O Iraque e o federalismo

A- A A+

Por que o Iraque rejeita a Constituição imposta pelos americanos? Se desejamos compreender sua recusa em aceitar a "Carta" criada pelos E.U.A, precisamos lembrar algumas questões básicas.

Nas décadas que precederam a primeira Guerra do Golfo, graças à nacionalização do petróleo, em 1972, quando Saddam Hussein ainda era vice-presidente, o país pôde capitalizar recursos que o converteram no maior investidor em tecnologia de ponta do Oriente Médio. Isso possibilitou ao povo o atingimento de um dos mais elevados padrões sociais da região, enquanto as mulheres iraquianas obtinham acesso à educação e ao trabalho numa escala sem precedentes.

Entretanto, quatro grandes fatores solaparam estas conquistas: o intervencionismo militar dos falcões; os interesses hegemônicos do capital neoliberal; a rapinagem às maiores reservas petrolíferas mundiais e, last, but not least**, a política de segurança da extrema-direita israelense. A agressão violenta ao Iraque visou a aniquilar a soberania do país, considerado o último bastião do nacionalismo árabe e, cujas altas reivindicações por independência política-econômica ameaçavam as prerrogativas neocolonialistas internacionais. Desencadeada uma inédita sangria que uniu embargo e bombardeios durante mais de uma década, o resultado foram dois milhões de mortos civis e militares.

Interessados apenas "em dividir para reinar", os E.U.A. articulam ofensivas simultâneas para enfraquecer a resistência nacional iraquiana que, ao contrário de seus opressores, busca, por todos os meios, unir o povo numa mesma frente ideológica. Reduzem a escolha da nação à duas opções midiáticas: "submeter-se à ocupação" ou "guerra civil". Os iraquianos sabem que podem rejeitar ambas.

Assim, as diferenças étnicas (curdas e árabes) e religiosas (xiitas e sunitas) têm sido propagadas pelos poderes hegemônicos imperiais a fim de fracionar o Iraque, da mesma forma ocorrida na Iugoslávia e no Líbano, maquinando a criação duma guerra civil. Terroristas como Al-Zarqawi da Al-Qaeda, e outros, foram, na verdade, ali infiltrados a serviço das forças de ocupação para atacar a população indefesa, disseminando o caos e fomentando conflitos religiosos. A resistência legítima tem como alvo exclusivo os invasores e seus colaboracionistas. Contudo, o povo iraquiano está perfeitamente alerta contra as malogradas tentativas de mergulhar sua terra num campo de batalha interno.

Um dos principais veículos ideados para balcanizar o país foi a redação de uma Constituição de cunho federalista. Para refutá-la, de norte a sul, milhares de cidadãos saíram às ruas nos últimos dias, em manifestações pacíficas por todas as cidades iraquianas, empunhando retratos de Saddam Hussein e dos clérigos Al-Sadr e Al-Khalisi. Quando esta grande mobilização nacional atingiu seu pleno sucesso, vimos mais um atentado, em Bagdá, onde morreram cerca de mil xiitas, com o fito de produzir uma rixa inter-confissional.

O federalismo pretende transformar o país num estado sectário, compartimentado em três zonas autônomas, duas baseadas em divisões religiosas (xiita ao sul e sunita, ao centro) e uma racista (curda ao norte). A Constituição, portanto, se baseia no retorno ao sectarismo, pretendendo, com isso, descaracterizar a identidade árabe ali tão bem sedimentada, fundamento de suas antiqüíssimas conquistas históricas.

Deste modo, compreende-se porque milhares de manifestantes foram às ruas do Iraque nas últimas semanas, empunhando cartazes onde se lia: "Não ao federalismo, não ao racismo e não ao sectarismo!" "Irmãos xiitas e sunitas, nossa pátria não está à venda!"

O líder xiita de Amara, Al Khalisi, numa entrevista à TV Al-Jazira, esclareceu:

— Não existem xiitas querendo uma Constituição que os sunitas rejeitam! Essa é mais uma estratégia das forças dominantes para conspirar contra a nação. O que há são os seguidores da ocupação de um lado, (que querem impor a Constituição) e, de outro, sunitas e xiitas nacionalistas que a repudiam.

Assim, enquanto a maioria do povo iraquiano reivindica um conceito secular integrador, os falcões traçam referentes políticos regressivos — a própria antítese da democracia — para facilitar a tutela neocolonial de Washington, através de guetos tribais, confissionais e étnicos. Em contrapartida, os iraquianos desejam uma nova Constituição que salvaguarde seus direitos civis, iguais perante a lei e livres da ocupação estrangeira.


*Yasmin Anukit, Prof.a de Estudos Orientais e escritora,autora do livro:Da Mesopotâmia ao terceiro milênio: Iraque, a ressurreição de um povo, Editora Fissus.
** Por último, mas não menos importante

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja