Editorial - “Fora o poder tudo é ilusão”

A- A A+

Hordas de exploradores e de vândalos a seu serviço lançam-se contra o país exterminando a gente explorada — nos campos, nas fábricas, nas favelas e nas prisões — saqueando e destruindo a agricultura, as florestas e as reservas de matéria-prima. O povo tornou-se o inquilino de seu próprio território, e o aluguel é cada vez mais insuportável. Salários, garantias trabalhistas e previdenciárias retrocedem às condições encontradas no início do século passado. A exploração do homem pelo homem chega às suas últimas consequências. Tudo privatizaram. Pior, o Brasil foi desnacionalizado.

II

Costuma-se dizer que este país não tem governo desde 1964, o que é verdade. Porém, como? Sem órgãos de poder adequados não há Estado. O sistema de Estado diz respeito à frente das classes que exercem o Poder, enquanto que o sistema de governo é a forma com que se organiza o Poder — o Poder que se estabelece para proteger as classes que dirigem a economia, a política, a cultura, o seu território; todo o seu patrimônio.

Por sua vez, o Estado é o elemento secundário. O principal são as classes, o elemento decisivo que dirige o Estado. No caso brasileiro, são as classes organizadas no Poder e que oprimem outras, as que trabalham e são exploradas.

Vitoriosa a contra-revolução de abril de 64 — sob a hegemonia do imperialismo ianque, que tem como suporte social interno a aliança da oligarquia latifundiária e a parte mais servil da burguesia —, desde então, essas classes nunca entregaram o Poder.

E a direção do PT, como a de outros partidos "democráticos" — todos adotando o mesmo programa (monopartidista) e seus governos figurativos que se sucederam no Brasil —, está sob as ordens dessas classes contrarevolucionárias em aliança, assim como dos tenebrosos pactos que elas promovem.

Ao mesmo tempo, tais classes se recusam, óbvio, a estabelecer qualquer acordo com o proletariado, com o campesinato e com todo o povo brasileiro.

Esses são os interesses que vigoram e se refletem na política letal dirigida contra o nosso povo há 41 anos.

O atual Estado brasileiro existe para sustentar principalmente os interesses do imperialismo, em associação com a oligarquia latifundiária e a burguesia burocrática. E a expressão desse sistema de Poder é, obrigatoriamente, semicolonial, semifeudal e burocrático. Até que ponto esses Estado e governo têm (ou pretendem ter), portanto, algo de nacional? Não sem razão, cada discurso governamental (ou, mais francamente, Não-Governamental?) cometido é um atentado à inteligência humana. Invariavelmente a fala se faz acompanhar por novos decretos lesivos aos interesses nacionais e por trejeitos de assimilação osmótica — o escravo adota os hábitos do senhor.

III

Na administração FMI-PT, a exemplo da "administração" Cardoso e das demais, escândalos se multiplicam ora como reflexo das disputas entre frações do campo anti-povo e contra-revolucionário, outras vezes servindo para "oxigenar" desmoralizadas campanhas eleitorais, ocultar fatos revoltantes, imediatamente anteriores ou paralelos. Tudo com o objetivo de desviar as críticas à corrupção sistêmica, aos crimes maiores, dissolver a responsabilidade dos grandes patrões estrangeiros.

Pagam-se 30 mil mensais para que o gringo possa roubar bilhões do povo trabalhador, arruinar de vez a pátria e sair inocente.

Se necessário, convocarão o povo para defender a "legalidade" (ou seja, o chamado "governo") — além de retomar o controle da "crise ética" (de uma ética sem honra), e os "valores democráticos" sem povo — ou a outra fração anti-povo que se oponha à atual administração, quando ambas fazem parte do mesmo sistema.Mas, partindo dessa gente, o objetivo será sempre o de aprofundar a exploração, a opressão, o saque, a pirataria, a rapina.

Nesses dias, o PT controla a própria comissão que o investiga. E de fato, pouco importa se o PT está em crise, porque a crise, determinante e irremediável, é a das classes dominantes internas e a do imperialismo, da sua estrutura de Poder. Consequentemente, de todas as suas instituições, o que, então, inclui o PT.

Os verdadeiros filhos deste país — principalmente a parcela mais avançada do proletariado, do campesinato e dos setores médios da população, como a pequena burguesia industrial e comercial, além de outros setores da burguesia, oprimidos pelo imperialismo — há muito compreenderam a necessidade de estabelecer um programa de frente única contra as classes que compõem o campo entreguista e imperialista.

Definitivamente, é preciso varrer por inteiro o blefe da dívida externa e o sistema de opressão que pesa sobre a nossa gente. É imperante confiscar e nacionalizar, por inteiro, o patrimônio monopolístico das corporações transnacionais e das classes aliadas ao imperialismo, transferindo-o imediatamente para as mãos do povo.

Não pode continuar nas mãos do imperialismo, e de seus asseclas internos, a vida material das massas, como os meios de produção fundamentais: a terra, os bancos, as grandes empresas industriais e comerciais, rodovias, ferrovias, linhas de navegação em geral, reservas de matéria prima e as empresas de valor estratégico.

Nada se espera quando o povo não marcha resoluto em direção a um sistema de Estado e de governo autenticamente popular e comprovadamente democrático —, rumo a uma nova economia, uma nova política, uma nova cultura; a uma democracia de tipo novo.

Sem uma estatalidade feita da vontade mais pura e verdadeira das classes que lutam pela sua emancipação e pela independência nacional, tudo não passará de ilusão.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja