Justiça mantém ‘Russo’ preso

A- A A+

 


Cartazes expostos no 4° Congresso da LCP, em agosto de 2005

Wenderson Francisco de Souza, o camponês conhecido como Russo, está preso desde o fim de 2003, em Rondônia, sob a injusta acusação de ter matado, junto com outros dois camponeses, um jagunço a serviço do latifundiário Antônio Martins Santos, conhecido grileiro de terras.

Depois de intensa campanha pela libertação, dois deles foram soltos: Edilberto Resende da Silva, o Caco, e Joel Gomes da Silva. No entanto, invocando uma briga de bar da qual Russo participou muito tempo antes, o Judiciário o manteve preso em Jaru, cidade mais próxima de onde o “crime” teria sido cometido.

O próprio Ministério Público entende que Russo já deveria estar solto e encaminhou pedido nesse sentido à 1.o Vara Criminal da cidade de Jaru. Em flagrante demonstração de que a prisão do camponês é política, a juíza Fabíola Cristina Inocêncio indeferiu o pedido do Ministério Público, mantendo Russo preso.

Não bastasse essa desfaçatez, a OAB-RO (Ordem dos Advogados do Brasil — seção Rondônia) passou a assediar Russo, tentando infundir desconfiança quanto ao seu defensor, o advogado Ermógenes de Souza. Ermógenes já foi ameaçado de morte pelos latifundiários da região e a mesma OAB nada fez para protegê-lo, o que mostra que a OAB está defendendo os interesses dos latifundiários do estado.

Mas a juíza Fabíola guardava ainda uma última cartada. No dia 29 de setembro, de madrugada, Russo foi transferido de Jaru para o presídio conhecido como Urso Branco, em Porto Velho. O que pode ser identificado como um sequestro é justificado assim pela juíza: “... sendo necessário destacar aqui, que o mesmo pertence à Liga dos Camponeses Pobres, a qual continua fazendo suas manifestações inclusive com o fechamento da ponte que liga esta Comarca ao sul do Estado, exigindo sua libertação, sendo propício que o recorrente, até o seu julgamento, esteja afastado destas, haja vista que a imputação criminosa que lhe é feita, ocorreu em uma destas manifestações, sendo assim, faz-se necessário a adoção de medidas para que a ordem pública não seja afetada. ...”. Russo permaneceu sem receber comida durante cinco dias, sendo inclusive obrigado a se servir de água do banheiro para beber.

A Liga dos Camponeses Pobres de Rondônia e os familiares de Russo consideram esta mais uma tentativa de matar o camponês e intimidar o movimento camponês que vem destruindo o latifúndio em Rondônia. Estão ampliando a rede de denúncia dessa perseguição, conseguindo inclusive desencadear uma campanha internacional junto a Organização Mundial de Combate à Tortura — OMCT (veja nota).

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja