenvolveram a vacina.

Mais pobre, pior

No Brasil, só na região Sul os casos são de pequena monta. As áreas de maior ocorrência localizam-se no Norte, Nordeste e parte Norte de Minas Gerais, principalmente nas regiões agrícolas, favelas e localidades negligenciadas de saneamento básico. Somente no Brasil, estima-se o aparecimento de 25 mil novos casos por ano. Em Minas Gerais, mais de 400 municípios já detectaram a presença da doença, que contamina 12 milhões de pessoas em 88 outros países semicolonizados.

Já erradicada nos países de governos imperialistas, a Leishmaniose tem origem silvestre. É transmitida pelo lutzomya (birigüi ou mosquito-palha), inseto com especificidade biológica para transmitir o parasita ao homem, quando ele invade a floresta e destrói o habitat natural do mosquito. Além disso, o cachorro, animal domesticado pelo homem, é o principal hospedeiro do protozoário transmissor da Leishmaniose braziliensis.

Uma simples picada já é o suficiente para transmitir a doença que começa sua manifestação através de vários sintomas como febre contínua, perda de apetite, crescimento exagerado do fígado, lesões na pele e anemia, podendo até mesmo levar à morte do homem e de animais domésticos.

A doença se apresenta de modo diverso, tanto quanto à manifestação quanto ao grau de periculosidade. A do tipo tegumentar, mais comum em Minas Gerais, provoca a decomposição de parte dos tecidos do corpo e a deformação da pessoa. As feridas migram da região infectada para outras partes do corpo. Há também a mucotegumentar, que ataca as mucosas nasal e faringiana, com casos extremos de total deformação do rosto; a visceral, que atinge baço, fígado e medula óssea; e a difusa, que ataca a pele, causando um tipo diferente de lesão, até bem pouco tempo tida como incurável, mas combatida com sucesso pelo tratamento desenvolvido por Mayrink, usando a vacina em combinação com imunoquimioterapia.

Experiência de 50 anos

Orgulhoso pai de dez filhos (seis adotivos) e formado em Medicina em 1951 pela UFMG, Wilson Mayrink recorda:

— Passei por várias áreas da Medicina mas nunca me encontrava, até me ver largado em um laboratório. Foi aí que desenvolvi o interesse pela pesquisa. Como não gostava quando meus pacientes perguntavam o preço da consulta ou do tratamento, parei de clinicar e virei cientista de vez.

O interesse de Wilson Mayrink pela Leishmaniose foi despertado em 1962, com a visita ao Brasil do professor Saul Addler, da Universidade Hebraica de Jerusalém. O médico mineiro logo se juntou à equipe de Adler na montagem de um centro de estudos em Leishmaniose e começou essa caminhada que já dura mais de 40 anos de atenção principalmente ao povo empobrecido. Em 1965, Mayrink e o epidemiologista Paulo Araújo Magalhães, da SUCAM — Superintendência de Campanhas de Saúde Pública —, iniciaram estudos na Zona da Mata sobre a profilaxia da Leishmaniose visceral, ou calazar, doença causada pelo protozoário Leishmania donovani. De 1965 e 1971, trataram cerca de 360 casos, somente em Caratinga (MG). Como a exterminação dos cães tem tanta importância para a erradicação, naquela época foram examinados 180 mil cães sendo 7% sacrificados.

Mayrink recorda que já precisou ameaçar uma pessoa de apresentá-la como responsável pela possível contaminação de toda uma região, para obter concordância dela para o sacrifício de seu cão. — Não imaginava que um cachorro tivesse papel tão importante para uma família — comenta. Para evitar a propagação da doença, promoveu a dedetização das áreas residenciais e estabeleceu desde então rigorosa vigilância epidemiológica. Em seis anos de trabalho, conseguiu controlar o calazar, naquele município, aplicando a vacina nos camponeses antes de irem para a lavoura. Mayrink afirma que o resultado só não foi obtido antes devido à ignorância dos médicos e o descaso das autoridades.

—A maioria das pessoas não acreditava que pudéssemos chegar a esses bons resultados — observa. — E muitos ainda não dão valor à vacina por ter sido desenvolvida por brasileiros sem apoio e sem as condições de trabalho dos estrangeiros que, mesmo assim, não conseguiram resultado tão satisfatório.

Autoridades & mistérios

A partir de 1971, os esforços se concentraram na coordenação de um grande estudo, ainda na região de Caratinga, para testar a eficácia da vacina contra a Leishmaniose tegumentar americana (LTA), Viana (ES) Manaus (AM) e Belo Horizonte (MG). Após a realização dos primeiros testes, ocorreram inúmeros aperfeiçoamentos na vacina. Na Amazônia, uma região endêmica, foram realizados testes com soldados, obtendo-se êxito total.

Em 1987 o então superintendente de Campanhas de Saúde, Josélio de Carvalho Branco, informou ao ministro da Saúde, Roberto Santos, sobre o sucesso da aplicação em larga escala da Leishvacin . A Organização Mundial da Saúde — OMS — autorizou a fabricação da vacina pela extinta Bioquímica do Brasil S/A — Biobrás. Passaram-se quatro anos e o Ministério da Saúde suspendeu a autorização para a produção, sem informar os motivos.

Quando a produção foi desautorizada pelo Ministério da Saúde, um dos maiores parasitologistas do país, o professor Amílcar Viana Martins, afirmou que a vacina tinha grande valor social, científico e econômico.

A vacina foi reconhecida até pela revista do Programa de Pesquisa de Doenças Tropicais da OMS, mas apesar disto Mayrink tem que arcar com recursos próprios para o desenvolvimento de seu trabalho, com destaque para a aplicação, com apoio da UFMG, Fapemig — Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais — e UFOP — Universidade Federal de Ouro Preto —, irradiada de Caratinga para numerosos municípios vizinhos. No Ambulatório Paulo Magalhães, em Caratinga, Mayrink ainda cuida dos pacientes, usando a vacina produzida por ele no laboratório da UFMG e medicamentos cedidos pela Funasa —Fundação Nacional de Saúde —, Biomm, Secretaria Municipal de Saúde, entre outras. Atende de 15 a 60 novos casos por mês. Alguns precisam percorrer até 200 quilômetros para receber o tratamento. Muitos desistem e o próprio Mayrink já custeou deslocamentos de pacientes. O combate e o tratamento da doença ainda são artesanais. O medicamento padrão à base de antimônio, tem o nome de Glucantime. É tóxico, causa enjôo e problemas no fígado. Esse remédio foi criado em 1912 pelo pesquisador Gaspar Viana, incorporando o tártaro hermético ou antimonial no tratamento, mas foi sendo aperfeiçoado até chegar-se ao antimônio pentavalente, comercializado no Brasil por um laboratório com sede na Inglaterra, a Rhodia. O Ministério da Saúde custeia o fornecimento, mas não há ampolas suficientes nos hospitais e postos de saúde. A incompetência é tamanha que a distribuição não leva em consideração a ocorrência da Leishmaniose em cada região.

— O Paraná não tem Leishmaniose e recebe a mesma quantidade de antimônio que o estados do Norte e Nordeste, que são grandes focos da doença — critica Mayrink.

O uso do medicamento apresenta restrições para gestantes, idosos, cardíacos, recém-nascidos, diabéticos e portadores de doenças imuno-depressoras. Só em 2000, o Ministério da Saúde registrou 14 mortes causadas pelo uso do antimônio e, em 2001, o número aumentou para 17. Segundo Mayrink os médicos não estão preparados para lidar com a doença e o seu tratamento.

Como a vacina desenvolvida por Mayrink não tem contra-indicações, ela é a única maneira de tratar pacientes que não podem receber o antimônio. De acordo com o professor, o resultado final é de praticamente 100% de cura e, quando antimônio e vacina são usados juntos, além da diminuição da exposição ao antimônio, o tempo gasto é menor do que quando se usa só o antimônio. Já quando somente a vacina é usada no tratamento, o processo de cura é mais lento, pois depende do estado imunológico da pessoa.

— A vacina é capaz de levar à cura da lesão e também pode produzir um estado de resistência à doença — observa Mayrink, sem compreender a atitude do governo, pela qual quem paga é o povo trabalhador do campo sempre mais empobrecido.

Já aposentado, o professor Wilson Mayrink ainda vai diariamente ao ICB para dar continuidade às pesquisas. Nenhuma adminisração investiu até hoje neste trabalho, e todos os que tomam conhecimento dele afirmam que, se a Leishmaniose contaminasse gente rica, não faltariam recursos para financiar dezenas de pesquisas, como ocorre com a diabetes.

— No Brasil não se permite ter saúde pública, não há competência — desabafa Mayrink.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja