Uma causa, uma vida

Zona da Mata mineira, Itaperuçu, distrito de Palma. No dia 20 de janeiro de 1914 nasce Ricarte Sarandi, em uma família camponesa que totalizava 22 irmãos.

A propriedade paterna de cem alqueires se tornou pequena para tão grande família, mas foi o avanço do latifúndio que os expulsou para a cidade. Aos dezesseis anos, já em Juiz de Fora, Sarandi trabalha como marceneiro e, através da União Operária ingressa, junto com o pai e outros 4 irmãos, no Partido Comunista do Brasil. Teve a honra de militar na juventude comunista ao lado do bravo Maurício Grabois.

Em 1935, durante o levante popular, foi preso (uma de suas 20 prisões políticas), primeiramente na Casa de Detenção, onde conheceu Olga Benário em seu período de prisioneira da polícia fascista de Getúlio Vargas/Filinto Muller. Em seguida, foi transferido ao campo de concentração da Ilha Grande, onde não abandonou a combatividade.

Libertado em 1940, casou-se e teve um filha. Alfabetizou operários durante a construção de Brasília, trabalhou na construção da Compania Siderúrgica Nacional, em Volta Redonda. Foi ainda pedreiro, carpinteiro, padeiro, mecânico, marceneiro, enfermeiro (formado em 1963, em Goiânia) e professor de história, sempre conciliando a atividade profissional com a incansável ação revolucionária.

Em 1964, exercendo a função de professor de história em Brasília, foi interrogado pelos militares contra-revolucionários, juntamente com outros funcionários públicos, e impedido de lecionar. Continuou em Brasília até 1977, quando retornou para Juiz de Fora.

Lúcido, em agosto de 2003, aos 91 anos, Sarandi deu, entrevista ao AND, onde contou a sua história, que se confunde com a do Brasil.

Sem dúvida um exemplo para todos que desejam um Brasil liberto.

Faleceu em 2 de junho de 2005, em Juiz de Fora, com a certeza de que "Pregar Socialismo com eleição é querer enganar, disso eu tenho certeza!"

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin